i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
PREÇOS

Mercado vê inflação um pouco mais comportada

IPCA de julho deve vir perto de zero, puxando o acumulado em 12 meses para baixo do teto da meta. Expectativas para o fim do ano e 2014 recuaram

  • PorCíntia Junges
  • 05/08/2013 21:17
A queda nas tarifas de ônibus ajudou a conter a inflação | Henry Milleo/ Gazeta do Povo
A queda nas tarifas de ônibus ajudou a conter a inflação| Foto: Henry Milleo/ Gazeta do Povo

Controle

Sem administrados, IPCA estaria perto de 8%, diz economista

Agência Estado

O ex-presidente do Banco Central Affonso Celso Pastore acredita que o IPCA deve subir perto de 6% neste ano e atingir 6,5% em 2014. "A inflação no país está reprimida", comentou, referindo-se às medidas que o governo adotou para conter a elevação dos preços, como a decisão de não elevar as tarifas de passagens de ônibus em grandes capitais, como São Paulo e Rio de Janeiro. "Sem preços administrados, a inflação no Brasil está rodando perto de 8%", afirmou.

O Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) de julho, que o IBGE divulga amanhã, deve trazer boas notícias para o governo e o bolso dos consumidores. A expectativa média do mercado – traduzida pelo relatório Focus, do Banco Central – é de que o índice tenha ficado em 0,04% no mês, o que traria a inflação acumulada em 12 meses para baixo do teto da meta, caindo de atuais 6,70% para 6,24%.

O Focus também indicou uma leve melhora no cenário da inflação para 2013 e 2014. Há um mês, a projeção para o IPCA acumulado no fim deste ano era de 5,87%; agora, está em 5,75%. As previsões para a inflação consolidada em 2014 também baixaram, de 5,90% um mês atrás para 5,87% hoje.

Os números mostram que, na opinião do mercado, o próximo ano terá inflação um pouco mais forte que neste – e, em ambos os casos, acima do núcleo da meta, que é de 4,5%. Mesmo assim, especialistas excluem a possibilidade de um descontrole dos preços.

Segundo o economista Fernando Parmagnani, da Rosenberg e Associados, as manifestações que mobilizaram o país em junho tiveram um impacto grande sobre o reajuste de preços administrados – as tarifas de ônibus, por exemplo, caíram em várias capitais. Além disso, ele destaca o "efeito eleições", que deve fazer com que o governo se dedique ao controle da inflação com mais empenho em 2014.

"Provavelmente chegamos ao pico da inflação acumulada. O pior parece ter ficado para trás", afirma Parmagnani. Ele pondera, no entanto, que há um descompasso entre a política de controle inflacionário do Banco Central por meio da alta da taxa básica de juros e a política fiscal mais frouxa do governo, com gastos nas alturas.

Para o economista Guilherme Souza e Silva, consultor do Instituto de Desenvolvimento Gerencial (INDG), o Banco Central continua perseguindo as metas de inflação por meio de sua política monetária. Exemplo é a taxa básica de juros (Selic), que voltou a subir nos últimos meses.

Além disso, avalia Silva, o governo deve lançar mão de outros mecanismos de controle para conter o avanço dos preços, avalia. "Recentemente o ministro da Fazenda, Guido Mantega, comentou a possível redução da tarifa de alguns produtos importados, para amenizar a alta do câmbio", afirmou.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.