i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Resposta

Merkel responde a Dilma com crítica sobre protecionismo

Declaração da chefe do governo alemão foi feita após Dilma criticar injeção excessiva de recursos por países desenvolvidos para conter crise

  • PorAFP e Agência O Globo
  • 05/03/2012 15:50
Angela Merkel se encontrou com Dilma Rousseff nesta segunda-feira. Elas discutiram economia | REUTERS/Fabian Bimmer
Angela Merkel se encontrou com Dilma Rousseff nesta segunda-feira. Elas discutiram economia| Foto: REUTERS/Fabian Bimmer

Dilma critica injeção excessiva de recursos por países desenvolvidos para conter crise

Na Alemanha, onde se reúne nesta segunda-feira (5) com a chanceler alemã, Angela Merkel, a presidente Dilma Rousseff voltou a criticar o excesso de recursos injetados na economia global pelos países desenvolvidos para amenizar os efeitos da crise econômica que enfrentam

Leia matéria completa

A chanceler da Alemanha, Angela Merkel, deu nesta sexta-feira uma resposta direta às críticas da presidente Dilma Rousseff, que acusou os países ricos, especialmente europeus e americanos, de estarem provocando um "tsunami monetário" com suas políticas expansionistas. Merkel colocou o dedo no ponto onde o Brasil tem sido mais criticado internacionalmente: o protecionismo.

IMAGENS: Veja fotos do encontro entre Dilma e Merkel

Num discurso diante de Dilma e de uma platéia de empresários na abertura da maior feira de tecnologia do mundo - CeBit - onde o Brasil é o país homenageado - Merkel disse: "Nós (ela e Dilma) vamos discutir a crise e as preocupações de cada uma. A presidente falou que está preocupada com um ‘tsunami de liquidez’. Do nosso lado, nós estamos olhando onde estão as medidas protecionistas unilaterais", disse Merkel.

A presidente Dilma Rousseff havia dito mais cedo que o Brasil vai tomar "todas as medidas" para proteger o real dos efeitos da enxurrada de capital provocada pela política expansionista dos países ricos, em particular da Europa e dos Estados Unidos, se eles insistirem neste caminho. Mas descartou a hipótese de adotar quarentena, isto é, o instrumento que exige a permanência mínima de capital no país:

"Quarentena é você que quer fazer. Não estou defendendo quarentena, meu querido, isso é uma temeridade", reagiu, quando um jornalista perguntou sobre o instrumento.

"A senhora descarta?", insistiu o jornalista. "Tem dó !", reagiu a presidente.

Dilma, que iniciou nesta segunda uma visita de dois dias à Alemanha - o país que hoje dita as regras na Europa - disse que vai insistir na queixa nos seus encontros com a chanceler alemã Angela Merkel.

"Todo mundo vai tratar de tsunami (monetário) no mundo. Eu, o Fundo Monetário Internacional (FMI), o BIS, que é o Banco de Compensações Internacionais, que mostra que é impossível com US$ 8,8 trilhões e no caso específico da União Europeia, com US$ 1 trilhão, o que acontece? Acontece que a política monetária expansionista destes países produz um efeito extremamente nocivo, porque desvaloriza de forma artificial as moedas."

A expansão monetárias nos países ricos, disse a presidente, "equivale a uma barreira tarifária". E provoca dois efeitos: torna os produtos dos países ricos mais competitivos artificialmente, e cria bolha de ativos. A presidente frisou que os próprios organismos internacionais reconhecem que isso. Segundo ela, os ricos não resolvem seus problemas com isso: só ganham tempo.

Dilma critica assessor especial da presidência

A presidente desautorizou seu assessor especial para assuntos internacionais, Marco Aurélio Garcia, a falar sobre juros. Ela reagiu duro à declaração de Garcia logo depois de a comitiva presidencial desembarcar na Alemanha, de que haverá redução das taxas de juros. No domingo, Garcia, disse os juros vão cair na próxima reunião do Comitê de Política Monetária (Copom), marcada para os dias 6 e 7 de março.

"Quem fala sobre juros no meu governo é o Banco Central, Alexandre Tombini. Nem eu nem ninguém tem autorização para falar sobre juros", afirmou a presidente.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.