i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Curitiba

Metalúrgicos prometem novas ações contra demissões no setor

A categoria já vem se mobilizando desde a semana passada: na tarde de sexta-feira e na manhã desta segunda-feira, os metalúrgicos protestaram em frente às montadoras

  • PorGazeta do Povo
  • 08/12/2008 09:37

O Sindicato dos Metalúrgicos da Grande Curitiba (SMC) informa que anunciará às 15 horas desta segunda-feira (8), em entrevista coletiva, ações contra demissões nas montadoras Volvo, Renault, Nissan e Volkswagen-Audi e nas demais empresas do setor. Participarão do evento o presidente da entidade, Sérgio Butka, o coordenador técnico do Departamento Intersindical de Estatísticas e Estudos Socioeconômicos (Dieese), Cid Cordeiro, além de dirigentes sindicais da categoria. A categoria já vem se mobilizando desde a semana passada: na tarde de sexta-feira e na manhã desta segunda-feira, os metalúrgicos protestaram em frente às montadoras.

O SMC representa aproximadamente 71 mil trabalhadores de Curitiba e região metropolitana, dos quais 11 mil trabalham em montadoras. Na manhã desta segunda-feira (8), o sindicato promoveu uma manifestação contra as demissões no setor em frente à fábrica da Volvo, na Cidade Industrial de Curitiba (CIC). Segundo o SMC, duas mil pessoas participaram do ato. Na tarde de sexta-feira (5), cerca de mil manifestantes já haviam protestado, pelo mesmo motivo, em frente à Bosch.

O SMC reclama que as empresas não têm consultado o sindicato para negociar as demissões. Durante a 5ª Marcha Nacional dos Trabalhadores, que aconteceu na última quarta-feira (3), em Brasília (DF), promovida pelas Centrais Sindicais, os sindicalistas entregaram um documento ao Governo Federal pedindo que as demissões sejam negociadas, diante da crise mundial que está sendo anunciada.

Demissões

No início da semana passada, a Volvo anunciou a dispensa de 430 trabalhadores na fábrica localizada em Curitiba. Desses, 250 seriam funcionários com contrato temporário e os outros 180 do quadro efetivo. Com a demissão, a planta passou a ter 2.410 trabalhadores. A empresa apontou como razões para o corte de empregos o desaquecimento das vendas internas, a redução das exportações e a previsão de que o mercado brasileiro de caminhões terá uma retração de 20% em 2009.

Na Bosch, empresa que produz bombas injetoras e componentes para o sistema a diesel, desde o mês de janeiro cerca de 800 trabalhadores foram demitidos. Na semana passada, foram dispensados 200. A empresa alega que a crise mundial afetou as vendas e principalmente as exportações, que hoje giram entre 60% e 70% da produção. A planta de Curitiba da empresa tem hoje cerca de 4,5 mil trabalhadores. Recentemente, eles fizeram greve de três dias por acordo coletivo na data-base.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.