i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Planejamento

Miriam: não há razão para dúvidas sobre rigor fiscal

Governo perseguirá no próximo ano como meta de superávit primário o equivalente a 3,3% do PIB

  • PorAgência Estado
  • 29/11/2010 13:58

A ministra indicada para o Planejamento, Miriam Belchior, afirmou nesta segunda-feira que não há razão para que o mercado financeiro duvide que o futuro governo da presidente Dilma Rousseff vá adotar uma postura vigorosa na gestão fiscal. "Na quarta-feira, durante entrevista coletiva, o ministro Guido Mantega apresentou com clareza a direção que o governo Dilma pretende dar à política fiscal", comentou ela, na sede da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp).

Na ocasião, o ministro Mantega chegou a afirmar que o governo perseguirá no próximo ano como meta de superávit primário o equivalente a 3,3% do PIB. No dia 19, no entanto, tinha sido publicada no Diário Oficial da União mensagem presidencial encaminhando ao Congresso Nacional projeto de lei que altera a Lei de Diretrizes Orçamentárias de 2010 e de 2011 e que reduz de 3,3% para 3,1% do PIB a meta de superávit primário das contas do setor público de ambos os anos. A mudança na meta, com o aval da presidente eleita, Dilma Rousseff, é consequência da decisão do governo de retirar a Eletrobras do cálculo do superávit.

Segundo Miriam Belchior, o superávit primário para o próximo ano será de 3,1% do PIB, como determina o projeto de lei. Sobre a fala de Mantega na quarta-feira, mencionando 3,3%, ela disse apenas: "Não sei se ele (Mantega) falou isso porque estava com a meta de 3,3% na cabeça. Vou perguntar a ele e depois falo para vocês."

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.