i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
estradas

Motoristas fazem protesto na entrada do Porto de Santos

    • Folhapress
    • 26/02/2015 17:14

    Insatisfeitos com o acordo fechado na quarta (25) com o governo federal, cerca de cem caminhoneiros autônomos fizeram uma passeata no início da tarde desta quinta (26) no cais do Porto de Santos.

    O protesto foi organizado pelo sindicato local da categoria, que afirma não ter sido notificado do acordo com o governo federal. As reivindicações são tabelamento do valor dos fretes e redução do preço do óleo diesel e do pedágio, com a suspensão do pagamento pelos eixos suspensos.

    O protesto causou lentidão na rua Augusto Barata, paralela ao cais, e no viaduto do Alemoa, que liga a rodovia Anchieta ao porto. Alguns caminhões que passavam pelos manifestantes buzinavam em apoio. “Nós nem sabemos quem são essas pessoas que fecharam o acordo”, afirma Leandro de Melo, 30, um dos diretores do sindicato. Para ele, é essencial a redução do preço do óleo diesel.

    Na noite de quarta (25), o governo federal se comprometeu a manter congelado por seis meses o preço do diesel. “Mas quem garante que daqui a seis meses não vão aumentar de novo?”, questiona o caminhoneiro Leonardo do Nascimento, 36. “Nós queremos um congelamento de pelos menos cinco, seis anos”, diz Denison Alves da Silva, 30.

    Para os participantes da passeata, o resultado da negociação de ontem ainda é tímido. “De imediato, a única coisa que vai resolver para nós é a questão do eixo erguido no pedágio. É uma migalha”, diz Sérgio Maia, 53. Maia reclama do preço dos fretes que, segundo ele, não mudam há seis anos, apesar da elevação do preço dos combustíveis e do pedágio.

    Outra reclamação é que muitos pontos do acordo estão em aberto. Os caminhoneiros dizem ainda não saber quando entrarão em vigor as novas regras para o pedágio e tabelamento dos fretes, por exemplo.

    Deixe sua opinião
    Use este espaço apenas para a comunicação de erros
    Máximo de 700 caracteres [0]

    Receba Nossas Notícias

    Receba nossas newsletters

    Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

    Receba nossas notícias no celular

    WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

    Comentários [ 0 ]

    Máximo 700 caracteres [0]

    O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.