i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Preso no Japão

Mulher de brasileiro ex-chefão da Nissan pede ajuda a Bolsonaro

    • Estadão Conteúdo
    • 20/08/2019 08:32
    Carlos Ghosn, ex-presidente da Nissan
    Carlos Ghosn, ex-presidente da Nissan| Foto: Divulgação / Nissan

    Ex-todo-poderoso da indústria automotiva, à frente da aliança de Renault e Nissan, o brasileiro Carlos Ghosn, 65 anos, viu sua história de sucesso ruir ao ser acusado de fraude pela montadora japonesa. Após ser preso em novembro, foi solto sob fiança, mas não pode deixar o Japão. Sua mulher, Carole Ghosn, diz estar impedida de ver o marido desde abril. Sem uma solução para o caso no horizonte, a estratégia de Carole agora é apelar para a ajuda do presidente Jair Bolsonaro.

    Em entrevista ao Estado por telefone, do Líbano, Carole cobrou do governo uma posição mais enérgica em relação a um cidadão brasileiro que, em sua visão, não recebe tratamento justo. “É hora de o presidente brasileiro se envolver e perguntar ao primeiro-ministro japonês, Shinzo Abe, por que esse homem está na prisão”, disse. “Passaram-se nove meses e não há data para um julgamento. Não tivemos sequer acesso às evidências da acusação.”

    A família de Ghosn, que inicialmente optou pelo silêncio, decidiu falar após o executivo passar o Natal e o ano-novo sozinho em uma cela numa prisão de Tóquio. Membros da família se revezam para fazer companhia ao executivo enquanto ele responde ao processo. Carole, porém, foi proibida pelas autoridades do país de ver o marido. “A última vez que vi Carlos foi no dia 4 de abril.”

    Visitas proibidas

    Segundo ela, as autoridades do Japão decidiram impedi-la de ver o marido porque, ao fazer declarações à mídia, ela poderia influenciar potenciais testemunhas do caso. “Eles dizem que eu posso destruir evidências. Mas que evidências tenho para destruir? Eles me deixam entrar no país, mas se eu vir meu marido, ele volta para a cadeia”, disse. A Justiça japonesa já negou cinco pedidos de Carole para visitar o marido - o último deles há duas semanas.

    Como não existe data para o julgamento de Ghosn, a estratégia que resta a Carole é tentar chamar a atenção para o caso. Ela afirmou que já recebeu sinalizações importantes, como da Human Rights Watch, organização que deve divulgar em setembro um estudo sobre o sistema judiciário japonês que citará o caso do ex-executivo da Nissan. Ela disse que recebeu ajuda do Ministério das Relações Exteriores do Líbano, mas acredita que uma posição clara do Brasil faria muito mais diferença.

    A irmã de Ghosn, Claudine, que vive no Rio de Janeiro, enviou, por meio de um interlocutor, uma carta a Bolsonaro em junho, quando ele foi ao Japão para a reunião do G-20. Agora, por meio de outro emissário, voltou a solicitar uma intervenção direta do presidente. Do primeiro contato, recebeu uma ligação do embaixador do Brasil no Japão. Procurado, o Itamaraty afirmou que “o consulado do Brasil em Tóquio acompanha o caso e presta a assistência consular cabível”.

    Apesar de ser uma luta com poucas chances de vitória - no Japão, 99% dos processos terminam em condenação, geralmente porque o acusado costuma confessar o crime -, Carole disse que, para Carlos, assumir alguma culpa está fora de questão. “Ele está triste e deprimido, mas, ao mesmo tempo, ele está pronto para o combate. E quer limpar seu nome.”

    Leia também: Carlos Ghosn diz que foi detido injustamente em primeira declaração após prisão

    1 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
    Use este espaço apenas para a comunicação de erros
    Máximo de 700 caracteres [0]

    Receba Nossas Notícias

    Receba nossas newsletters

    Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

    Receba nossas notícias no celular

    WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

    Comentários [ 1 ]

    Máximo 700 caracteres [0]

    O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.

    • H

      Humberto Bertolini

      ± 0 minutos

      Eu concordo com a mulher de Ghosn. É um cidadão nascido no Brasil, as circunstancias que ele foi preso, são para lá de suspeitas, e podem ser causadas pois ele queria mesclar as empresas definitivamente, o que desagradou o gov. japonês. O Carlos é multimilionário, deve ter as declarações em japonês feitas por escritórios de contabilidade japoneses. Como ele ia sonegar??? Ainda mais no Japão????

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso

      • Máximo 700 caracteres [0]

    Fim dos comentários.