i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Pronunciamento

“Não é uma circunstância normal”, diz Bush

  • PorFelipe Laufer, com agências
  • 24/09/2008 21:26

Em discurso em rede de televisão e rádio, às 22 horas de ontem (horário de Brasília), o presidente dos EUA, George W. Bush, afirmou que o pacote de socorro às instituições financeiras não seria proposto em circunstâncias normais. "Eu teria deixado essas companhias [com problemas financeiros] enfrentarem seus problemas. Em circusntâncias normais eu seguiria esse caminho. Mas essa não é uma circusntância normal", afirmou o presidente. Em pouco mais de quinze minutos, Bush fez um breve histórico da crise. Depois, explicou como será o socorro, dizendo que "o plano é grande o suficiente para resolver o problema". O tom da crise foi dado diversas vezes, em frases como "toda a nossa economia está em perigo" e "milhões de americanos podem perder seus empregos se o Congresso não agir rapidamente".

O discurso de Bush foi o ponto mais agressivo de uma ofensiva que já dura uma semana, na tentativa de aprovar o pacote de socorro proposto pelo Departamento do Tesouro dos EUA, juntamente com o Federal Reserve, o banco central norte-americano. O objetivo do governo é aprovar o quanto antes, e com o menor número de modificações possível, o pacote apresentado no sábado pelo secretário do Tesouro, Henry Paulson. A principal medida é a autorização para um gasto de até US$ 700 bilhões na compra de títulos de empresas prejudicadas pela crise hipotecária. Além disso, a Casa Branca tenta convencer o hesitante baixo-clero de seu partido a fechar com o governo.

Bush afirmou ainda que o preço dos títulos das empresas em dificuldades caiu drasticamente, e que o governo irá segurá-los até que o mercado consiga se reerguer. "Esperamos que parte dos dólares investidos, se não todos, voltem para o governo quando vendermos esses títulos de volta ao mercado", afirmou.

Convite

Horas antes do discurso, Bush convidou o candidato democrata à presidência dos EUA, Barack Obama, o candidato republicano John McCain e os líderes no Congresso a irem à Casa Branca para discutir o projeto de pacote de socorro ao sistema financeiro. A assessoria de Obama respondeu rapidamente e informou que ele participará do encontro, que ocorrerá hoje.

Concessão

Ao longo do dia, Paulson, do Tesouro, e o presidente do Federal Reserve (o banco central dos EUA), Ben Bernanke, continuaram seu périplo de convencimento dos políticos, ao testemunhar na comissão de serviços financeiros da Câmara. No dia anterior, haviam feito o mesmo em comitê no Senado. Como parte da negociação em curso, Paulson cedeu num dos pontos de honra para os democratas: de que sejam limitadas as indenizações dos executivos de empresas em dificuldades que venham a ser auxiliadas pelo governo.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.

    Fim dos comentários.