i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Crise

Não houve erro de cálculo no corte dos EUA, diz agência

S&P afirmou que a volatilidade do mercado não vai impedi-la de fazer outros cortes quando considerar justificado

  • PorAgência Estado
  • 22/08/2011 07:31

A agência de classificação de risco Standard & Poor's (S&P) defendeu sua decisão de rebaixar a nota (rating) de crédito soberana dos Estados Unidos (EUA) e afirmou que a volatilidade do mercado não vai impedi-la de fazer outros cortes quando considerar justificado.

O diretor-gerente e chefe global de ratings soberanos da S&P, David Beers, afirmou que o Departamento do Tesouro dos EUA foi malicioso ao se queixar de que a agência teria cometido um erro de cálculo de US$ 2 trilhões. "Não houve erro matemático" como o Tesouro sugeriu, disse o executivo.

Autoridades norte-americanas têm afirmado que o rebaixamento do rating dos EUA foi injustificado porque teve como base um procedimento falho. A S&P defende que a discrepância é baseada em uma diferença nas hipóteses usadas e não é um erro. Segundo Beers, os US$ 2 trilhões em questão não afetaram a decisão de rebaixamento da nota pois reflete cálculos de prazo mais longo. O Tesouro, ao criticar a S&P, fracassou em reconhecer isso, disse.

Beers reiterou a opinião da S&P com relação à Grécia, afirmando que o país provavelmente estará em default (não pagamento) no fim deste ano, mesmo depois de acordos para alívio da dívida e para extensão dos vencimentos. "Provavelmente haverá mais uma reestruturação", declarou.

O executivo da S&P também alertou para os problemas da China com os empréstimos dos veículos de financiamento dos governos locais e afirmou que parte dessa dívida terá de ser assumida pelo governo central. No entanto, Beers acredita que Pequim pode absorver as perdas em razão de seu baixo nível de dívida geral. As informações são da Dow Jones.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.