i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Entretenimento

Nem o streaming atrapalhou: por que a crise não entrou em cartaz nos cinemas

  • 22/02/2020 15:28
Brie Larson em Capitã Marvel, um dos filmes campeões de bilheteria em 2019.
Brie Larson em Capitã Marvel, um dos filmes campeões de bilheteria em 2019.| Foto: Marvel Studios/Divulgação

Nunca foi tão fácil ver filmes sem sair de casa. Com o crescimento do streaming, cada vez mais plataformas têm disponibilizado uma quantidade imensurável de produções, capazes de satisfazer todos os públicos. Estariam então as salas de cinema fadadas ao esvaziamento? Não, pelo menos por enquanto.

Números divulgados em janeiro pela Agência Nacional do Cinema (Ancine) indicam um movimento contrário em 2019: o público dos cinemas brasileiros aumentou quase 8% em relação a 2018. Uma tendência que parece ser global, já que o ano que passou estabeleceu um novo recorde mundial de bilheteria nos cinemas, somando US$ 41 bilhões.

Em todo o Brasil, mais de 176 milhões de pessoas foram ao cinema, deixando mais de R$ 2,7 bilhões nas bilheterias. Curitiba teve um papel de destaque nesse crescimento nacional. Entre 2018 e 2019, a capital paranaense saltou da sétima para a quinta colocação no ranking das cidades com mais público nos cinemas, ultrapassando Fortaleza (CE) e Salvador (BA). De 3,8 milhões, o público total passou para 4,2 milhões, estimulado por um reforço na rede exibidora. Foram dez novas salas inauguradas no ano passado, oito no Jockey Plaza Shopping e duas no Cine Passeio, que trouxe de volta à cidade o cinema de rua.

Reforço esse que se verifica em âmbito nacional. Os números oficiais da Ancine ainda não foram disponibilizados, mas sabe-se que o país atingiu um total de 3,5 mil salas de cinema, superando a marca de 3.352 atingida em 2018, que, por sua vez, já havia suplantado o recorde de 3.276 que pertencia ao distante ano de 1975.

Paulo Sérgio Almeida, diretor do site Filme B, especializado no mercado cinematográfico, tem uma explicação para o incremento de público nos cinemas brasileiros. “Foi uma safra recorde de filmes, um ano de ouro especialmente para a Disney, que obteve resultados espetaculares”, afirma. Além de Vingadores: Ultimato, que quebrou o recorde de maior bilheteria da história do cinema, a companhia foi responsável por outros seis dos dez campeões de público no Brasil, como O Rei Leão, Capitã Marvel e Toy Story 4.

Para o cinema brasileiro, também foi um ano positivo em termos de audiência. Foram 25,6 milhões de espectadores de filmes nacionais em 2019, 1,4 milhão a mais que em 2018. Além de Nada a Perder 2, produção que teve o sétimo maior público do ano, outros cinco filmes superaram a marca de 1 milhão de espectadores: Minha Vida em Marte (4,3 milhões), De Pernas pro Ar 3 (3,5 milhões), Minha Mãe é uma Peça 3 (2,4 milhões somente em 2019; este ano já ultrapassou os 10 milhões), Turma da Mônica: Laços (2,1 milhões) e Os Parças 2 (1,3 milhão).

Paulo Sérgio acredita que a receita para levar as pessoas ao cinema segue a mesma de muitos anos. “Cinema é conteúdo. A situação econômica e o preço do ingresso têm seu peso, mas o mais importante é o conteúdo. É como no futebol, se o time chega à final os torcedores vão de qualquer jeito”, compara. O valor do ingresso, por sinal, é a única coisa que vem se mantendo na ascendente nos últimos anos. De R$ 12,57 em 2014, o preço médio do ingresso calculado pela Ancine ficou em R$ 15,82 no ano passado.

Experiência insubstituível

Por mais que seja confortável e mais econômico assistir a um filme no conforto do lar, a experiência de ir ao cinema é insubstituível. Essa é a opinião de Marden Machado, um dos curadores do Cine Passeio, inaugurado em Curitiba em março do ano passado resgatando a tradição dos cinemas de rua. “Esses primeiros meses superaram nossas expectativas. Até por resgatar um público que nos relatou que não frequentava salas de cinema há bastante tempo, por estarem todas em shopping centers”, conta.

Com uma programação bastante diversificada, que dá espaço tanto a blockbusters como produções alternativas, além de mostras especiais, o Cine Passeio também atrai um público variado, segundo Marden, “desde adolescentes até pessoas de idade”. O ambiente do local, que conta com um café, também é apontado como um diferencial. “Muita gente se encontra lá antes da sessão ou, depois, aproveita para se reunir e conversar sobre o filme.”

Estrutura e conforto são fatores que fazem a diferença na hora de atrair o espectador, na avaliação da rede Cinemark, que administra a maior quantidade de salas no Brasil. “A Rede investe cada vez mais no conforto das salas e na constante procura por produtos de qualidade para nossos snack bars”, disse a empresa através de sua assessoria de imprensa. Promoções, conteúdos especiais e facilidades como venda de ingressos por aplicativa também são apontados como fatores que ajudam a atrair público.

Streaming é uma ameaça?

Como se percebe, o streaming ainda não interferiu significativamente no hábito de ir ao cinema. Mas ele pode se tornar uma ameaça às salas de exibição? As opiniões divergem. Marden Machado acredita que não, lembrando que nas últimas décadas já houve questionamentos nesse sentido com a televisão, o videocassete, o DVD e a TV por assinatura. “Tem a comodidade de poder acessar o filme no celular ou na Smart TV quando quiser, mas, por melhor que seja o equipamento, jamais será suficiente para reproduzir a experiência coletiva que o cinema proporciona”, diz.

Já para Paulo Sérgio, do Filme B, as redes exibidoras têm motivos para se preocupar. “O streaming é a maior ameaça que o cinema enfrentou em todos os tempos. No caso do VHS, do DVD e da TV por assinatura, também havia a comodidade, mas era oferecido o mesmo produto do cinema e que chegava depois. Agora, muitos produtos são simultâneos ao cinema ou inéditos. Além disso, o plano de negócio é diferenciado, com o modelo de assinatura que torna o player mais acessível”, avalia.

Uma vantagem, na opinião de Paulo Sérgio, é que hoje as redes de cinema estão mais bem preparadas para enfrentar a concorrência, já que têm investido em tecnologia e conforto para os espectadores. “Os exibidores precisam ficar atentos ao preço do ingresso, que já foi melhor”, observa. Nos Estados Unidos, algumas redes de cinema já ofertam assinaturas, que possibilitam ao espectador ver quantos filmes quiser pagando um valor mensal único.

Por fim, existe uma corrente que acredita que os serviços de streaming, na verdade, ajudam a incrementar o movimento nos cinemas. É o caso da Cinemark, que vê as novas tecnologias como aliadas. “Para a Cinemark, o consumo de conteúdo dentro de casa ativa o radar do espectador para o conteúdo exibido no cinema. Muitos dos clientes que estão sempre conosco também consomem filmes nas diversas plataformas de streaming. Podemos fazer um paralelo com gastronomia: os clientes que se interessam e aprendem a cozinhar cada vez melhor são os mesmos que adoram bons restaurantes”, sustenta a empresa.

2 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 2 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.

  • F

    Fabiano G. Souza

    ± 0 minutos

    E Capitã Marvel 2 não terá nem metada de bilheteria do primeiro. Só teve porque venderam como indispensável para ver Vingadores Ultimato. Mas náo era!

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • R

    RENAULT VIEIRA DOS SANTOS

    ± 15 horas

    Esqueceram de falar da tecnologia das TVs...HD , 70 polegadas...em breve,telas gigantes serao acessíveis a todos e se o custo das salas continuar elevados, elas perderão espaço ...

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

Fim dos comentários.