Seu app Gazeta do Povo está desatualizado.

ATUALIZAR

PUBLICIDADE

Privacidade

O Facebook ouve as nossas conversas para mostrar anúncios relacionados?

Um produto ou serviço aparece na forma de anúncio instantes depois de você falar dele com alguém e sem jamais tê-lo pesquisado na Internet

  • Rodrigo Ghedin
Pessoas suspeitam que Facebook ouve conversas |
Pessoas suspeitam que Facebook ouve conversas
 
0 COMENTE! [0]
TOPO

Você já deve ter ouvido essa história. Alguém diz que conversou com outra pessoa sobre um produto “X” e, horas ou mesmo instantes depois, o produto “X” apareceu em um anúncio no Facebook. Alguém jura, de pés juntos, que nunca pesquisou na Internet por produto “X”. O culpado óbvio, no caso, seria o próprio app do Facebook, que estaria escutando toda a conversa através do microfone do celular. Isso é possível?

Siga @gpnovaeco no Twitter

LEIA MAIS notícias de negócios e tecnologia

Tecnicamente, sim. Smartphones e outros dispositivos, como alguns modelos de TV e caixas de som que trazem assistentes embutidos, caso do Amazon Echo e do Google Home (indisponíveis no Brasil), têm microfones que permanecem ativos o tempo todo. É o que permite invocar os assistentes pessoais apenas com a voz – você diz “E aí, Siri” perto do iPhone e, sem apertar qualquer botão ou sequer encostar no aparelho, a assistente é ativada e fica pronta para receber o comando.

Com aplicativos, porém, o acesso ao microfone não é tão simples. Tanto o iOS, que equipa o iPhone, quanto o Android (desde a versão 6.0 “Marshmallow”), têm sistemas de permissões granulares que regulam quais funcionalidades do smartphone os apps podem acessar. Um jogo simples, por exemplo, não tem motivo lógico para ter acesso ao microfone, logo, o sistema não habilita seu acesso a essa função a fim de proteger a privacidade ao usuário e lhe dar mais segurança no uso de aplicativos de terceiros.

No iPhone, é possível ver todas as funções do sistema e o acesso de cada app a elas indo em Ajustes e, depois, Privacidade. Por ali, também, é possível revogar a permissão de um app a determinada função, mesmo que essa seja essencial ao seu funcionamento. O Android possui uma área correspondente nas suas configurações. O WhatsApp, por exemplo, pede acesso ao microfone para possibilitar a gravação e o envio das mensagens de áudio, além das ligações dentro do app. Desativando essa permissão, ele continua funcionando, mas esses recursos, não.

/ra/pequena/Pub/GP/p4/2017/04/27/Economia/Imagens/Cortadas/Privacidade no iOS-kBDD-U201875425983VmC-1024x912@GP-Web.jpg
Privacidade no iOS: o usuário define quais apps podem acessar quais recursos

O WhatsApp é um app do Facebook, mesmo caso do Messenger, do Instagram e do app principal da rede social. Os quatro pedem acesso ao microfone para funções específicas; cabe ao usuário liberá-las ou não. De qualquer forma, em tese esse acesso, quando ocorre, é explícito. Você sabe quando está gravando uma mensagem de voz, fazendo uma live no Facebook ou entra em uma chamada no WhatsApp ou Messenger. Os apps não podem, especialmente no iPhone, que tem um modelo de permissões mais maduro, fazer uso dos recursos do sistema na surdina.

Nos Estados Unidos, desde 2014 o app do Facebook pode ouvir o barulho ambiente a fim de determinar uma música ou programa de TV que o usuário esteja ouvindo ou vendo enquanto escreve uma publicação. A empresa garante que esse material não fica gravado em seus servidores, porém.

Os relatos de usuários preocupados não são exclusivos do Brasil. Lá fora, o Facebook já negou o direcionamento de anúncios com base no que as pessoas conversam. Ao site norte-americano The Outline, a empresa disse que “não usa o áudio do microfone para informar anúncios ou histórias no feed de notícias de maneira alguma. Empresas podem entregar anúncios relevantes com base nos interesses das pessoas e em outras informações demográficas, mas não através da coleta de áudio.”

Precedentes

Casos recentes, porém, justificam a paranoia dos usuários. Em 2014, a fabricante de TVs Vizio foi flagrada coletando e vendendo dados dos consumidores sem o consentimento ou mesmo conhecimento deles. Graças a um software pré-instalado, a Vizio obtia relatórios detalhados dos hábitos dos consumidores, segundo a segundo. Estima-se que 11 milhões de TVs eram monitoradas. A empresa foi processada pela FCC e pelo estado de Nova Jersey, e concordou em pagar US$ 2,2 milhões.

O último vazamento do Wikileaks mostrou que a CIA consegue, tendo acesso físico a televisores da Samsung, instalar um software que mantém o microfone deles sempre ativo e sem indicadores desse estado, mesmo quando o aparelho está em stand by, e redirecionar o conteúdo das gravações, dos servidores da Samsung para um terceiro. Embora bastante específico e dependente de algumas variáveis complexas, é possível.

Saiba como proteger seus equipamentos eletrônicos de ataques e invasões

Mesmo o Facebook já foi pego por práticas pouco ortodoxas. A empresa foi acusada de monitorar os hábitos de navegação na web de usuários deslogados, inclusive das que optaram por não compartilharam seus dados com ela, e até de pessoas que não usam o Facebook. Isso é possível, em grande parte, graças aos “plugins sociais”, pequenos códigos e elementos como o botão “Curtir” usados por sites de terceiros.

E, vale sempre lembrar, Mark Zuckerberg, o CEO do Facebook que já declarou que a privacidade “não era mais uma norma social”, usa notebooks com um adesivo tapando a webcam.

Disso a acreditar que o Facebook ouve tudo o que é falado, seria uma extrapolação feita sem bases sólidas. Não sendo o caso, portanto (mas não descartemos a possibilidade), como o Facebook exibe anúncios tão segmentados a respeito de produtos e serviços dos quais acabamos de falar e nunca pesquisamos online?

Devorador de dados

/ra/pequena/Pub/GP/p4/2017/04/27/Economia/Imagens/Cortadas/regina dugan-kBDD-ID000002-1024x683@GP-Web.jpg
Regina Dugan em apresentação na F8Divulgação/Facebook

O grande trunfo do Facebook, o que o torna tão atraente para anunciantes e uma máquina de fazer dinheiro, é uma palavrinha chamada “segmentação”. Graças à torrente de dados que o Facebook recebe de cada usuário, os anunciantes podem segmentar, ou seja, direcionar suas peças e campanhas para perfis bem específicos, aumentando a eficiência desses e reduzindo o custo da publicidade.

O grau de sofisticação desse sistema é enorme. Além dos dados gerados pelos usuários dentro dos domínios do Facebook (incluindo Instagram e WhatsApp) e enquanto navegam pela web e usam apps em smartphones, a empresa ainda compra, de terceiros, dossiês detalhados de hábitos comportamentais, feitos a partir de informações offline.

Em dezembro de 2016, a ProPublica divulgou o resultado de um experimento em que pediu aos seus leitores que compartilhassem com a publicação as categorias de interesses que o Facebook atribuía a elas, usando uma extensão para navegadores criada especificamente para isso.

Foram coletados 52 mil atributos únicos que o Facebook usa para classificar usuários. Alguns, bizarros, como “Finge digitar no celular em situações desconfortáveis” e “Amamenta em público.”

Com um aparato de vigilância tão grande para monitorar o que cada pessoa faz, pensa e prefere, não é surpresa que os anúncios exibidos no Facebook sejam tão certeiros. Talvez o Facebook chegue aos assuntos das conversas por outros caminhos que dispensem ouvir o que as pessoas conversam.

A ironia é que do receio de estarem sendo ouvidas pelo Facebook sem serem avisadas, muitas pessoas podem acabar descobrindo que a rede social sabe de coisas muito mais profundas. E o intuito é ir ainda mais longe – é penetrar na cabeça do usuário.

Durante a F8, conferência anual para desenvolvedores do Facebook ocorrida no início de abril, Regina Dugan, ex-DARPA e atual head da Building 8, uma divisão pouco comentada da empresa dedicada ao desenvolvimento de hardware, revelou que a empresa trabalha na criação de uma interface que permita compartilhar frases apenas com o pensamento, uma interface cérebro-máquina. Se tudo correr bem, em alguns anos o Facebook não estará ouvindo conversas, mas sim os nossos pensamentos.

8 recomendações para você

deixe sua opinião

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE