i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
energia

O que está em jogo no leilão de uma das maiores distribuidoras de energia do país

Quem comprar o controle da Eletropaulo vai se consolidar como líder do setor e fornecer energia a, pelo menos, 17 milhões de unidades consumidoras

  • PorJéssica Sant’Ana
  • 23/05/2018 19:23
 | Pixabay
| Foto: Pixabay

Uma das maiores distribuidoras de energia elétrica do país, a Eletropaulo é alvo de um leilão que vai definir quem será o seu novo dono a partir de junho. A italiana Enel e a brasileira Neoenergia estão na disputa para comprar o controle acionário da distribuidora e devem apresentar suas propostas finais nesta quinta-feira (24). Quem vencer a disputa comandará uma das áreas de concessão mais atraentes do país – a Eletropaulo presta serviço a 24 cidades da Grande São Paulo, incluindo a capital – e se consolidará como a maior distribuidora do Brasil, fornecendo energia a, pelo menos, 17 milhões de unidades consumidoras.

A Eletropaulo é uma empresa privada de capital aberto considerada uma das maiores distribuidoras de energia elétrica do país. Ela é líder em volume de energia vendida e fica atrás somente quando o critério é número de unidades consumidoras, perdendo para Neoenergia, Enel e CPFL. Sua área de concessão (região da Grande São Paulo) é considerada uma das mais atraentes, pois concentra o maior PIB nacional e tem a mais alta densidade demográfica, com 1.593 unidades consumidoras por quilômetro quadrado, o que corresponde a 33,1% do total de energia elétrica consumida em todo o estado de São Paulo e 9,3% do total do Brasil. A concessão da companhia vai até 15 de junho de 2028.

Em abril, a Eletropaulo, que tem suas ações negociadas na Bolsa e capital pulverizado (sem controlador), recebeu três ofertas públicas de aquisição (OPA). A brasileira Energisa, o quinto maior grupo de distribuição de energia do país, acabou desistindo da proposta. Com isso, permaneceram na disputa a italiana Enel e a brasileira Neoenergia, que é controlada pelo grupo espanhol Iberdrola. A Enel e a Iberdrola são duas das maiores distribuidoras do mundo e buscam consolidar suas posições no Brasil. No país, a Enel é dona de três distribuidoras de mesmo nome nos estados do Rio de Janeiro, Ceará e Goiás e tem 9,8 milhões de unidades consumidoras. Já a Neoenergia tem 13,4 milhões de clientes atendidos a partir de quatro distribuidoras: Elektro (interior de SP e MS), Celpe (PE), Cosern (RN) e Coelba (BA). A Eletropaulo tem 7,1 milhões de unidades consumidoras.

Desafios do novo dono da Eletropaulo

Quem vencer o leilão comprando o controle da Eletropaulo se consolidará como líder do setor de distribuição de energia no Brasil, tanto no critério de volume de energia vendida quanto de unidades consumidoras. Mas, ao mesmo tempo, terá o desafio de dar continuidade à gestão de uma empresa que ficou anos investindo menos do que deveria, fez dívidas bilionárias e somente no último ano conseguiu deixar as últimas posições do ranking que mede a qualidade das distribuidoras de energia, saindo da 30ª colocação para a 28ª entre 33 empresas analisadas. O ranking é elaborado pela Aneel, a agência reguladora do setor no país. Além disso, vai precisar recuperar o investimento feito para comprar a empresa, que hoje está avaliada em R$ 5,7 bilhões.

“Ambas as empresas [que apresentaram ofertas para comprar o controle da Eletropaulo] têm experiência em gestão de distribuidoras e conhecem mercado brasileiro. É questão de elas saberem valorizar o ativo que estão comprando”, afirma Cristopher Vlavianos, presidente da Comerc Energia. E essa valorização, segundo os especialistas consultados pela Gazeta do Povo, passa por investimentos para manutenção, renovação e modernização da rede da empresa, visando melhora na eficiência. “É notório que a Eletropaulo se recente da falta de investimento. Ela tem uma rede bastante antiga, que deve ser renovada com novas instalações e, até mesmo, aterramento de rede para ampliar sua eficiência”, diz Claudio Sales, presidente do Instituto Acende Brasil.

Para o período de 2018 a 2022, a Eletropaulo planeja investir R$ 4,9 bilhões, principalmente na expansão da rede de atendimento e novos clientes e na preservação dos ativos para garantir a distribuição de energia e melhorar os indicadores de qualidade. Os dois grupos que estão disputando a Eletropaulo se comprometeram a fazer um aumento de capital de R$ 1,5 bilhão. O valor, porém, é o mesmo do acordo da companhia fechado com a Eletobras para encerrar uma disputa judicial que durava mais de 30 anos sobre encargos financeiros referentes ao empréstimo concedido em 1986 pela Eletrobras.

Preocupações

O diretor do Ilumina (Instituto de Desenvolvimento Estratégico do Setor Energético), Roberto Pereira D’Araujo, porém, manifesta preocupação sobre as possibilidades de novos investimentos na Eletropaulo. “Eu não vi até agora um plano consistente de investimento por parte delas (Enel e Neoenergia). Só se fala em valor da ação. Você não tem nenhuma referência de que uma vai fazer alguma coisa diferente da outra.”

Ele também fala que esse leilão deveria ser uma oportunidade para o regulador, no caso a Aneel, atuar para garantir uma melhoria do serviço. “Não conheço nenhuma outra atividade econômica que tem receita garantida tão fácil. Energia elétrica é um grande negócio. Nessa briga dos dois (Enel e Neoenergia), eu não vejo nenhum plano por parte do regulador para garantir a melhoria do serviço da Eletropaulo”, afirma D’Araujo.

Reajuste na tarifa

Com relação à tarifa da Eletropaulo, uma das mais baixas do país, Vlavianos e Sales acreditam que o fato de a companhia ter um novo dono não deve interferir no preço da tarifa repassada ao consumidor, já que o valor é regulado pela Aneel. D’Araujo, porém, acredita que ambas as interessadas devem brigar por um reajuste de preço, já que, além do investimento para a aquisição da companhia, há vários “esqueletos” do setor elétrico cujos custos devem ser repassados ao consumidor. A data de aniversário dos reajustes anuais e revisões tarifárias da Eletropaulo é 4 de julho.

Entenda o leilão

O leilão da Eletropaulo pode ter a sua definição nesta quinta-feira (24). A Enel e a Neoenergia vão apresentar suas novas propostas nesta na B3, a bolsa de valores brasileira. Se ninguém mais manifestar interesse em participar do leilão até as 15 horas, a proposta maior será considerada a vencedora. Os envelopes serão abertos às 19h05. Se houver empate, novos lances poderão ser dados depois de 30 minutos. Agora, se uma nova empresa manifestar interesse em participar do leilão e se essa empresa apresentar uma proposta no mínimo 5% superior à registrada anteriormente pelas interessadas, a definição da vencedora ficará para 4 de junho.

Disputa Enel e Neoenergia

A disputa da Enel e da Neoenergia pelo controle da Eletropaulo não tem sido nada amistosa. O conflito começou em abril quando a Eletropaulo aprovou uma oferta primária de ações para captar R$ 1,5 bilhão. Essa oferta seria ancorada pela Neoenergia, com o compromisso que a companhia faria depois uma oferta pública de aquisição de ações (OPAs) para comprar o controle da Eletropaulo. Depois que o acordo foi divulgado, a Enel e a Energisa acabaram apresentando OPAs para adquirir a Eletropaulo por valores acima do acordado pela Eletropaulo com a Neoenergia. Assim, a Eletropaulo decidiu cancelou a oferta primária de ações e optar por uma disputa em leilão. Desde então, Energisa saiu da disputa e Enel e Neoenergia começaram a fazer um rali de ofertas para ver quem paga mais pela Eletropaulo. A última oferta apresentada pela Enel foi de R$ 32,20 por ação, enquanto a Neoernergia ofereceu R$ 32,10. As duas companhias têm a chance de elevar ainda mais o lance nesta quinta-feira (24). A disputa ferrenha gerou críticas à Enel e à Eletropaulo por parte da Neoenergia, que chegou reclamar do processo à Câmara de Arbitragem do Mercado (CAM).

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.