i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
telecomunicações

Operadoras impõem condições para investir mais em banda larga

Empresas querem redução das obrigações regulatórias, transformação de multas em investimentos e carga tributária mais compatível

    • Estadão Conteúdo
    • 05/10/2017 14:17
    Operadoras querem acabar com a obrigação de fazer a manutenção dos orelhões. Essa é uma das condições para investir mais em banda larga.  | Marcelo AndradeGazeta do Povo
    Operadoras querem acabar com a obrigação de fazer a manutenção dos orelhões. Essa é uma das condições para investir mais em banda larga. | Foto: Marcelo AndradeGazeta do Povo

    Redução das obrigações regulatórias, transformação de multas em investimentos para banda larga e uma carga tributária mais compatível com a realidade do setor e os desafios da revolução digital. Essas foram as principais demandas dos executivos das operadoras que atuam no Brasil durante debate realizadona na quarta-feira (4) na Futurecom, maior feira de telecomunicações da América Latina, que acontece nesta semana em São Paulo. 

    “Estamos com o usuário pulando de uma empresa para a outra. A vida segue e nós choramos”, disse José Felix, presidente da Claro Brasil, durante o painel. Ele também ironizou o setor, cujas receitas “estão estagnadas há anos”. “O momento é tão ruim que as operadoras estão todas dividindo um estande na Futurecom.”

    Durante o evento, as teles pressionam pela redução das obrigações regulatórias - algo que pode acontecer com a aprovação do projeto de lei complementar 79/2016, que revisa a Lei Geral de Telecomunicações, de 1997. O novo marco permite que as empresas de telefonia fixa migrem do regime de concessões para o de autorizações, sem a obrigação de universalização dos serviços.

    LEIA MAIS: “Presente” do governo às teles não é de R$ 100 bilhões, nem virá de graça

    Atualmente, o texto está parado no Supremo Tribunal Federal por causa de uma liminar, mas a expectativa das empresas é de que o projeto seja aprovado até o fim do ano. “A telefonia fixa não é mais um problema no Brasil”, disse Marco Schroeder, presidente da Oi. “Precisamos mostrar para a sociedade que o mundo mudou. O pessoal ainda acha normal que eu seja multado por causa de orelhão.”

    Hoje em recuperação judicial, a Oi é considerada pelo mercado como a principal interessada na revisão da lei - a mudança nas obrigações pode ajudar a empresa a conseguir um novo investidor. Para outras operadoras, a revisão é considerada fundamental para que as elas possam competir com serviços de internet, como WhatsApp e Netflix. 

    Investimentos em banda larga

    Em um momento em que as empresas têm queda nas receitas com voz e SMS, a saída para seguir em frente é investir em banda larga. O problema, dizem as empresas, é de onde tirar os recursos.

    Na Futurecom, uma das saídas sugeridas é a da aprovação de Termos de Ajustamento de Conduta (TAC), que trocam multas impostas pela Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) por investimentos. Na semana passada, o TCU deu parecer favorável a um TAC entre a Vivo e a Anatel, trocando multas de R$ 2,2 bilhões por aportes que de até R$ 4,8 bilhões. “A resolução do TCU é um divisor de águas”, disse Eduardo Navarro, presidente da Vivo.

    Outra questão que apareceu com peso na Futurecom foi a carga tributária. Em vez de pedir a redução, alguns executivos só pediram para ficar como está. “Se não aumentar, eu já fico satisfeito”, disse Navarro. 

    Para analistas, porém, as operadoras devem agir. “Nos EUA, se discute como as autoridades podem ser facilitadoras do ecossistema, e não um entrave. Lá, as operadoras são protagonistas da revolução digital", diz Ricardo Distler, diretor executivo da consultoria Accenture. "Aqui, o mercado precisa se libertar das amarras do passado."

    *Atualização: matéria foi atualizada no dia 6 de outubro às 15h para retirar o seguinte trecho da fala do especialista da Accenture “[...] mas na Europa e na América Latina, elas [as operadoras] se colocam como vítimas”. Segundo a Accenture, essa frase não foi dita pelo seu diretor executivo. 

    Deixe sua opinião
    Use este espaço apenas para a comunicação de erros
    Máximo de 700 caracteres [0]

    Receba Nossas Notícias

    Receba nossas newsletters

    Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

    Receba nossas notícias no celular

    WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

    Comentários [ 0 ]

    Máximo 700 caracteres [0]

    O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.