Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
O novo prédio do Espaço Cubo Itaú,que inaugura 15 de agosto, fica 550 metros do atual, hoje na Rua Casa do Ator. | Divulgaçao/
O novo prédio do Espaço Cubo Itaú,que inaugura 15 de agosto, fica 550 metros do atual, hoje na Rua Casa do Ator.| Foto: Divulgaçao/

O Espaço Cubo Itaú cresceu. O centro de empreendedorismo tecnológico criado em 2015 muda de endereço no próximo dia 15 de agosto. O novo prédio de 12 andares, na Alameda Vicente Pinzon, nº 54, na Vila Olímpia, em São Paulo, a pouco mais de 500 metros do endereço atual, vai quadruplicar a capacidade atual e abrigará 210 startups e 40 parceiros. Será, então, o maior centro de empreendedorismo da América Latina.

A ideia, segundo os responsáveis pela iniciativa, era “trazer o ecossistema do Vale do Silício para o Brasil”. Na avaliação do diretor de tecnologia do Itaú Unibanco, Lineu Andrade, a proposta deu certo. “De 250 residentes [de 52 startups], passaremos a contar com 1.250 pessoas trabalhando no Cubo todos os dias”, diz ele. O salto no fluxo diário de pessoas, entre residentes e visitantes, também será grande, de cerca de 600 para mais de 2 mil.

As startups já residentes do Cubo veem a mudança com entusiasmo. Esse é o caso da curitibana Beenoculus, que faz parte da iniciativa desde sua inauguração — quando foi selecionada entre 400 empresas — e deve continuar com o Cubo no novo prédio.

LEIA TAMBÉM: BNDES terá “pacotaço” milionário para startups

De acordo com um dos sócios-fundadores da Beenoculus, Rawlinson Peter Terrabuio, permanecer no Cubo é estratégico para a startup, ainda mais com uma maior quantidade de empresas e parceiros. “O Cubo facilita a gente a ter acesso a CEOs, tomadores de decisões e executivos que podem investir no nossos projetos”, diz.

Ele destaca a possibilidade de ter discussões mais abrangentes, sobre temas como investimento e mentoria, de uma forma não restrita ao mercado da realidade aumentada em que a Beenoculus trabalha.

Ao lado de startups que estão lá desde o início, novos parceiros de peso também devem contribuir para o clima de inovação e novos negócios. O Kroton, maior grupo educacional do país, administrará um andar inteiro no novo prédio do Cubo.

“Queremos acelerar a cultura digital na Kroton e oferecer aos nossos alunos a oportunidade de ter contato com o ambiente de inovação e empreendedorismo existente nas startups”, disse o vice-presidente de Tecnologia e Transformação Digital da grupo, Carlos Safini, em material distribuído à imprensa.

Esse andar terá espaços de aprendizagem, estúdios para gravação de vídeos e salas de aulas preparadas para teste de formatos, metodologias e tecnologias. Além disso, uma parte da equipe de inovação da Kroton deve permanecer no local para gerir o relacionamento com as startups e acompanhar de perto potenciais projetos.

A instalação do Kroton no novo endereço foi anunciada em junho. Poucos meses antes, a Coca-Cola e a Business Lab, do Groupe PSA, um dos maiores players de experiência automotiva do mundo, também passaram a integrar o projeto. O Grupo Dasa, que reúne uma série de empresas do setor de medicina diagnóstica, como o o Frishmann Aisengart, também está confirmado. Entre as empresas que já eram parceiras e continuarão com o Cubo no novo prédio estão Accenture, Saint-Gobain, Cisco, Rede e TIM.

LEIA TAMBÉM: Ranking revela as 100 startups mais atraentes em 2018; 12 são do Paraná

As grandes empresas têm interesse em estar próximas das startups porque, entre outras coisas, elas podem investir em projetos que, se fossem desenvolvidos dentro da empresa, demandariam custo e risco maiores. O sócio-fundador da Beenoculus sabe disso. A startup paranaense oferece uma plataforma em nuvem para a distribuição de vídeo e games a empresas.

Credenciam-se para a residência no Cubo as startups com potencial de escala e que já tenham seu negócio testado e “provado” pelo mercado. “Ou seja, precisa ter clientes”, afirma Andrade. A banca de seleção é formada por Cubo Itaú, Itaú Unibanco e Redpoint eventures.

Entre as novas startups está a Mediação Online, que ocupará o andar destinado às fintechs. Uma das sócios-fundadoras da empresa, Camila Feliciano Lopes, comenta que também há uma expectativa de contato maior com o andar da área de saúde. A Mediação é uma plataforma online para resolução de conflitos jurídicos. Entre seus primeiros grandes clientes estão bancos — entre os maiores litigantes do país.

A startup recebeu investimento e participou de dois importantes programas de aceleração: Wayra Brasil, programa de inovação aberta Telefónica Open Future, e 500 Startups, um dos principais fundos e aceleradoras do mundo, em São Francisco, Califórnia.

Em 2018, a Mediação foi selecionada como startup residente no Google Campus. A partir do próximo mês, parte da equipe ficará neste espaço e outra parte no Cubo. “O Cubo é um espaço de conexão. Lá é onde tudo acontece”, diz Lopes.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]