i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
R$ 190 milhões

Com aporte do SoftBank, marketplace Olist quer 15 vezes mais clientes até 2020

  • PorCristina Seciuk
  • 23/10/2019 15:45
Tiago Dalvi, fundador e CEO do Olist
Tiago Dalvi, fundador e CEO do Olist| Foto: Julia Yazbek/Endeavor Brazil

O grupo japonês SoftBank, destacado pelos numerosos investimentos em startups brasileiras, lidera um novo aporte em uma companhia do país. O investido da vez é o serviço de soluções em e-commerce Olist, uma espécie de "marketplace dos marketplaces", criado em 2015 com a proposta de colocar pequenos vendedores em grandes vitrines.

O integrador funciona como balcão único para os varejistas, que podem gerenciar catálogos, preços, reposição de estoque, serviço ao consumidor e pagamentos, tudo em uma só plataforma. De acordo com o fundador e CEO Tiago Dalvi, o aporte de R$ 190 milhões será utilizado para fortalecer a relação da empresa com os marketplaces, ampliar a base de clientes e evoluir o produto.

"Eu diria que temos duas grandes frentes. A primeira delas é ampliar a nossa base de lojistas", revela o CEO. A meta da startup é sair dos atuais 7 mil clientes (varejistas, importadores, distribuidores, marcas, fabricantes) e crescer para 100 mil nos próximos dois anos.

A segunda frente é prover uma plataforma cada vez mais completa, que vá além de gerar venda. "O que queremos fazer a partir dessa espinha dorsal é agregar serviços correlatos, serviços financeiros, integrações com plataformas de e-commerce, integrações com ERP; construir esse ecossistema em volta do nosso produto para complementar a proposta de valor", afirma Dalvi.

Para realizar o plano de crescimento, a startup vai apostar na expansão de equipes tanto na sede, em Curitiba, quanto no escritório de São Paulo e em outras localidades, inclusive fora do país. A perspectiva da empresa é de aumentar seus quadros dos cerca de 300 colaboradores de hoje para 800 até dezembro de 2020.

O investidor

Recentemente, o SoftBank antecipou que anunciaria novos investimentos em companhias brasileiras. Entre as empresas que receberam aportes do grupo anteriormente estão gigantes como a plataforma de logística Loggi e a startup de aluguel de imóveis residenciais QuintoAndar, todas unicórnios (startups com vaor de mercado igual ou superior a US$ 1 bilhão).

O aporte feito pelo SoftBank é o terceiro e o mais alto já recebido pela Olist - os dois anteriores somaram R$ 24 milhões. Considerado maior fundo de venture capital do mundo, o grupo japonês se junta a Redpoint eventures e Valor Capital Group, ambas brasileiras, na lista de investidores da startup.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.