i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Petróleo

Opep: produção na Líbia deve se recuperar gradualmente

A BP declarou que está comprometida a voltar para a Líbia e continuar seu programa de exploração de petróleo e gás "assim que as condições permitirem"

  • PorAgência Estado
  • 22/08/2011 07:49

A recuperação na produção de petróleo da Líbia depois que Muamar Kadafi deixar o poder provavelmente será lenta e gradual e terá efeitos sobre os preços do petróleo apenas no curto prazo, afirmou uma fonte da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep).

"É uma grande notícia que o regime de Kadafi esteja chegando ao fim, mas a produção da Líbia vai demorar para se recuperar e a recuperação será gradual", disse a fonte. "O mercado vai absorver o petróleo líbio assim como fez antes com o Iraque e a Rússia e qualquer pressão sobre os preços terá vida curta", acrescentou.

Segundo a fonte, a Opep é flexível e vai se ajustar às mudanças na Líbia. No entanto, no momento ainda não há necessidade de uma reunião de emergência para discutir a situação. Enquanto isso, companhias de petróleo com investimentos na Líbia se preparam para uma possível volta ao país.

A BP declarou que está comprometida a voltar para a Líbia e continuar seu programa de exploração de petróleo e gás "assim que as condições permitirem". A companhia havia iniciado um programa de exploração de US$ 900 milhões no país quando interrompeu as operações, em fevereiro, depois da revolta contra o regime de Kadafi e a guerra civil subsequente.

A Royal Dutch Shell, por sua vez, afirmou que ainda é muito cedo para prever quando voltará para a Líbia, mas disse que está observando os eventos no país de perto. "Nós estamos observando a situação cuidadosamente e a monitorando para ver quando poderemos fazer contato (com os rebeldes) e quando poderemos voltar a operar", disse a Shell. A companhia tem um programa de exploração no país, mas não produz.

A maior companhia de eletricidade da Itália, a Enel, vai procurar oportunidades de investimento na Líbia em seguida ao colapso do regime de Kadafi, afirmou o executivo-chefe da empresa, Fúlvio Conti. "Nós decidimos não ter qualquer relação com o regime de Kadafi. Mas agora o país pode mudar", disse.

Tropas rebeldes entraram em Trípoli no fim de semana e fortaleceram sua posição na capital líbia, alimentando as expectativas de que Kadafi será forçado a deixar o poder em breve. As informações são da Dow Jones.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.