Em 2010, empresas do setor assinaram um termo se comprometendo a cumprir direitos trabalhistas | Divulgação/MSC
Em 2010, empresas do setor assinaram um termo se comprometendo a cumprir direitos trabalhistas| Foto: Divulgação/MSC

Uma força-tarefa formada por fiscais procuradores, policiais federais e representantes de oito órgãos retirou de um cruzeiro de luxo 11 brasileiros sob suspeita de estarem em condições consideradas análogas à de escravidão. Outros dois tripulantes identificados como sujeitos a maus tratos optaram por continuar a bordo do navio, o Magnífica, da empresa MSC.

A MSC informou que está "em total conformidade" com as normas de trabalho nacionais e internacionais e "pronta para colaborar com as autoridades competentes".

O resgate foi feito na última terça-feira, quando o Magnífica parou em Salvador, antes de partir para a Europa. O navio era monitorado desde janeiro, quando auditores receberam queixas de maus tratos.

Segundo a fiscalização, comprovaram-se jornada de trabalho exaustiva de 14 a 16 horas e contratação irregular. De acordo com os fiscais, a empresa pagou os dias trabalhados e não reconheceu a situação de resgate nem pagou as verbas rescisórias, que, somadas, chegam a R$ 400 mil. A MSC informou não ter recebido "nenhuma prova" ou "qualquer auto de infração". Segundo o Ministério do Trabalho, os autos estão sendo finalizados.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]