i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Usina

Operários voltam a paralisar obras em Belo Monte

6 mil trabalhadores voltaram a cruzar os braços neste sábado. Eles reclamam da falta de pagamento de adicional por insalubridade e periculosidade

  • PorAgência O Globo
  • 06/04/2013 18:46

Cerca de 6 mil trabalhadores voltaram a cruzar os braços neste sábado (6) em dois canteiros de obras da Usina de Belo Monte, em Altamira, no Pará, de acordo com o Consórcio Construtor Belo Monte (CCBM). Mas o Sindicato dos Trabalhadores da Construção Civil de Altamira (Sinticma) e a Central Sindical e Popular (Conlutas), que organizaram a paralisação neste sábado e na sexta-feira, estimam a adesão de cerca de 10 mil trabalhadores.

Os sindicalistas fizeram a manifestação para reclamar da falta de pagamento de adicional por insalubridade e periculosidade, da qualidade da alimentação e da presença de policiais e homens da Força Nacional nos canteiros. O pagamento de adicional de 40% para operários alojados no canteiro também está na pauta de reivindicação apresentada pelo Sinticma e pelo Conlutas.

Só que o CCBM não aceita negociar reivindicações com Sinticma e Conlutas, porque não reconhece legitimidade dessas organizações perante o Ministério do Trabalho para representar os funcionários de Belo Monte. O CCBM diz só reconhecer amparo legal do Sindicato dos Trabalhadores da Construção Pesada do Pará (Sintrapav) como representante dos trabalhadores da usina.

A paralisação terminou à tarde depois que o CCBM obteve uma ordem judicial da 1ª Vara Cível de Altamira para proibir a entrada nos canteiros de obras de pessoas ligadas ao Sinticma, à Conlutas e ao movimento Xingu Vivo.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.