i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Comércio exterior

Pandemia reduz movimento de importações e quase dá “nó logístico” no Brasil

  • Vandré KramerPor Vandré Kramer
  • 21/06/2020 14:57
Movimento no porto de Paranaguá.
Movimento no porto de Paranaguá.| Foto: Portos do Paraná

Os portos estão sentindo os efeitos da crise causada pelo Covid-19, que já matou mais de 45 mil pessoas no Brasil. Impulsionado pelo desaquecimento da economia, a movimentação de cargas de importação caiu 12,6% em valores entre abril e maio em comparação aos mesmos meses de 2019, segundo o Ministério da Economia. No acumulado dos cinco primeiros meses do ano, a queda é menor: 5,3%.

“A situação só vai se reverter quando o consumidor voltar às compras”, diz Gustavo Paschoa, diretor comercial para a Costa Leste da América do Sul da operadora logística Maersk, que tem uma participação de cerca de 20% no transporte internacional de cargas.

A expectativa é de que uma recuperação aos níveis pré-crise só ocorra em 2023. Dados do último relatório Focus do Banco Central, um levantamento semanal sobre as projeções da economia feito junto a instituições financeiras e corretoras, sinaliza para uma retração de 6,25% no PIB para este ano. Em 2021, as projeções sinalizam para uma expansão de 3,5% e de 2,5%, em 2022.

O cenário de queda nas importações ameaçou o país com um “nó logístico”, com a possibilidade de faltarem contêineres, já que uma grande quantidade ficou retida em países atingidos pela pandemia.

A Maersk usou duas alternativas para contornar esse risco. De um lado acelerou os processos de manutenção e reparação das unidades. Por outro, chegou a trazer contêineres vazios de locais onde havia disponibilidade. “O desbalanceamento de exportações e importações obrigou a um reposicionamento de contêineres no início da pandemia”, diz o executivo.

Alternativa encontrada foi a de reforçar parcerias estratégicas, principalmente com operadores ferroviários, para facilitar o escoamento da produção do agronegócio. A previsão da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) é que esta safra de grãos seja 3,6% maior do que a anterior.

Segmentos afetados

Um dos segmentos que mais sentiu os efeitos da retração causada pela Covid-19 foi o automobilístico. Montadoras chegaram a suspender as atividades por causa da demanda fraquíssima. “Elas foram fortemente impactadas pela quarentena”, diz Paschoa, da Maersk.

A fabricação de veículos comerciais e de passeio caiu 74,7% em maio, comparativamente ao mesmo período do ano passado, segundo a Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea).  Foi o pior maio desde 1992. Nos cinco primeiros meses do ano, a produção acumula uma queda de 37,7% em relação a 2019.

Em abril, os pátios das montadoras e das concessionárias chegaram a ter um estoque correspondente a quase quatro meses de vendas. O licenciamento de carros, em maio, caiu 74,7% em comparação ao mesmo mês do ano passado, de acordo com a Federação Nacional dos Distribuidores de Veículos Automotores (Fenabrave). Os piores casos foram no Piauí (-99,9%) e em São Paulo (-98,4%).

Como reflexo desse cenário, as importações de autopeças caíram fortemente. Nos quatro primeiros meses do ano, elas caíram 20,2%, atingindo US$ 3,03 bilhões, segundo o Sindicato Nacional da Indústria de Autopeças (Sindipeças).

As perspectivas não são muito favoráveis. A Anfavea projeta que o ano terminará com uma produção de 1,68 milhão de unidades, 40% a menos do que no ano passado. “Ainda não é possível projetar com maior precisão a queda na produção, pois ela também depende do cenário das exportações, que continua nebuloso”, afirmou o presidente da entidade, Luiz Carlos Moraes, em coletiva na sexta.

Outro setor que vem sofrendo com a retração da atividade econômica é o de bens de capital. A atividade sofre com a falta de confiança dos empresários. Segundo a Confederação Nacional da Indústria (CNI), os níveis são os mais baixos desde o início da série histórica, em 2010. Numa escala de 0 a 100, onde índices a partir de 50 representam confiança em relação ao futuro, o índice, em maio, estava em 34,7 pontos.

Mesmo a indústria nacional de máquinas e equipamentos está pessimista. Para o segmento de máquinas e aparelhos elétricos, a confiança está nos piores níveis históricos.

O problema foi acentuado pela pandemia. O nível de confiança na economia vinha caindo gradualmente. Tanto é que o anúncio de novos investimentos na economia brasileira no primeiro trimestre foi o mais baixo desde 2004, segundo a Rede Nacional de Informações sobre o Investimento (Renai). Os anúncios somaram US$ 37,8 bilhões, 71,3% a menos do que nos mesmos meses de 2019.

3 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 3 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.

  • J

    Josmar José dos Santos Júnior

    ± 14 dias

    Bom, veja por um lado positivo, pelo menos a nossa balança comercial e consequentemente a balança de pagamentos se encaminha para um superávit histórico...

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • S

    salcutrim

    ± 14 dias

    Também acho que de repente esse é nosso momento de mudarmos. Nossos carros são ruins e caros. Em geral custa o dobro dos EUA onde os carros são muito melhores. Se o Brasileiro não aceitar pagar mais por carroças, como já dizia o Collor, de repente as coisas mudam e o governo ajudaria se baixasse os impostos, e quando falo de governo, estou me referindo aos estaduais, que cobram ICMS de cerca de 30% e colocam a culpa no governo federal. Nos EUA, muitos estados nem ICMS tem e os que tem é em torno de 5%. Uma diferença gigantesca.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • P

    Polaco

    ± 14 dias

    Espero que esse governo não corra socorrer a Anfavea, entidade que adora uma teta farta em leite. Se quiserem vender carros baixem os preços, o cartel das montadores é tão forte que nunca tivemos reduções significativas de preços, mas enfim, essa situação pode se inverter agora, basta o brasileiro saber comprar. Para as montadoras é muito fácil, muda uma lanterna e um parachoque e aumenta o preço que o brasileiro o t á r i o corre comprar.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

Fim dos comentários.