i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Combustíveis

Petrobras mira no longo prazo

  • Por
  • 22/11/2008 21:01

Gasolina ficará mais barata no ano que vem, dizem analistas

Analistas do mercado financeiro começam a trabalhar com a possibilidade de os preços da gasolina e do óleo diesel serem reduzidos pela Petrobras no primeiro semestre de 2009.

Leia matéria completa

A Petrobras vem adotando a política de manter os preços da gasolina e do óleo diesel estáveis. Reajustes só saem quando fica claro que há um novo patamar de custos para a companhia. "A empresa segurou a pressão quando o petróleo disparou neste ano porque foi um movimento de curto prazo", lembra Edmar de Almeida, professor do Grupo de Economia da Energia da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). "Mas as médias de preços da Petrobras em prazos longos acabam se alinhando com o mercado internacional. A gasolina sobe menos quando o petróleo dispara e cai menos quando o sinal inverte."

Nos últimos meses, a Petrobras subsidiou a gasolina e o óleo diesel vendidos no país. O resultado do segmento de refino, negativo nos três primeiros trimestres, foi compensado pela área de extração. Agora, a tendência é oposta e deve haver uma recuperação das margens no refino. Após recompor a rentabilidade, a companhia avaliará se há espaço para uma redução nos preços controlados. Em outros segmentos, o comportamento é diferente. O querosene de aviação, por exemplo, tem alterações mensais nos preços e acompanha as cotações internacionais.

"Espero ver uma pequena queda nos custos da Petrobras nos próximos meses, porque a demanda por materiais e equipamentos vai cair. Isso se somará a um ganho com a gasolina e o diesel", afirma Marco Saravalle, analista da Coinvalores. Assim, a empresa deve manter uma margem de lucro suficiente para bancar seu plano de investimentos. O consumidor ganhará se o resultado dessa conta acabar no azul. (GO)

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.