Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
Agronegócio foi o setor com maior queda: -2,8%
Agronegócio foi o setor com maior queda: -2,8%| Foto: Michel Willian/Gazeta do Povo/Arquivo

O Produto Interno Bruto (PIB) do Brasil teve uma retração de 0,1% no segundo trimestre de 2021, na comparação com o período imediatamente anterior. O resultado vem abaixo do esperado por economistas, que projetavam ligeira alta, após o significativo resultado do primeiro trimestre, quando houve crescimento de 1,2%. Os números foram divulgados nesta quarta-feira (1°) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), que classifica o resultado como "estabilidade".

Medianas de projeções para o PIB do segundo trimestre apontavam aumento da atividade econômica em torno de 0,2%. A XP Investimentos, por exemplo, esperava "modesto crescimento" de 0,3% no indicador.

A maior queda foi do setor agropecuário (-2,8%), seguida pela indústria (-0,2%). Já serviços, beneficiados pelo afrouxamento das medidas restritivas com o avanço da vacinação contra a Covid-19 e pela nova rodada do auxílio emergencial, cresceram 0,7%.

"O PIB ficou estável no segundo trimestre em relação ao primeiro, praticamente no mesmo nível pré-pandemia, mas 3,2% abaixo do pico da série, que ocorreu no quatro trimestre de 2014", diz Rebeca Palis, coordenadora de contas nacionais do IBGE.

"A agropecuária é prejudicada pela entrada da safra de café, com perspectivas de queda de produção por causa da bianualidade negativa. E a indústria, com a queda na indústria de transformação, por conta do encarecimento dos insumos e da falta deles, e a energia elétrica, água, luz e esgoto prejudicados por causa da crise hídrica", explica.

As indústrias de transformação tiveram queda de -2,2%, enquanto a atividade de eletricidade e gás, água, esgoto e atividades de gestão de resíduos, de -0,9%. Esses desempenhos compensaram a alta de 5,3% nas indústrias extrativas e de 2,7% na construção.

Frente ao segundo trimestre de 2020, auge dos efeitos econômicos provocados pela pandemia do coronavírus, o PIB apresentou crescimento de 12,4%.

No consolidado do primeiro semestre, o indicador acumula alta de 6,4%. Já no acumulado dos últimos quatro trimestres, terminados em junho de 2021, o PIB cresceu 1,8%.

De acordo com o Boletim Focus, divulgado pelo Banco Central (BC) na segunda-feira (30), a expectativa de economistas é que em 2021 o crescimento do PIB seja de 5,22%. A previsão é menor do que a da semana anterior, quando índice projetado era de 5,27%, e representa a terceira revisão consecutiva para baixo nas projeções.

"Com esse resultado do segundo trimestre, pode ser novamente revista para baixo", avalia Ana Sofia Monteiro, da Phi Investimentos. "Para 2022, a projeção atual de crescimento do PIB é de 2%, mas também tem sido revista para baixo. Isso em virtude da crise hídrica, gerando um possível racionamento e consequentemente um gargalo de crescimento."

Consumo das famílias fica estável; investimento produtivo cai -3,6%

Pela chamada ótica da demanda, o consumo das famílias ficou estável (0%), enquanto a despesa de consumo do governo cresceu 0,7% em relação ao trimestre anterior. Já a formação bruta de capital fixo, que representa o investimento produtivo, teve queda de -3,6%.

"O consumo das família ficou estável beneficiado pelos programas de apoio do governo, pela melhora no emprego e também pelo aumento do crédito a pessoas físicas. Mas, por outro lado, houve aumento na inflação, o que prejudicou a massa salarial real disponível na mão das famílias para o gasto, e a taxa de juros aumentou também nesse período", analisa a coordenadora do IBGE.

"Os investimentos caíram muito por causa do menor influxo de bens de capital no país devido ao programa do Repetro e também pela menor produção na indústria automotiva, especialmente pela falta de componentes eletrônicos."

Para Ministério da Economia, resultado mostra recuperação

Apesar do indicador negativo, a Secretaria de Política Econômica (SPE) do Ministério da Economia divulgou uma nota técnica em tom otimista. "Mais relevante do que observar o número do crescimento, é analisar a sua qualidade. Importantes reformas pró-mercado e medidas de consolidação fiscal estão sendo aprovadas, lançando as bases para o crescimento sustentável do país no longo prazo", afirma trecho do comunicado.

Para a pasta, o leve recuo da economia no segundo trimestre está ligado à quebra da safra de café e à falta de insumos na indústria de transformação, em especial no setor automobilístico.

Segundo a nota, o resultado mostra que o Brasil tem recuperado a atividade econômica de forma mais rápida do que outros países. "Na amostra de mais de 30 países e grupos da OCDE [Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico] que já divulgaram seus resultados trimestrais, o Brasil apresentou desempenho do PIB acima da média no resultado interanual e no acumulado em 4 trimestres. No acumulado em 4 trimestres, o Brasil supera países desenvolvidos como o Reino Unido e Alemanha e em relação aos Emergentes, fica atrás apenas da China e do Chile", diz o texto.

Na comparação do resultado do segundo trimestre com o anterior, no entanto, o Brasil apresentou desempenho inferior a todos os países que já divulgaram seus números, segundo a OCDE.

Variação do PIB no trimestre em relação ao anterior

PaísVariação
Portugal4,90%
Reino Unido4,82%
Áustria4,25%
Letônia3,69%
Israel3,65%
Holanda3,12%
Espanha2,77%
Hungria2,70%
Itália2,66%
Dinamarca2,20%
Eslováquia2,02%
Polônia1,90%
Finlândia1,81%
Romênia1,75%
Alemanha1,63%
Estados Unidos1,60%
México1,47%
Bélgica1,38%
Indonésia1,30%
China1,30%
Noruega1,09%
Chile1,03%
França0,94%
Suécia0,90%
Coreia0,67%
Canadá0,60%
República Tcheca0,60%
Lituânia0,40%
Japão0,32%
Brasil-0,10%

Fonte: OCDE

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]