i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Veículos

“Bolsa montadora” continua? Como anda a política do governo para o setor automotivo

  • Brasília
  • 25/10/2020 12:39
“Bolsa montadora” continua? Como anda a política do governo para o setor automotivo
| Foto: Divulgação/Chery do Brasil

Ao contrário dos antecessores recentes, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) começou o mandato com um novo regime para o setor automotivo já em vigor: o Rota 2030, que substituiu o Inovar-Auto. Com isso, não precisou se desgastar para desenhar e aprovar uma nova política industrial para a área. Mas isso não quer dizer que novas ações não estão sendo implementadas pelo Executivo.

Está na mesa do presidente, para sanção, texto derivado da medida provisória (MP) que prorroga incentivos tributários para montadoras e fabricantes de autopeças instaladas no Norte, Nordeste e Centro-Oeste. Bolsonaro tem até o fim do mês para sancionar, e a tendência é de que isso aconteça, já que a MP foi proposta pelo próprio Executivo. O Congresso fez apenas algumas modificações, negociadas.

A MP foi editada pelo governo em julho para prorrogar a vigência do Regime Automotivo para o Desenvolvimento, criado em 1997 para descentralizar a instalação de montadoras no país – até então concentradas no Sul e Sudeste – e gerar empregos nas regiões Norte, Nordeste e Centro-Oeste. O programa deveria durar dez anos, mas já foi prorrogado duas vezes. Agora, será estendido novamente, até 2025.

Pelo programa, as empresas precisam apresentar projetos de novos produtos para suas fábricas instaladas nas regiões Norte, Nordeste e Centro-Oeste para terem direito a crédito presumido do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI). O crédito poderá ser usado para abater os impostos PIS e Cofins de vendas realizadas entre 1º de janeiro de 2021 e 31 de dezembro de 2025.

Esses projetos precisam contemplar investimentos produtivos e em pesquisa e desenvolvimento (P&D) em montante superior a R$ 2,5 bilhões para o caso das montadoras e de R$ 500 milhões para fabricantes de autopeças. Há, ainda, a obrigatoriedade complementar de realização de investimentos em P&D na região em valor correspondente a, no mínimo, 10% do valor do benefício auferido.

Esses projetos deveriam ter sido apresentados até 30 de junho, pela lei que estava em vigor, mas o prazo não foi cumprido por causa de um atraso do próprio governo, que não publicou um decreto regulamentando as condições para apresentação dos textos.

Então, o governo editou em julho a MP estendendo o prazo de apresentação dos projetos até 31 de agosto e o do incentivo, até 2025. O Congresso, por sua vez, estendeu o prazo dos projetos até 31 de outubro. O objetivo é que todas as montadoras instaladas na região tenham tempo de participar.

A renúncia fiscal estimada pelo governo é de R$ 19,6 bilhões até 2025, dos quais R$ 4,15 bilhões já em 2021.

Acordos automotivos

Além da renovação de incentivos tributários para montadoras e fabricantes de autopeças instaladas no Norte, Nordeste e Centro-Oeste, o governo vem assinado acordos de livre comércio automotivo. O primeiro foi fechado no ano passado, entre Brasil e Argentina, e começará a valer em 2029.

O tratado prevê o livre comércio de bens automotivos entre os dois países a partir de 1º de julho de 2029, sem quaisquer condicionalidades. Até lá, haverá um período de transição. Brasil e Argentina podem ir elevando gradualmente seus volumes de importação e exportação sem a cobrança de tarifas. A Argentina é o maior destino das exportações brasileiras de produtos automotivos.

“A ideia é que, gradualmente, nos próximos dez anos, haja uma flexibilização do regime flex. Atualmente, temos um flex de 1,5. Ou seja, para cada 1,5 dólar exportado pelo Brasil, nós devemos importar 1 dólar. Em 2020, esse flex já sobe imediatamente para 1,7. De forma gradual, ao longo dos dez anos seguintes, contados a partir de julho de 2019, vamos evoluindo de 1,7 para 1,8, até 2023, 1,9 em 2025, 2,0 em 2027, 2,5 em 2028. Em 2029, passa a ser 3,0. A partir de 1º de julho de 2029, Brasil e Argentina entram em um livre comércio automotivo, sem quaisquer condicionalidades”, explicou o secretário de Comércio Exterior do Ministério da Economia do Brasil, Lucas Ferraz, em coletiva de imprensa na época.

Neste ano, foram fechados acordos com México e Paraguai. No caso do México, o tratado foi para livre comércio de caminhões e ônibus e suas autopeças até 2023. O período de transição começou em 1º de julho de 2020, com redução tarifária de 20%. Em 1º de julho de 2021, a margem sobe para 40%; na mesma data, no ano seguinte, para 70%; em 1º de julho de 2023, Brasil e México estabelecem a liberalização total.

Brasil e México já têm acordo de livre comércio para automóveis, veículos comerciais leves e suas autopeças desde 2002. O México é o terceiro parceiro do Brasil no comércio automotivo, abaixo apenas da Argentina e dos Estados Unidos.

O mais recente acordo foi entre Brasil e Paraguai. O tratado, assinado em agosto, previu livre comércio imediato no Brasil de produtos automotivos paraguaios. Enquanto isso, os itens brasileiros serão taxados em até 2% no Paraguai. Essa tarifa cairá gradualmente até a liberação total do comércio em 2022.

Na pandemia, montadoras queriam incentivos, o que não veio

Durante o auge da pandemia de Covid-19, as empresas do setor automotivo esperavam por uma espécie de socorro do governo, o que não aconteceu, conforme mostrou a Gazeta do Povo. O BNDES não desenhou uma linha de crédito específica para o setor, prática que era comum em governos passados, mesmo sem crise.

Com isso, as empresas tiveram que buscar outras fontes de financiamento ou redução de custos, já que as vendas despencaram. Mais de 4 mil vagas já foram fechadas no setor automotivo desde o início da pandemia, em março. O número pode crescer até o fim do ano.

A Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea) estima que a produção de veículos cairá 35% neste ano, ficando em 1,915 milhão de unidades fabricadas, o pior desempenho desde 2003. Nas exportações, estima-se o envio de 284 mil unidades, 34% a menos que no ano anterior, pior volume desde 1999.

Em julho, o presidente da Anfavea, Luiz Carlos Moraes, chegou a falar em uma crise maior que as enfrentadas nos anos 1980, 1990 e em 2015/16. Ele projetou que o setor só retornaria em 2025 aos níveis pré-crise (2019), ou seja, depois de seis anos.

Agora, com os resultados melhores para o setor no terceiro trimestre deste ano, a Anfavea diz que o prazo para retomar aos níveis pré-crise vai depender de como o mercado se reerguerá em 2021, já que 2020 vem sendo um ano totalmente atípico.

“Questões econômicas, sociais, políticas, e até de saúde (não temos ainda uma vacina, e Europa já enfrenta uma segunda onda de Covid) vão ditar se nossa recuperação será em três, quatro ou cinco anos”, diz a associação em nota enviada à Gazeta do Povo.

Impasse milionário do Inovar-Auto

As montadoras ainda esperam do governo a resolução do impasse milionário deixado pelo programa Inovar-Auto, que vigorou de 2012 a 2017. O programa previa que as fabricantes que se instalassem no país ou expandissem suas plantas ganhariam crédito presumido de IPI para abater assim que começassem a produzir veículos por aqui.

Só que a recessão econômica atingiu em cheio o Brasil, a venda de veículos despencou e as montadoras não conseguiram usar todo o crédito acumulado durante a vigência do programa. O programa acabou e as montadoras ficaram cheias de créditos, que não podem ser abatidos.

Elas, então, cobram desde 2017 uma nova lei prevendo o uso desses créditos, que estão na casa das centenas de milhões de reais. Até o momento, o governo não apresentou uma proposta para solucionar o impasse. A Audi já avisou que depende dessa lei para não pausar a produção local a partir de dezembro.

11 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 11 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.

  • Z

    Zyss

    ± 11 horas

    Tem que acabar com isso e deixar o setor se virar com as próprias pernas. Ou deminui pra todo mundo ou quebra todos.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • E

    EDNEI MAINARDES

    ± 12 horas

    Assinou contrato tem que cumprir.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • N

    NH4NO3

    ± 1 dias

    Lembro que na época dos "comunistas e socialistas", o tal mercado adorou a bolsa montadora. O tal mercado, a quem muitos prestam culto. Um "deus" sem cara, sem nome certo, sem identidade certa.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    1 Respostas
    • L

      LSB

      ± 7 minutos

      Mais uma vez demonstrando a ignorância acerca do que é mercado, capitalismo, etc. Fruto da educação socialista de nossas madrassas.

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • P

    Pzig

    ± 1 dias

    O setor automotivo teve e continua tendo injustamente preferencia e beneficios irreais para um pais pobre como o nosso. A justificativa de empregos é balela, o que há é um grande lobi por parte desse setor.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    1 Respostas
    • P

      Pedro Silva

      ± 1 dias

      Responsável por 22% do PIB do país. Somente o setor de auto preças gera mais de 120 mil empregos. Gera muito mais empregos do que loja de chocolate financiada com verba de gabinete. https://novovarejo.com.br/a-configuracao-do-setor-automotivo-no-brasil// O que falta para os bolsominions é matémática básica.

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • P

    Pedro Silva

    ± 1 dias

    Segundo o direcionamento de notícias da gazeta, somente os bancos podem ter bolsa do governo. O setor automotivo que gera milhares de empregos não pode.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    4 Respostas
    • L

      LSB

      ± 0 minutos

      A propósito: o analfabetismo financeiro do brasileiro só não precisa ser estudado porque já sabemos a causa: educação marxista! (Esse é o único autor “crítico” q entra nas salas de aula de nossas madrassas).

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso

    • L

      LSB

      ± 3 minutos

      Acorda Pedro. Vai entender como funciona o mercado financeiro. Esse dinheiro não é dado, não. Insano! São recursos de compulsórios (dinheiro dos bancos), são recompras de títulos públicos, são alterações em regulamentações prudenciais, etc. Nossa educação socialista deixa sequelas: completos analfabetos financeiros!!

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso

    • P

      Pedro Silva

      ± 24 horas

      Amnésia do brasileiro é pra ser estudada. https://www.infomoney.com.br/economia/com-crise-banco-central-ja-anunciou-r-12-trilhao-em-recursos-para-bancos/

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso

    • O

      orazio martini

      ± 1 dias

      Qual é a Bolsa dos Bancos?! Viciados em Bolsas enxergam bolsas pra tudo quanto é lado. Até na Lojinha de Chocolate! Benefício fiscal que caducou - caduca aqui e em qualquer país do mundo! Isso de rever data de beneficio que caducou é ideia de algum advogado que vende de tudo - até direito que não se sustenta...

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]