220904

Seu app Gazeta do Povo está desatualizado.

ATUALIZAR

PUBLICIDADE
  1. Home
  2. Economia
  3. Pós e Carreira
  4. Cidades do interior lideram criação de emprego com carteira assinada

Mercado de trabalho

Cidades do interior lideram criação de emprego com carteira assinada

Indústria responde por quase 60% das vagas com carteira assinada abertas nas 20 cidades que mais contrataram até maio deste ano

  • Cíntia Junges
 | Giuliano Gomes    /    Gazeta do Povo
Giuliano Gomes / Gazeta do Povo
 
0 COMENTE! [0]
TOPO

Quem está em busca de um emprego precisa olhar com atenção para as cidades do interior do país. São esses municípios que, mesmo em meio à crise econômica, estão conseguindo gerar novas oportunidades de trabalho.

As cidades do interior demoraram mais para sentir os efeitos da crise e começar a demitir. Agora, mostram uma recuperação mais rápida do emprego formal. Enquanto a maioria das capitais ainda está demitindo – apenas três contrataram mais do que demitiram em 2017: Goiânia, Boa Vista e Cuiabá – os municípios do interior lideram a criação de vagas no acumulado do ano no país. 

Leia mais sobre Carreira e Emprego

Das 20 cidades que mais geraram empregos no acumulado de janeiro a maio deste ano, 19 estão no interior, especialmente da região Centro-Sul. Com 2.413 vagas criadas, Goiânia é a única capital nesse grupo, segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), do Ministério do Trabalho e Emprego. 

O estado de São Paulo tem seis cidades na lista das 20 maiores geradoras de emprego, incluindo Franca, a campeã nacional até maio. Com cerca de 345 mil habitantes, o município gerou 6.203 novas vagas, 83% delas criadas pela indústria da transformação, especialmente pelo setor calçadista, responsável por 4.710 novos postos de trabalho com carteira assinada. 

LEIA TAMBÉM:  Profissão mais próspera dos EUA decola no Brasil

Assim como Franca, outros dez municípios dos 20 que mais contrataram tiveram o saldo positivo puxado pela indústria da transformação. É o caso Santa Cruz do Sul (RS), Venâncio Aires (RS), Nova Serrana (MG), Joinville (SC), Blumenau (SC), Juazeiro (BA), Goianésia (GO), Pontal (SP), Vista Alegre do Alto (SP) e Birigui (SP). 

Já o bom desempenho de outras cinco cidades da lista das Top 20 do emprego – Vacaria (RS), Cristalina (GO), Mogi Guaçu (SP) Bebedouro (SP) e Patrocínio (MG) – está diretamente ligado ao resultados vindos do campo, com destaque para a agroindústria. 

Goiânia e Rio Verde, em Goiás, e as cidades de Cascavel e Maringá, no Paraná, aparecem na lista das grandes geradoras de emprego graças a criação de vagas mais equilibrada em diferentes setores como indústria, construção civil, comércio e serviços. 

Ilhas de emprego no interior 

No mapa interiorano do emprego, esses 20 municípios abriram, juntos, 54,6 mil novos postos de trabalho. Quase 60% das vagas foram criadas pela indústria da transformação, seguida pelas oportunidades geradas pela agricultura (21%) e pelo setor de serviços (16%). 

No geral, contudo, o cenário do mercado de trabalho está longe de ser positivo. Apesar de um leve recuo no trimestre encerrado em abril, 13,7 milhões de brasileiros ainda engrossavam a fila do desemprego no resultado de maio da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) Contínua, do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. 

“Seria desejável que o setor terciário começasse a reagir porque a recuperação do emprego depende desse segmento, que ainda está reticente em investir em função do consumo interno baixo”, afirma Julio Suzuki Júnior, diretor-presidente do Instituto Paranaense de Desenvolvimento Econômico e Social (Ipardes). 

No Paraná, emprego está longe da capital 

Dois municípios paranaenses - Cascavel e Maringá - ficaram entre as 20 cidades do país que mais abriram vagas no acumulado de 2017 no país, segundo o Caged. Nos dois casos, o bom desempenho na criação de vagas esteve mais diluído entre pelo menos quatro setores. Enquanto Cascavel criou empregos na indústria, construção civil, serviços e administração pública, Maringá abriu vagas na indústria, construção civil, comércio e serviços. 

Olhando apenas os números do Paraná, nove dos dez municípios que mais contrataram estão no interior do estado – e apenas três deles têm mais de 100 mil habitantes. Na maioria deles, o agronegócio monopolizou a criação de empregos. É o caso de Palotina, no Oeste do estado. Em março deste ano, reportagem da Gazeta citou o exemplo de uma cooperativa do município que estava selecionando mais de mil trabalhadores para atuar na agroindústria. 

Isso comprova a boa condição do mercado de trabalho em locais em que o agronegócio vai muito bem, sobretudo, a agroindústria paranaense, avalia Suzuki, do Ipardes. Ele lembra, contudo, que o efeito positivo desse setor no mercado de trabalho tende a diminui nos próximos trimestres. 

LEIA MAIS:  Projeto de lei prevê demissão de concursados por mau desempenho

“A agropecuária e a agroindústria não dependem exclusivamente da demanda interna, ao contrário dos grandes centros urbanos onde há uma predominância de comércio e serviços que dependem basicamente consumo interno, ainda em baixa. Esse também é o caso da indústria mais vinculada ao consumo doméstico, que segue em dificuldades”, afirma Suzuki. 

A capital Curitiba, por sua vez, fechou 626 postos de trabalho no acumulado do ano, o segundo pior desempenho do estado, atrás apenas de Guaratuba, no Litoral, que registrou 666 demissões. Em maio, Curitiba liderou as demissões no Paraná.

“Na economia de Curitiba, predomina o comércio e os serviços que dependem do consumo local. Londrina é outro exemplo de município com essa característica que ainda está demitido”, diz Suzuki. 

No acumulado do ano, o Paraná tem saldo positivo de 25.182 mil vagas, o quarto melhor desempenho, atrás apenas de São Paulo (58.762), Minas Gerais (46.583) e Goiás (30.534). Depois, aparecem Santa Catarina (22.729), Mato Grosso (10.644), Rio Grande do Sul (8.568) e Espírito Santo (5.520).

8 recomendações para você

deixe sua opinião

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

O jornalismo da Gazeta depende do seu apoio.    

Por apenas R$ 0,99 no 1º mês você tem
  • Acesso ilimitado
  • Notificações das principais notícias
  • Newsletter com os fatos e análises
  • O melhor time de colunistas do Brasil
  • Vídeos, infográficos e podcasts.
Já é assinante? Clique aqui.
>