i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Tem ou não tem?

Reunião em Curitiba tenta sair do impasse sobre a aftosa

  • PorGazeta do Povo Online
  • 26/12/2005 16:33

Técnicos do Ministério da Agricultura e da Secretaria da Agricultura do Paraná vão se reunir nesta terça-feira, em Curitiba, para discutir o que deve ser feito com o gado que estaria com febre aftosa no Paraná. O Ministério declarou o estado como área com febre aftosa, mas até agora não há nenhuma prova que exista gado doente no Paraná.

A polêmica já se arrasta há mais de dois meses e não se chegou a uma conclusão de consenso. A Fazenda Cachoeira, em São Sebastião da Amoreira, no Norte do estado, onde há gado vindo da região de foco da doença, em Mato Grosso do Sul, foi a causa mais recente da polêmica. Todos os exames deram negativo, mesmo assim o ministério mantêm o local como sendo área de aftosa.

Por enquanto, nenhum animal foi retirado da Fazenda. As 209 cabeças de gado adquiridas em Mato Grosso do Sul continuam isoladas. O mesmo acontece com os outros 1,5 mil animais confinados e que não podem ser abatidos.

Segundo reportagem do ParanáTV, no dia 15 de dezembro os animais da Fazenda Cachoeira atingiram o peso ideal para abate, mas continuam sendo alimentados até que se resolva o impasse sobre a febre aftosa. O problema é que a ração prevista para 2005 está acabando.

Se uma definição não vier nos próximos dias, a solução será utilizar o milho que foi plantado em setembro, e que serviria para alimentar os animais do próximo confinamento.

O dono da fazenda, André Carioba Filho, disse que vai entrar na Justiça e processar o Ministério da Agricultura por perdas e danos.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.

    Fim dos comentários.