i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
mercado de trabalho

Procura-se mão de obra especializada e paga-se bem: o boom da área de TI

Automação de processos, transformação digital e expansão do mercado de aplicativos fazem com que profissionais de tecnologia da informação sejam altamente requisitados

  • PorVandré Kramer
  • 15/01/2019 17:49
Softplan, com escritórios em Florianópolis e São Paulo, está com 130 vagas abertas | Fernando Willadino/
Softplan
Softplan, com escritórios em Florianópolis e São Paulo, está com 130 vagas abertas| Foto: Fernando Willadino/ Softplan

Procura-se mão de obra especializada! Este é um dos principais desafios das empresas brasileiras de tecnologia da informação. Somente entre janeiro e novembro do ano passado foram preenchidas 23,8 mil oportunidades com carteira assinada em todo o país, segundo dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged). 

 E tem muita vaga em aberto. “O segmento de TI não enfrentou a crise que outros enfrentaram”, ressalta Thiago Gaudêncio, da empresa de recrutamento e seleção Michael Page 

Somente na Softplan, que tem escritórios em Florianópolis e São Paulo e que desenvolve aplicações especializadas para a transformação digital na Justiça, na área governamental, na indústria da construção civil e para a gestão na área da saúde, são 130 vagas em aberto. A empresa tem 1,7 mil funcionários. 

 “Todo mundo está migrando para o digital. Essa abordagem não é só mais uma característica das empresas de tecnologia, mas sim de todos”, diz Édson Honma, diretor de desenvolvimento humano e organizacional da Softplan.  

“Estamos em uma era de grande inovação, marcada pela digitalização, o que exige muito pessoal”, complementa Eduardo Varela, da startup Code.Nation, especializada em ajudar desenvolvedores de software a se aprimorarem na carreira. 

 Mas outros fatores também pesam: as empresas aproveitaram o momento de crise para automatizar processos internos, o mercado de aplicativos está se expandindo fortemente e, constantemente, o governo exige novas demandas das empresas, como, por exemplo, o eSocial e a nota fiscal eletrônica. 

 “Durante a crise, para manter a lucratividade diante das vendas em baixa, as empresas passaram a automatizar processos e essa tendência continua”, diz Caio Arnaes, gerente sênior da empresa de recrutamento Robert Half. 

 Um segmento que está em alta é o mercado de aplicativos. “Hoje se faz de tudo pelo telefone”, diz ele. Somente no ano passado, o número de downloads cresceu 10% e a receita com aplicativos aumentou 12% em todo o mundo, de acordo com a App Annie, uma consultoria que monitora o mercado de aplicativos. 

Espaço para profissionais altamente qualificados 

 Essas novas tendências estão favorecendo a oferta de vagas para profissionais altamente qualificados e a oferta não consegue dar conta da demanda das empresas. “Sobram vagas e faltam candidatos”, resume Honma. 

 Entre os profissionais mais requisitados estão aqueles que trabalham com inteligência artificial, análise e interpretação de dados, cientistas e engenheiros de dados, engenheiros de performance e de segurança, desenvolvedores, pessoal dedicado a trabalhar com a experiência do usuário e analistas de sistemas. 

Os maiores contratantes são as startups, que usam intensivamente a tecnologia. Mas, segundo Gaudêncio, da Michael Page, há boas oportunidades em empresas de telecomunicações, mídias sociais, softwares e, inclusive, nas indústrias e nas prestadoras de serviços.  

É gente que está investindo em tornar mais automatizados e mais confiáveis os seus processos, em inteligência artificial e nas tecnologias da indústria 4.0.

 Os salários dos profissionais estão em alta, aponta a Robert Half. Um gerente de TI generalista pode ganhar R$ 25 mil. O salário está, em média, 8,3% maior do que no ano passado. E o do desenvolvedor mobile, que pode receber até R$ 13 mil, teve uma valorização média de 11,8%, segundo a empresa. 

No caso dos desenvolvedores, a remuneração está atrelada a uma série de requisitos. De acordo com o especialista da Michael Page pesa muito o tempo de experiência, as linguagens que o profissional domina e o portfólio de projetos desenvolvidos com sucesso. 

 Requisitos para o trabalho 

 Diante da dificuldade em encontrar profissionais preparados, as empresas não estão procurando profissionais prontos.“O fundamental é ter um pensamento digital”, diz Honma. 

 Entre os requisitos para trabalhar no segmento, diz ele, está o de ter uma boa base técnica. Mas, segundo ele, o que faz a diferença é a questão comportamental: boa comunicação, capacidade de solucionar problemas, adaptabilidade, trabalho em equipe e autogerenciamento. 

 “É preciso traduzir a demanda tecnológica do cliente e fazê-la se tornar um bom produto/serviço para o cliente.” E, ao contrário do senso comum, idade não é um fator impeditivo. Honma diz que o mais relevante é saber transformar as demandas em soluções. 

 Varela, da Code.Nation, diz que uma capacidade que é muito valorizada é ter trabalhado em projetos open source, ou seja, abertos. “Isto indica a disposição de a pessoa em ajudar.” 

 Para posições gerenciais, as empresas buscam profissionais com perfil de liderança, mas que apresentem conhecimento necessário para atuar mais próximo da operação, aponta a Robert Hay. Segundo a empresa:

Os times têm se tornado muito ágeis, o que exige um líder que trabalhe junto de sua equipe para direcioná-la. Nesse cenário, os gestores que apenas delegam perdem a vez para aqueles com um perfil mão na massa. 

Diante desse cenário extremamente concorrido, um dos desafios das empresas é a retenção de talentos. E o caminho, segundo Honma, da Softplan, passa por alinhar os propósitos individuais com os da empresa. “A geração dos millenials busca trabalhar em empresas cujo produto/serviço impactem positivamente na sociedade e que sejam socialmente responsáveis.” 

 Outras armas, aponta Varela são oferecer constantemente desafios e capacitação aos profissionais e evitar cair na mesmice. 

 As empresas também estão oferecendo oportunidades diferentes de fazer carreira, como manter-se como um especialista e não atuando como gestor, aponta Gaudêncio. “Há também aquelas que colocam os profissionais para trabalhar por projeto ou para atender as necessidades de determinado cliente.”

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.