i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Habitação

Programa acerta o alvo, mas precisa mostrar como será na prática

  • PorGuido Orgis
  • 25/03/2009 21:10

O mérito incontestável do pacote da habitação lançado ontem é a mobilização de recursos para o alvo certo. O déficit habitacional de mais de 7 milhões de residências no país há muito não entrava de forma tão central na pauta do governo federal. "A meta apresentada ontem causará um impacto muito grande. Responde a 12% dessa demanda reprimida e é muito bem-vinda", diz o arquiteto Clóvis Ultramari, professor do doutorado em gestão urbana da PUC-PR.

Apesar do tamanho, o programa federal ainda tem características de plano de emergência. Mais do que linhas gerais para solucionar o déficit habitacional no longo prazo, ele dá combustível para que o país passe por um ciclo de investimento. "É para estancar um problema imediato, de curto prazo", diz Gustavo Selig, presidente da Associação dos Dirigentes de Empresas do Mercado Imobiliário (Ademi-PR). "Mas ele traz avanços claros, como a redução de impostos e de burocracia, e mais recursos para a infraestrutura."

O principal problema no plano federal é que o projeto não traz detalhes sobre como ou onde as casas serão construídas. Erros do passado, como a construção de imensos conjuntos isolados em periferias e sem a estrutura ideal podem se repetir. "É preciso misturar no ambiente urbano as diferentes classes e os conjuntos precisam de uma estrutura de serviços sociais", comenta Ultramari. "Temos agora a oportunidade de repensar as cidades e os modelos de construção popular."

Kazuo Nakano, arquiteto do Instituto Pólis, também faz uma ressalva sobre o risco de se empurrarem populações de baixa renda para áreas ainda mais periféricas. "O plano ignorou instrumentos que existem para o uso de áreas já urbanizadas. Os terrenos urbanos são muito disputados e o acesso a eles é bastante desigual", afirma.

Para Hamilton Franck, presidente do Sinduscon-PR, sindicato que representa o setor da construção, aprova as linhas gerais do plano, mas diz que o governo também terá de explicar melhor como fará para controlar o uso dos subsídios. "Seria bom um mecanismo para evitar que o sistema se transforme em um comércio paralelo de revenda de casas. Uma solução é o arrendamento, já usado pela Caixa", explica. Franck também alerta que os projetos terão de oferecer preços adequados para que o governo cumpra sua meta. "É um ponto importante para que haja interesse da iniciativa privada."

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.