i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
COMBUSTÍVEIS

Queda do preço do petróleo não chega ao consumidor

Economia brasileira sente apenas os efeitos negativos do barril mais barato, com queda nos investimentos e na arrecadação

  • PorFernando Jasper
  • 20/01/2016 21:35
Bomba de óleo nos Estados Unidos: O petróleo WTI, comercializado no mercado americano, valia US$ 26,55 nesta quarta (20), se desvalorizando em 6,71%. | SPENCER PLATT/AFP
Bomba de óleo nos Estados Unidos: O petróleo WTI, comercializado no mercado americano, valia US$ 26,55 nesta quarta (20), se desvalorizando em 6,71%.| Foto: SPENCER PLATT/AFP

As cotações do petróleo caíram mais de 70% desde meados de 2014, mas a economia brasileira dificilmente ganhará algo com isso. O mais provável é que continue sofrendo apenas os efeitos negativos desse movimento.

Em condições normais, combustíveis e outros derivados da commodity ficariam mais baratos, o que reduziria custos de produção e transporte de uma infinidade de produtos. Isso ocorre em vários países. Mas, no Brasil, esses mercados são dominados pela Petrobras, e ela, com problemas de caixa, não parece disposta a diminuir preços tão cedo.

INFOGRÁFICO: acompanhe os números de endividamento e investimento da Petrobras

Por outro lado, o barril barato inviabiliza alguns campos de petróleo, desestimula investimentos e esvazia a carteira de encomendas dos fornecedores do setor, com reflexos já observados na atividade econômica.

As cotações mais baixas também afetam a arrecadação do setor público. O pagamento de royalties e participações especiais caiu 31% em 2015, o que significou R$ 11 bilhões a menos nos cofres da União, estados e municípios. Nova queda é esperada para este ano.

LEIA MAIS: queda no preço do barril ameaça viabilidade do pré-sal

Orçamento revisto

O esquema de corrupção revelado pela operação Lava Jato já havia obrigado a Petrobras a cancelar projetos. Na semana passada, ela voltou a rever planos, desta vez por causa da alta do dólar e das novas baixas na cotação do óleo. O plano de negócios, que antes previa o desembolso de US$ 130 bilhões até 2019, encolheu para US$ 98 bilhões.

Na bolsa

As ações da Petrobras voltaram a cair nesta quarta (20).Os papéis preferenciais fecharam em queda de 4,93%, a R$ 4,43. As ações ordinárias se desvalorizaram em 3,57%, a R$ 5,93. O desempenho foi mais uma vez afetado pelo declínio do preço do petróleo, o que também fez com que o dólar fechasse o dia a R$ 4,12. O barril do Brent, negociado em Londres, caiu 2,71%, para US$ 27,97.

A estatal vem pisando no freio há dois anos. Em 2013, quando investiu R$ 104 bilhões, ela respondeu por 9,4% de todos os investimentos produtivos do país. No ano passado, conforme valores acumulados em 12 meses até setembro, o desembolso foi de R$ 80 bilhões e sua fatia no total nacional, de 7,2%.

Perdas e ganhos

Parte da dificuldade de caixa da Petrobras vem da política de preços imposta pelo governo. Analistas estimam que, de 2011 a 2014, a empresa perdeu algo entre R$ 46 bilhões e R$ 54 bilhões ao não reajustar os preços dos combustíveis à medida que o petróleo subia lá fora.

Agora, novamente na contramão, a companhia cobra bem mais caro que o mercado internacional. Desde que o preço do petróleo começou a cair, ela reajustou duas vezes a gasolina e o diesel nas refinarias, em novembro de 2014 e setembro de 2015.

Questionada sobre a trajetória dos preços domésticos de agora em diante, a Petrobras respondeu que “tem como referência o alinhamento com os preços internacionais, com base numa visão de médio prazo”, sem refletir a volatilidade das cotações do barril e da taxa de câmbio.

Para Rafael Schiozer, professor da Escola de Administração de Empresas da Fundação Getulio Vargas (FGV/Eaesp), é pouco provável que a gasolina ou o diesel caiam para o consumidor. “Antes, a Petrobras sofreu com o governo segurando preços para conter a inflação. Agora, ela não baixa para se salvar um pouco”, diz.

Segundo ele, a empresa também tende a manter os preços de outros derivados, como o querosene de aviação, o gás natural e a nafta, principal insumo da indústria petroquímica. “Se houver queda, será pequena, porque o mercado não é perfeitamente competitivo.”

Dívida

Com a queda das cotações do petróleo, a Petrobras terá menos dinheiro para investir e também para pagar duas dívidas. “Esperava-se que, entre 2016 e 2018, a empresa pagasse dois terços das dívidas em vencimento e rolasse um terço. Agora, a expectativa é de que pague metade e role o restante”, diz Rafael Schiozer, da FGV.

Queda no preço do barril ameaça pré-sal

Por mais que a Petrobras ganhe dinheiro no curto prazo, cobrando caro pela gasolina e o diesel, a empresa tem muito a perder com a queda das cotações do petróleo. Seu principal negócio, afinal, é a produção de óleo bruto.

Em meados do ano passado, a companhia projetava um preço médio de US$ 70 por barril entre 2015 e 2019. Em outubro, revisou a previsão para US$ 55 e, na semana passada, para US$ 45. Quanto mais baixo o preço, menos retorno dão os investimentos, principalmente no pré-sal, que já responde por 36% da produção da empresa.

Em diferentes ocasiões, executivos disseram que os campos do pré-sal seriam rentáveis com o barril vendido a partir de US$ 40 ou US$ 45. Mas o excesso de oferta global – calculado em 1,5 milhão de barris por dia pela Agência Internacional de Energia – levou a cotação abaixo de US$ 28.

“O pré-sal não se viabiliza com um preço tão baixo. Até porque seu petróleo é mais barato que a cotação internacional, por ser mais pesado”, explica Leonardo Caio, coordenador do MBA Executivo em Petróleo e Gás da Fesp.

Bancos como o Morgan Stanley e o BofA já veem o barril abaixo de US$ 20 em breve, e o Standard Chartered fala em US$ 10. Por outro lado, alguns analistas ponderam que o preço baixo acabará limitando a oferta, empurrando as cotações para cima em algum momento. Por esse motivo, a LCA Consultores aposta que o preço volte a US$ 50 até o fim do ano.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.