i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
política monetária

Quem fala sobre juros é o Tombini, diz Dilma

Em sua entrevista, a presidente também voltou a criticar a política monetária de países desenvolvidos

  • PorAgência Estado
  • 05/03/2012 06:58

A presidente Dilma Rousseff desautorizou na manhã desta segunda-feira (5), em Hannover, na Alemanha, toda e qualquer declaração sobre política monetária que não seja feita pelo presidente do Banco Central (BC), Alexandre Tombini. A bronca foi dada quando a chefe de Estado foi questionada sobre as declarações feitas pelo secretário especial de Assuntos Internacionais, Marco Aurélio Garcia. No domingo, o ministro havia afirmado que o Comitê de Política Monetária (Copom) reduziria os juros.

Questionada sobre o tema, a presidente foi taxativa. "Quem fala sobre juros no meu governo é o Banco Central, Alexandre Tombini. Nem eu nem ninguém no meu governo tem autorização para falar sobre juros", afirmou. Nesse momento, Marco Aurélio aguardava o fim da coletiva, também no lobby do hotel.

No domingo, o ministro havia comentado a política monetária, afirmando que o BC já vinha em uma trajetória de baixa da taxa básica de juros, a Selic. "Esse caminho já está definido, e com sucesso, porque não estamos tendo inflação", disse. Comentando as reuniões do Copom na terça e quarta-feira, Marco Aurélio antecipou a decisão do BC. "Vamos ter mais uma reunião do Copom, na qual vamos ter uma queda - moderada, mas vamos ter uma queda" disse.

Em sua entrevista, a presidente também voltou a criticar a política monetária de países desenvolvidos, citando números do Banco de Compensações Internacionais (BIS), segundo o qual esses bancos centrais já injetaram 8,8 trilhões de euros em seus sistemas financeiros, provocando desequilíbrios na economia mundial.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.