i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Trabalho

Ritmo de contratações no país tem perspectiva melhor que a da China

Mesmo com a desaceleração econômica prevista para o trimestre, pesquisa mostra que a abertura de vagas crescerá em velocidade recorde; setor imobiliário é destaque

  • PorAlexandre Costa Nascimento
  • 11/07/2010 21:17
O técnico em redes Alex Cordeiro deixou o setor de informática para virar corretor de imóveis: perspectivas para o Paraná são ainda melhores que a média nacional | Antonio More/Gazeta do Povo
O técnico em redes Alex Cordeiro deixou o setor de informática para virar corretor de imóveis: perspectivas para o Paraná são ainda melhores que a média nacional| Foto: Antonio More/Gazeta do Povo

Falta de preparo da mão de obra é entrave para os empresários

A expectativa de aumento nas contratações deve elevar ainda mais a dificuldade de alguns setores da economia que já encontram barreiras para encontrar mão de obra especializada. O presidente do Sindicato das Indústrias Metal-Mecânicas do Paraná (Sindimetal-PR), Alcino de Andrade Tigrinho, ressalta o trecho da pesquisa da Manpower que diz que 64% dos empresários brasileiros têm dificuldades para preencher as vagas com profissionais qualificados.

O dirigente lamenta o fato de as empresas terem perdido capital humano qualificado durante a cri­­se. "Esses profissionais ou já es­­tão trabalhando [em outras em­­presas], ou mudaram de área. Ago­­ra, os empresários precisam investir novamente em treinamento", diz.

O tema da escassez de mão de obra também foi debatido durante o seminário "Projeto País: Go­­ver­­nança e Gestão – Desafios da In­­fra­­­estrutura", realizado no mês passado pelo Instituto de Enge­nharia do Paraná (IEP). O evento reuniu engenheiros de todo o país em Curitiba para elaborar estratégias que deverão ser entregues aos candidatos à Presidência da Re­­pública em um congresso nacional da categoria, em agosto. Se­­gundo o IEP, o Brasil forma 32 mil engenheiros por ano, número considerado insuficiente para a atual demanda do mercado de trabalho.

Números

Estudo indica alta de 40% sobre 2009

A pesquisa realizada pela Manpo­wer, multinacional norte-americana da área de recursos humanos, mostra que o número de contratações no Brasil terá um aumento de 40% neste trimestre em relação ao mesmo período do ano passado. Caso os números do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) do Ministério do Trabalho, sejam usados como base, o levantamento indica que o país poderá criar 880 mil vagas entre os meses de julho e setembro de 2010. Trata-se de uma marca que superaria os resultados de 2008, ano em que houve recorde de contratação no período, com abertura de 725 mil postos de trabalho. No terceiro trimestre do ano passado, os mercados ainda se recuperavam da crise econômica mundial e foram gerados 633 mil empregos.

Metodologia

Vale ressaltar, entretanto, que o estudo da Manpower capta a expectativa de empresários e executivos do setor de recursos humanos para os próximos meses, enquanto o Caged é o número ofi­cial de criação de empregos com carteira assinada no Brasil.

  • Veja a expectativa de aumento das contratações para o terceiro trimestre de 2010

Enquanto os especialistas apontam para uma desaceleração da economia brasileira, a expectativa de contratações para este terceiro trimestre do ano vai em sentido contrário e deve levar o mercado de trabalho do país a crescer mais que o da China. Se confirmado, o desempenho do emprego no Brasil seria o segundo melhor em todo o mundo. Esse cenário é apontado em pesquisa realizada pela multinacional de recursos humanos Manpower, que entrevistou 61 mil diretores e gerentes de empresas públicas e privadas em 36 países.

De acordo com o levantamento – que ouviu 850 empregadores no Brasil –, o país terá uma geração de vagas 40% maior do que entre os meses de julho e setembro de 2009; resultado inferior apenas ao da Índia, que deve apresentar expansão de 42% no mesmo período. Nesse bom contexto nacional, o Paraná está em destaque, com a maior perspectiva de contratações dentre as cinco regiões pesquisadas, ao lado da cidade de São Paulo – a expectativa para ambos é de crescimento de 44% na abertura de vagas.

"A posição do país confirma a visão de que o Brasil fez o dever de casa, e que a situação econômica aponta para o progresso", avalia o diretor comercial da Manpower do Brasil, Pedro Guimarães. Todos os oito setores econômicos avaliados apontam para um forte crescimento no volume de contratações, oscilando de um piso de 24% na administração pública e educação ao teto de 52% no setor de serviços.

Com o maior número de lançamentos dos últimos cinco anos, o setor imobiliário deve apresentar uma expansão de quase 50% no número de empregos neste trimestre. Os números da pesquisa são comprovados pela expectativa dos agentes do mercado local.

Salto

De acordo com o Conselho Regional dos Corretores de Imóveis do Paraná (Cresci-PR), o número de inscritos ativos no órgão saltou de 8 mil em janeiro para 9 mil em junho, e deve fechar o ano com 10 mil corretores – um crescimento de 25% em 12 meses.

O diretor de atendimento da Lopes Consultoria de Imóveis, Luiz Augusto Brenner Rose, estima um crescimento acima dos 30% no número de corretores contratados pela empresa na mesma base de comparação da pesquisa mundial. "O mercado retomou [a expansão] com muito vigor. E os corretores são apenas a ponta de um iceberg de toda uma cadeia, que também envolve engenheiros e empresas de publicidade, transporte e logística", avalia.

O diretor-geral da Galvão Ven­das, Gerson Carlos da Silva, explica que o setor passa por um intenso processo de contratação nos últimos meses para atender à demanda atual e aos lançamentos futuros. Nos últimos 18 meses, a Galvão quase quadruplicou seu número de colaboradores, passando de 80 no início de 2009 para os atuais 300 – patamar recorde que supera o período pré-crise. "Devemos contratar outros 200 corretores para os 20 lançamentos programados até o fim do ano. Enfrentamos um verdadeiro blacaute de mão de obra no setor, e estamos contratando pessoas sem qualificação prévia para passarem por um processo de formação", diz.

Evolução financeira

Incentivado pela esposa, corretora de imóveis, o técnico em redes de informática Alex Cordeiro trocou o mundo dos mouses e teclados pela pasta de couro. Segundo ele, a recém-iniciada carreira de corretor lhe abriu perspectivas de evolução pessoal e financeira. "Trabalhando com informática, eu conseguia apenas pagar as contas e não tinha condições sequer para trocar de carro. Trabalhando oito meses como corretor de imóveis consegui juntar dinheiro para casar e, até o fim do ano, pretendo comprar meu primeiro imóvel na planta como forma de investimento", conta. O salário saltou de R$ 1,7 mil para uma renda média de R$ 5 mil ao mês. "Na área imobiliária tem meses em que você não vende nada, mas o mês seguinte pode compensar e ainda render umas sobras", garante.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.