i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Algodão

Setor farmacêutico teme retaliações

OMC autorizou retalização aos Estados Unidos por causa dos subsídios ao algodão. Disputa com o Brasil teve início em 2002

  • PorAgência Estado
  • 11/02/2010 16:44

A decisão do governo de estabelecer os procedimentos legais que poderão ser utilizados em retaliações na área de propriedade intelectual gerou preocupação entre empresários do setor farmacêutico. "Qualquer medida que atinja outros importantes setores econômicos não resolve a questão central e cria problemas ainda mais graves para estes segmentos", afirmou Jorge Raimundo, presidente do Conselho Consultivo da Associação da Indústria Farmacêutica de Pesquisa (Interfarma).

A preocupação se deve aos diversos sinais já emitidos pelo Palácio do Planalto que as retaliações, por conta da disputa envolvendo a concessão de subsídios ao algodão americano, podem passar pela quebra de patentes de medicamentos detidas por laboratórios dos Estados Unidos. Para o representante da Interfarma, a única forma de resolver o conflito entre os dois países é enfrentar a questão que motivou o impasse, ou seja, a política de subsídios ao algodão.

O advogado Denis Borges Barbosa, professor de Propriedade Intelectual da PUC-Rio e um dos delegados do Brasil durante as negociações que criaram a Organização Mundial do Comércio (OMC), disse que é preciso prudência na definição de possíveis retaliações cruzadas por conta da possibilidade de contrarretaliações, não por parte de Washington, mas de empresas americanas. "O operador privado pode contraditar a retaliação por meios que fogem ao alcance da OMC", alertou.

Para Barbosa, a edição da MP é um "passo indispensável" ao governo brasileiro para a aplicação das sanções. Entretanto, o advogado ponderou que é preciso avaliar todos os procedimentos com cautela para evitar "um tiro no pé". "Não temos precedentes, ninguém fez nisso até agora", disse Barbosa, destacando o ineditismo da possibilidade de aplicação de sanções respaldadas em decisão da OMC.

A controvérsia do Brasil com os EUA em torno dos subsídios ao algodão é um dos casos mais emblemáticos da Organização Mundial do Comércio. A disputa teve início em 2002. Ao longo destes anos, os americanos mantiveram-se irredutíveis em relação à política adotada em favor dos produtores locais, o que acabou garantindo a vitória brasileira na disputa travada no âmbito da organização, responsável pelas regras de comércio entre as nações.

O ministro das Relações Exteriores, Celso Amorim, afirmou hoje que a única maneira do Brasil suspender a aplicação das retaliações contra os EUA seria uma "mudança efetiva de política, que elimine a causa da sanção" autorizada pela OMC. Medidas paliativas não serão aceitas pelo governo brasileiro, acrescentou o chanceler.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.

    Fim dos comentários.