i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
previsão

Tombini ressalta trajetória de queda da inflação

A inflação em 12 meses, após alcançar o pico em outubro, está em trajetória de queda, segundo Tombini, e esse processo vai continuar a ser visto nos próximos meses

  • PorAgência Estado
  • 20/12/2011 09:56

O presidente do Banco Central (BC), Alexandre Tombini, afirmou nesta terça que há um processo de convergência da inflação para a meta. A inflação em 12 meses, após alcançar o pico em outubro, está em trajetória de queda, segundo Tombini, e esse processo vai continuar a ser visto nos próximos meses.

O presidente do BC afirmou ainda que a inflação rodava em patamares elevados na virada do ano e que o BC tomou medidas macroprudenciais para mitigar riscos. "Conseguimos convergência da inflação para meta desde maio. E essa convergência prosseguirá nos próximos meses", afirmou.

Conforme o presidente do BC, as instituições financeiras brasileiras têm hoje uma exposição cambial menor do que a vista no passado. "Vimos a redução das exposições", afirmou durante audiência na Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) do Senado. "Preparamos o mercado para que, em períodos de maior turbulência uma operação pudesse ser desfeita em três dias. Isso foi feito e deu resultado", disse.

O presidente da autoridade monetária salientou também que, desde maio, já é possível verificar os resultados efetivos das políticas macroprudenciais adotadas em dezembro do ano anterior. "Vimos o resultado das políticas dessa ampla estratégia sobre as pressões inflacionárias", citou.

Sobre as expectativas do mercado, Tombini destacou que a inflação acumulada em 12 meses foi subindo até atingir o pico em outubro. "Já vimos que ela (expectativa) vem se reduzindo em outubro e também novembro, uma redução de quase 2 pontos porcentuais", comparou.

Na avaliação do presidente do BC, a economia dos EUA têm apresentado melhora acima do esperado, mas permanecem alguns riscos à recuperação no longo prazo.

Para Tombini, o mercado de trabalho norte-americano apresentou melhora na margem, tem se comportado um pouco melhor, mas que o desemprego permanece em níveis elevados. "A criação de empregos tem ocorrido na margem, mas ainda relativamente fraca para superar todos os empregos perdidos durante o ano de crise."

O presidente do BC afirmou ainda que o mercado imobiliário ainda não se recuperou e que os preços de imóveis se mantém nos níveis de crise. "Não houve recuperação, prejudicando o efeito riqueza." Tombini disse também que as expectativas de crescimento foram revisadas para baixo, de 3,10% no início do ano para um crescimento esperado que está na faixa de 2,20%.

Com relação a crise na Europa, Tombini considera que a zona do euro passa por problemas que ainda não possuem solução definitiva. "As negociações políticas avançam rumo à união fiscal na Europa, mas os detalhes não estão totalmente claros", ponderou.

Na opinião do presidente do BC, o plano recente apresentado pelo bloco europeu não é solução definitiva para crise, os bancos ainda apresentam vulnerabilidade e o crédito tem sofrido, não só com redução de estoque, mas com fluxo de novos ativos em função da necessidade de se adequar o capital aos riscos existentes na área. "Com isso, a Europa deve ter baixo crescimento e alguns países, recessão", previu, acrescentando que as expectativas de crescimento têm sido reduzidas "significativamente".

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.