i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
emprego

Trabalho informal volta a crescer no país

Conquistas do emprego formal e valorização da renda da década passada são ameaçadas pela deterioração da economia

  • PorTalita Boros Voitch
  • 14/01/2016 20:47
Somente em um ano, o país perdeu 1,2 milhão de postos de trabalho com carteira assinada no setor privado. | Hugo Harada/Gazeta do Povo
Somente em um ano, o país perdeu 1,2 milhão de postos de trabalho com carteira assinada no setor privado.| Foto: Hugo Harada/Gazeta do Povo

Após mais de uma década de intensa formalização do trabalho, o Brasil enfrenta uma guinada de volta à informalidade, alta do desemprego e queda na renda, iniciada em 2014 e intensificada no ano passado. Causada principalmente pela deterioração da atividade econômica, o mau resultado deve se fortalecer em 2016.

INFOGRÁFICO: acompanhe a evolução do mercado de trabalho nos últimos anos

Em um ano, o país perdeu 1,2 milhão de postos de trabalho com carteira assinada no setor privado, o que representa uma queda de 3,4%, de acordo com os últimos dados disponíveis da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD Contínua) do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), referentes ao terceiro trimestre do ano passado.

LEIA MAIS: Informalidade prejudica trabalhador, governo e economia

Ao mesmo tempo, o desemprego chegou a 8,9% no período, maior taxa da série histórica da pesquisa iniciada em 2012. Naqueles meses, a fila do desemprego contava com 9 milhões de brasileiros.

“Se a pessoa está no trabalho informal ela não contribui para a previdência e há uma redução natural da arrecadação. Além disso, a própria arrecadação como um todo cai por conta da atividade econômica enfraquecida. É um ciclo negativo que precisa ser alterado.”

Marcelo Guimarães diretor da Associação Brasileira de Recursos Humanos do Paraná.

O montante representa um salto de 34% no total de desocupados em relação ao mesmo período de 2014. Isso equivale a quase 2,3 milhões de pessoas a mais em busca de uma vaga no país.

A consequência imediata dessa deterioração foi o aumento no número de brasileiros trabalhando por conta própria, que teve um incremento de 4% em um ano.

“Com o aumento do desemprego as pessoas passam a serem donas de próprio nariz de uma forma informal. Elas têm uma habilidade e passam a se sustentar com isso. Isso gera um processo intenso de informalização com consequências negativas”, afirma Carlos Magno Bittencourt, professor de ciências econômicas da PUC-PR.

A queda na formalização do emprego começou a dar sinais de que ganharia força já em 2014, quando o porcentual de trabalhadores com carteira assinada – tanto dos empregados do setor privado quanto dos domésticos –, registrou a primeira queda desde o início da série história em 2004, passando de 61,4% em 2013 para 61,2% no ano seguinte.

Informalidade prejudica trabalhador, governo e economia

O fenômeno da informalidade cria um ciclo desastroso em várias esferas. Para o trabalhador, as consequências vão desde a perda de garantias da legislação trabalhista, como estabilidade, FGTS, férias remuneradas e outros benefícios até problemas para cumprir com compromissos por conta da ausência da renda garantida.

Para o governo, a informalidade significa mais uma fonte de preocupação fiscal decorrente da queda na arrecadação previdenciária e aumento do déficit do INSS. Estimativas mostram que os gastos do governo com o INSS neste ano devem crescer em R$ 52,5 bilhões, chegando a quase R$ 500 bilhões, puxados principalmente pelo reajuste do salário mínimo e a queda na arrecadação.

Segundo o economista Sérgio Itamar, professor da Isae/FGV, existem duas vertentes da informalidade, uma delas é aquela que impulsiona o empreendedorismo a partir de oportunidades e ideias de novos modelos de negócio. A segunda, surge apenas da necessidade por conta da piora do cenário econômico. “E é justamente esse tipo de informalidade que vemos crescer hoje no país. Perdemos vagas de trabalho, estamos em recessão e as pessoas têm que se adaptar ao novo mercado”, disse. (TBV)

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.