i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Efeitos da crise

“Tsunami monetário” já é de US$ 8,8 trilhões

Agência Estado

  • Por
  • 04/03/2012 21:18
Desembarque na Alemanha, ontem. Dilma conversa com Merkell hoje à noite | Roberto Stucker/PR
Desembarque na Alemanha, ontem. Dilma conversa com Merkell hoje à noite| Foto: Roberto Stucker/PR

Os bancos centrais dos países ricos injetaram US$ 8,8 trilhões em pouco mais de três anos em seus sistemas financeiros, o que provoca fortes críticas de autoridades de nações emergentes e causa uma divisão na comunidade internacional sobre como lidar com a crise. No total, o que a presidente Dilma Rousseff chamou de "tsunami monetário" já supera em cerca de quatro vezes o Produto Interno Bruto (PIB) do Brasil.

Em uma reunião fechada na Basileia, sede do banco central dos bancos centrais (BIS), e com a orientação a todos os participantes para que não vazem nenhum elemento do encontro, o centro do debate foi mesmo a inundação do mercado com dinheiro barato e a intervenção das autoridades monetárias.

Segundo essas autoridades, as nações desenvolvidas ignoram instâncias como o G-20 para coordenar uma resposta à crise. "Esse assunto precisa ser tratado abertamente. Não podemos só aceitar isso e ficar quietos. Todos estamos sendo afetados", disse à Agência Estado o presidente de um BC asiático, pedindo anonimato. A reunião, que termina amanhã, tem também o presidente do BC do Brasil, Alexandre Tombini, que não falou com a imprensa.

O argumento é o de que, ao pegar emprestado esse dinheiro com juros baixíssimos, bancos e investidores transferem parte desses fundos para aplicações no Brasil e outros emergentes, criando uma pressão insustentável sobre as moedas locais.

Conta alta

Na semana passada, o Banco Central Europeu colocou no mercado US$ 712 bilhões em empréstimos de longo prazo. Em dezembro, foram mais US$ 658 bilhões. Além disso, o BCE já gastou mais de US$ 220 bilhões na compra de papéis da dívida de países em dificuldades, como Portugal, Irlanda, Grécia, Itália e Espanha. A isso se soma quase outro US$ 1 trilhão na compra de ativos de bancos à beira da falência.

Fora da zona do euro, o Banco da Inglaterra injetou outros US$ 507 bilhões apenas para garantir a liquidez do sistema. Nos Estados Unidos, só na primeira rodada, o valor chegou a US$ 1,25 trilhão. Na segunda rodada, Bernanke ampliou os empréstimos em US$ 600 bilhões. O Banco do Japão já injetou US$ 690 bilhões em empréstimos de longo prazo.

Isso tudo, sem contar os programas de incentivo para a recuperação econômica, empréstimos de curto prazo e compras de ativos de bancos, faz o "tsunami" chegar a US$ 8,8 trilhões, segundo as informações de Fed, BCE, Banco da Inglaterra e Banco do Japão.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.