Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...

Os mercados financeiros voltaram a ser assombrados pelos problemas no setor de crédito nesta terça-feira, após resultados mais fracos que o esperado de grandes varejistas norte-americanas. No Brasil, a forte alta do dólar, que se aproximou dos 2 reais, afastou o Banco Central do mercado.

Foi a primeira vez desde setembro de 2006 que a autoridade monetária não realizou um leilão de compra de dólares no mercado à vista em uma sessão normal, sem feriados regionais. Apesar disso, o ministro da Fazenda, Guido Mantega, disse que a ausência não indica o fim da política de acumulação de reservas do BC.

A Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) também acompanhou o tumulto nos mercados internacionais, e perdeu o patamar de 51 mil pontos para fechar no menor nível desde maio.

"Hoje não foi um dia de boas notícias em lugar nenhum", disse Gail Dudack, estrategista-chefe de investimentos da Dudack Research Group, em Nova York. "Mas a grande nuvem negra sobre o mercado são os potenciais problemas de liquidez escondidos nos portfólios que ainda estão para ser anunciados", acrescentou.

Wall Street puxou a queda após resultados mais fracos que o esperado de varejistas como Home Depot e Wal-Mart . O temor dos investidores é que isso seja um sinal de que os problemas no mercado imobiliário norte-americano esteja pesando sobre os gastos dos consumidores, motor da economia dos Estados Unidos.

Veja como encerraram os principais mercados nesta terça-feira:

CÂMBIO

O dólar terminou a 1,986 real, em alta de 2,21 por cento. O volume no segmento interbancário foi de 3,517 bilhões de dólares.

BOLSA

O Ibovespa encerrou em queda de 2,90 por cento, a 50.911 pontos. O volume financeiro na bolsa foi de 5,1 bilhões de reais.

ADRs BRASILEIROS

O índice de principais ADRs brasileiros caiu fortemente, fechando com variação negativa de 4,29 por cento, aos 26.798 pontos.

JUROS

A maioria dos contratos de depósito interfinanceiro (DI) fechou em alta na Bolsa de Mercadorias & Futuros. O DI janeiro de 2009 subiu a 11,26 por cento, enquanto o DI janeiro de 2010 avançou a 11,46 por cento.

GLOBAL 40

O título de referência dos mercados emergentes, o Global 40, recuou para 130,000 por cento do valor de face no final da tarde, oferecendo rendimento de 6,189 por cento ao ano.

RISCO-PAÍS

No final da tarde, o risco Brasil subiu 8 8 pontos, para 197 pontos-básicos. O EMBI+ estava em 215 pontos-básicos.

BOLSAS DOS EUA

O índice Dow Jones recuou 1,57 por cento, para 13.028 pontos. O Nasdaq cedeu 1,70 por cento, a 2.499 pontos. O índice S&P 500 registrou desvalorização de 1,82 por cento, para 1.426 pontos.

TREASURIES DE 10 ANOS

O preço dos títulos do Tesouro norte-americano de 10 anos, referência do mercado, subiu e o rendimento recuou para 4,73 por cento no final da tarde.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]