i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Crise europeia

UE alerta para excesso de garantias em ajuda à Grécia

Na terça-feira, o governo grego anunciou que chegou a um acordo com a Finlândia sobre a garantia (colateral) necessária para assegurar a participação do país no pacote de resgate

  • PorAgência Estado
  • 19/08/2011 11:12

A Comissão Europeia, braço executivo da União Europeia, afirmou nesta sexta-feira que os membros da zona do euro precisam tomar cuidado para evitar uma "colaterização excessiva" no plano de resgate para a Grécia, tendo em vista o acordo entre gregos e finlandeses para que a Finlândia receba uma garantia pela sua participação no pacote.

"Após as discussões bilaterais entre Finlândia e Grécia, os membros da zona do euro têm de avaliar a consequência. Nós devemos evitar a introdução de muitas condições novas, colaterização excessiva, para termos uma rápida implementação das decisões (adotadas no fim de julho)", disse um porta-voz do comissário europeu para assuntos econômicos e monetários, Olli Rehn.

Na terça-feira, o governo grego anunciou que chegou a um acordo com a Finlândia sobre a garantia (colateral) necessária para assegurar a participação do país no pacote de resgate. Segundo o acordo, a Grécia vai depositar cerca de 500 milhões de euros em uma conta de custódia do Estado finlandês. O dinheiro seria investido em títulos com rating AAA durante um período de 25 anos. Levando em conta o principal e os juros acumulados, a garantia grega seria igual à contribuição da Finlândia para a Linha de Estabilidade Financeira Europeia (EFSF, na sigla em inglês), entre 1,6 bilhão de euros e 1,8 bilhão de euros.

Mas o acordo gerou críticas de outros membros da zona do euro, como Holanda, Áustria, Eslováquia, Eslovênia e Estônia. "Cabe aos membros da zona do euro avaliar se esse acordo bilateral entre Grécia e Finlândia corresponde ao espírito das decisões (adotadas pelo bloco no fim de julho) ou acrescenta um elemento novo que pode ser considerado uma distorção", disse o porta-voz da Comissão Europeia.

Questionado se outros países também solicitaram garantias pela sua participação na EFSF, o porta-voz disse que não está ciente "de nenhum pedido formal desse tipo e não posso especular (sobre o assunto)".

Separadamente, a ministra de Finanças da Áustria, Maria Fekter, enviou aos seus colegas ministros da zona do euro uma alternativa para o acordo entre gregos e finlandeses. Segundo o plano austríaco, outros membros do bloco também teriam direitos a colaterais. Os cálculos levariam em conta a participação dos bancos privados de cada país no novo pacote para a Grécia. "Eu sei que se todos exigirem colaterais, então o pacote de resgate não poderá ser financiado. É por isso que eu propus que nós combinemos o envolvimento do setor privado e a proteção via colateral", afirmou, segundo a Reuters.

A Grécia, do seu lado, defendeu o acordo com a Finlândia. O ministro de Finanças grego, Evangelos Venizelos, disse que o acordo foi sancionado pelos líderes europeus no dia 21 de julho, quando foi aprovado o pacote de 109 bilhões de euros para a Grécia. Segundo ele, naquela ocasião os dois países foram instruídos a elaborar um acordo para garantir a participação dos finlandeses no pacote. "Em linha com essa decisão, nós fomos obrigados a realizar negociações com a Finlândia para ver se, em um nível bilateral, nós poderíamos atender as demandas finlandesas, sem criar problemas para o pacote de resgate", comentou.

Mas Venizelos indicou que se outros países levantarem objeções ao acordo, os líderes da UE terão de decidir sobre o assunto em conjunto. Segundo ele, o processo de implementação das decisões adotadas pela cúpula da UE em julho, que incluem novos poderes para a EFSF que exigem aprovação dos Parlamentos de cada país, deve ser concluído na primeira ou segunda semana de outubro. As informações são da Dow Jones.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.