i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Varejo e finanças

É loja ou banco? Pernambucanas e outras redes entram com tudo nos serviços financeiros

  • PorFlávia Silveira, especial para Gazeta do Povo
  • 04/07/2019 20:49
Fachada de uma das lojas Pernambucanas, em Curitiba.
Fachada de uma das lojas Pernambucanas, em Curitiba.| Foto: Aniele Nascimento/Gazeta do Povo

Pernambucanas, Renner, Riachuelo e Casas Bahia, já têm, há anos, seus próprios cartões, uma evolução dos antigos carnês com vantagens como parcelamentos e descontos especiais. Há mais de uma década, a fidelização dos clientes foi tamanha que foi preciso criar financeiras, empresas à parte da estrutura inicial, para dar conta do crescimento dos serviços oferecidos. Agora, essas mesmas financeiras estão migrando para modelos que comportam serviços de "banco digital": cartão pré-pago e de crédito com funções como pagamento e transferências, contratação de empréstimos e seguros, entre tantos outros. Afinal, é loja ou é banco?

“Somos uma loja e queremos continuar como uma loja, que agora também cuida do dinheiro do cliente”, diz Sérgio Borriello, CEO da Pernambucanas, que, em abril, lançou sua Conta Digital. Em pouco mais de um mês, a Conta Digital Pernambucanas já tinha 130 mil inscritos – a expectativa é terminar 2019 com um milhão de contas abertas.

A transformação digital da varejista teve início em 2016, quando o processo de concessão de crédito, antes feito na área de crediário em um espaço reservado das lojas, passou a ser feito por um atendente no salão, munido apenas de um tablet. Em sete minutos o cartão da loja estava pronto.

Depois disso, vieram o aplicativo da loja e do cartão, melhorias no site e no e-commerce. Em 2018, a Pernambucanas passou também a emitir o cartão de crédito com bandeira Elo, que passa a permitir que o cliente o utilize em outros estabelecimentos.

Mas faltava algo. Segundo Borriello, todos os benefícios oferecidos pela loja, como descontos, cupons e checkout digital, eram presos ao cartão próprio, o que acabava excluindo uma parcela dos consumidores que, por algum motivo, não tinham acesso a crédito. Agora, com a Conta Digital, estes clientes podem ir à loja, abrir sua conta e já recebem um cartão pré-pago, basta fazer um depósito na conta para começar utilizá-lo. “Com o cartão, você consegue fazer tudo que uma conta digital oferecida por banco faz: saques, transferências, depósitos. Tudo que um banco oferece. A diferença é que, por trás disso, temos uma rede com 350 lojas físicas, o que os bancos digitais não oferecem”, diz o CEO.

As compras feitas com o cartão são passadas no débito, mas o cartão também pode ser utilizado para compras online, como um de crédito. Além das transações já citadas, também é possível gerar boletos, realizar recarga de celular e compra do bilhete único (cartão-transporte de São Paulo) pelo aplicativo Cartões Pernambucanas. Os saques podem ser feitos nos caixas da Rede 24 h, com cobrança de taxa a partir do terceiro saque, e também diretamente em uma loja Pernambucanas, sem custos. O mesmo vale para depósitos. Por mês, o valor de manutenção da conta é de R$ 4,99.

Borriello diz que a transformação digital que levou a todo este processo está além da empresa, mas nas pessoas. “Sempre tivemos como característica o relacionamento com a família brasileira. Não poderíamos deixar de oferecer mais este cuidado com nossos clientes”, afirma. Toda a gestão das contas e cartões é feita pela Pefisa, Financiadora da Pernambucanas que existe desde 1976, mas que Borriello acredita que hoje pode ser considerada uma fintech.

Foco nos desbancarizados e nas classes C,D e E

Apesar de já terem a autorização do Banco Central para funcionarem como banco, os serviços que a Pernambucanas deseja oferecer estão em sintonia com o que os seus clientes buscam. Não está nos planos da rede operar com câmbio, por exemplo. Ou mesmo ter uma agência bancária. “Queremos oferecer os serviços bancários corriqueiros de um cliente comum. Pagar, receber, transferir. Mas nosso foco é o varejo”, conclui.

Mesmo sem o desejo, ao oferecer tais serviços estas varejistas acabam gerando um novo fluxo de caixa e, principalmente, de pessoas em suas lojas físicas. “O cliente que foi atrás só da conta digital, pode se tornar um cliente da loja em si. O foco destas redes tem sido, principalmente, os desbancarizados”, diz Ricardo Baccarat, especialista em Varejo Digital da AGR Consultores.

A facilidade para abertura de contas digitais é um grande diferencial para esta população, que muitas vezes se intimida com a burocracia da abertura de contas correntes tradicionais. “Eles concorrem principalmente nesta parcela da pessoas que os bancos não conseguem alcançar, que não é atendida”, completa.

Entre outros varejistas que também estão neste caminho, está a Renner, que em 2018 transformou sua subsidiária financeira em uma instituição independente, a Realize, e emite cartões de crédito em até quatro minutos. A Riachuelo também aguarda a autorização do Banco Central para transformar sua financeira Midway em banco.

E em maio deste ano, a Via Varejo, controladora da Casas Bahia que em junho passou para as mãos da família Klein, anunciou uma aliança com a fintech Airfox e criou a BanQi. A empresa, que quer ser o "banco"digital das classes C,D e E, lançou nesta quinta-feira (5) três novos produtos atrelados a parcerias que representam R$ 300 milhões em aportes da Via Varejo no negócio:

Natura se une ao Santander para ampliar vendas de consultoras

Com estratégia diferente, em março deste ano a Natura fechou parceria com o Santander e desenvolveu uma Conta Digital voltada para suas mais de um milhão de consultoras. A iniciativa faz parte do plano de revitalização e digitalização do modelo de negócios da marca de cosméticos, que quer contribuir para a bancarização e elevação de produtividade e renda das consultoras.

A conta digital da Natura pode ser acessada pelo site da marca e pelo aplicativo desenvolvido para as consultoras. Além de um cartão pré-pago, a Conta Natura dá direito a saques, depósitos, transferências entre bancos, pagamento de contas, e uma maquininha portátil para pagamentos com cartão. A conta recebe diretamente as receitas de vendas feitas pelo site, Rede Natura, e pagas com a maquininha.

As consultoras podem, ainda, contratar microcrédito a ser utilizado na compra de produtos Natura, visando estimulá-las a investir na expansão e profissionalização de sua atividade. “É mais uma atitude para empoderar as consultoras. Além disso, contribuímos para bancarizá-las e incluí-las socialmente”, afirma João Paulo Ferreira, presidente da Natura.

Do lado do Santander, coube oferecer de forma integrada e customizada três soluções do banco: a Superdigital, que é a conta digital do Santander, a SuperGet, maquininha de pagamentos da GetNet, e o Prospera Santander Microcrédito, programa privado de microcrédito produtivo sem necessidade de fiador ou grupo solidário.

4 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 4 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.

  • J

    JOSE DE PAULA

    ± 0 minutos

    MAS AS PERNAMBUCANAS COBRAM JUROS EXTORSIVOS E INVENTAM SEGURO DALI E DE CA SÓ PRA TIRAR DINHEIRO DO POVO....JUROS ABUSIVOS E QUEREM QUE COMPREM LÁ ...NUNCA MAIS ...UM ROUBO AO NOSSO BOLSO.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • E

    Eric Kmiecik Fragoso

    ± 4 horas

    No caso específico das Pernambucanas os serviços financeiros são uma tábua de salvação. Em vários anos, os serviços financeiros foram equivalentes a 99% do lucro líquido deles. E com banco então, vai passar a ser constante. Bom para eles, ruim para os bancões

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • M

    Mário

    ± 7 horas

    As instituições bancárias são os maiores assaltentes do nosso bolso. Enriqueceram alucinadamente por décadas e se um cara entra no "vermelho" pode pisar no freio porque o chumbo é grosso. De qualquer forma se as empresas entram neste jogo fazendo a clientela fugir dos bancos, porem barateando um pouco mais para o povão, está tudo correto...

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • P

    Pedro tenvia

    ± 8 horas

    Hoje está assim, voce compra um emprestimo e ganha a geladeira. O assedio ao brasileiro que paga as contas nunca foi tão grande, principalmente quando o sujeito está almoçando, toca o telefone e lá vem a proposta para um consignado ou a oferta de um cartão, a solução passa por se tornar um caloteiro, que o assédio para.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]