Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...

O avanço da inflação varejista (de 0,39% para 0,69%) foi a principal contribuição para a taxa maior da primeira prévia do IGP-M, que saltou de 0,79% para 0,83% de novembro para dezembro. A avaliação é do coordenador de Análises Econômicas da Fundação Getúlio Vargas (FGV), Salomão Quadros. Ele explicou que, no caso da inflação percebida junto ao consumidor, o destaque mais uma vez ficou por conta dos alimentos, cuja elevação de preços se intensificou (de 0,85% para 1,43%) no período.

Quadros comentou que o varejo ainda sente o efeito do repasse dos aumentos de preços das matérias-primas agropecuárias no atacado, ocorridos em novembro. A carne no varejo continua em alta, com destaque para a alcatra (8,22%).

No entanto, o especialista fez uma ressalva: os preços dos alimentos não são os únicos em alta no varejo. Outros tipos de preço, não relacionados à alimentação, também estão subindo, principalmente os ligados às atividades de serviços. É o caso, por exemplo, de passagens aéreas, que saíram de uma queda de 5 47% em novembro para um avanço de 10,48% em dezembro. "Os preços do vestuário também estão acelerando (de 0,86% para 1,19%), visto que acabou o tempo de liquidações", acrescentou o analista.

Na prática, na avaliação de Quadros, o que ocorre com os preços vistos pelo consumidor atualmente é coerente com o resultado do núcleo da inflação varejista, anunciado na semana passada e que exclui as principais quedas e as mais expressivas altas de preço no varejo. Em novembro, o núcleo subiu 0,43%, ante alta de 0,41% em outubro. "Tivemos um núcleo, em novembro, em um patamar não muito confortável. Isso mostra realmente que temos altas de preço mais espalhadas junto ao consumidor", afirmou Quadros.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]