Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
A Repar, em Araucária (PR), é uma das refinarias da Petrobras com processo de venda mais adiantado.
A Repar, em Araucária (PR), é uma das refinarias da Petrobras com processo de venda mais adiantado.| Foto: Marcelo Andrade/Arquivo encia de Noticias Gazeta do Povo/Marcelo Andrade/Arquivo Gazeta do Povo

O presidente da Petrobras, Roberto Castello Branco, afirmou nesta segunda-feira (30), que mesmo com os atrasos causados pela pandemia da Covid-19, a empresa vai cumprir a meta de fechar 2021 com oito das suas 13 refinarias vendidas, como determinou o Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade). Segundo o executivo, das refinarias postas à venda, seis estão com processo adiantado, e, no início de 2021, será a vez de receber propostas vinculantes para as duas unidades com processo mais atrasado, Renest (PE) e Regap (MG).

"Vamos receber as ofertas vinculantes da Repar (PR) e da Refap (RS) no dia 10 de dezembro, seis refinarias estão com a venda avançada e duas vão ter ofertas vinculantes no início do ano que vem", disse Castello Branco, confirmando que as oito unidades serão vendidas até o final de 2021, como acordado com o Cade. De acordo com a diretora de Refino e Gás Natural, Anelise Lara, nas próximas semanas será assinado o contrato de venda da Rlam (BA), e em nove meses o ativo será entregue ao novo dono. A Petrobras vai criar uma estatal para cada refinaria para facilitar a venda, informou Lara.

De acordo com o diretor de Comercialização e Logística, André Chiarini, após a venda das refinarias, a Petrobras poderá aumentar as exportações de petróleo bruto, mas a tendência é de que os novos donos das unidades adquiram a commodity no mercado interno, da Petrobras ou dos outros agentes. "Não faz sentido econômico importar petróleo, mas podemos também aumentar exportação", disse Chiarini.

6 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]