Dados da empresa Guten Educação e Tecnologia mostram que as crianças passam mais tempo lendo – em casa, depois da aula – por causa do aplicativo. | Henry Milleo/Gazeta do Povo
Dados da empresa Guten Educação e Tecnologia mostram que as crianças passam mais tempo lendo – em casa, depois da aula – por causa do aplicativo.| Foto: Henry Milleo/Gazeta do Povo

O estímulo ao hábito da leitura entre crianças e jovens é um dos principais desafios dos educadores. Especialmente em um contexto de alunos hiperconectados à internet e de índices preocupantes de analfabetismo funcional – a dificuldade de compreensão de textos.

Em busca de uma solução para esse impasse, a startup paulista Guten Educação e Tecnologia criou o Guten News, uma ferramenta digital que traduz textos jornalísticos para a linguagem do público infantojuvenil, em uma interface digital, interativa e com games que ajudam a testar as habilidades de leitura.

A plataforma fundada em 2014 atende 25 mil estudantes em todo o Brasil, que podem acessá-la tanto na escola quanto em casa. A criação é da empreendedora Danielle Brants. “Hoje em dia, com acesso à internet e a muitos textos, o jovem tem mais oportunidades para aprender. Mas, sem curadoria, ele não desenvolve a crítica, a distinção das informações”, diz.

O estudo inicial para o desenvolvimento da ferramenta envolveu uma equipe de pedagogos especialistas na área de linguagem. “Detectamos que, hoje, as escolas trabalham muito com letramento na parte de decodificação. Os alunos aprendem o alfabeto, mas não compreendem os textos. E essa habilidade faz diferença”, explica Danielle. Ela identifica falhas especialmente nas habilidades de leitura que incluem a capacidade de diferenciar fatos de opinião, por exemplo.

O problema da leitura permeia todas as classes sociais, independentemente do setor [público ou privado].

Danielle Brantsempreendedora.

Para além de uma ferramenta online com atividades educativas, a startup optou pelo uso do noticiário para estimular uma compreensão de textos que seja também engajadora, que estimule o posicionamento dos alunos sobre as informações.

E é aí que entra a importância dos temas atuais. “É uma forma de ampliar o repertório cultural dos jovens e sintonizar a escola com o que está acontecendo no mundo”, diz.

Educadores e gestores das escolas também se beneficiam, recebendo relatórios semanais online sobre o desempenho dos estudantes, para que possam intervir na sua formação de maneira personalizada.

O Guten News é atualizado toda semana, com notícias sobre temas como política, economia e meio ambiente – algumas atividades envolveram notícias sobre o desastre ambiental em Mariana, em Minas Gerais. Porém, inclui adaptação da linguagem do noticiário, que não precisa, no entanto, ser infantilizada.

O projeto

A Guten foi selecionada para o iniciativa global Project Literacy Lab, primeira parceria internacional coordenada pela Pearson e Unreasonable Group com foco em acelerar iniciativas que permitam reduzir o analfabetismo no mundo até 2030

A plataforma atende a alunos do ensino fundamental público e privado, com usuários que têm, em média, 10 anos.

Na prática

Em Curitiba, o colégio Expoente utiliza a ferramenta desde abril deste ano, com crianças de 8 a 10 anos. Segundo a coordenadora, Simone Machado, os indicadores têm mostrado acesso frequente dos alunos. Ao optar pela plataforma de notícias para incentivo à leitura, a instituição buscou conectá-los à realidade social, segundo ela. “A escola trabalha muito para ter alunos leitores, politizados, conectados, e a plataforma dá essa condição de forma sólida”, explica Simone.

Ao menos uma vez por semana, os estudantes utilizam o Guten no laboratório de informática. Os professores escolhem notícias relacionadas ao conteúdo trabalhado em sala de aula e estimulam a leitura. “São temas reais, atuais, variados e polêmicos – assuntos que, na mídia, eles não encontrariam na linguagem deles”, explica Simone. Na opinião dela, os alunos ficam mais politizados ao ler as notícias.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]