Protesto de estudantes contra o bloqueio de verbas na Educação realizado na última semana. em Curitiba. Foto: Hedeson Alves/Gazeta do Povo
Protesto de estudantes contra o bloqueio de verbas na Educação realizado na última semana. em Curitiba. Foto: Hedeson Alves/Gazeta do Povo| Foto:

Reitores de universidades federais, centrais sindicais e organizações estudantis realizam nesta quarta-feira (15) uma paralisação nacional contra o governo de Jair Bolsonaro. Instituições de ensino e entidades organizam atos em 22 estados e no Distrito Federal. Até o fim do dia, estão programadas dezenas atividades e a Força Nacional realiza um esquema especial de segurança em frente ao edifício do Ministério da Educação (MEC), em Brasília.

A causa principal dos protestos é o bloqueio de 5% do orçamento anual do MEC, R$ 7,4 bilhões de um total de R$ 149 bilhões. Nas universidades públicas o congelamento de gastos atingirá 3,5% do orçamento total de cada instituição, 30% das chamadas verbas “não obrigatórias”. Caso “a reforma da Previdência seja aprovada e entre dinheiro em caixa”, afirmou o ministro da Educação Abraham Weintraub, o dinheiro será desbloqueado.

INFOGRÁFICO: Gráfico explica o congelamento nas verbas do MEC

Leia também: Cortes na Educação são péssimos. Mas narrativa do governo não é desprezível

Os bloqueios nas universidades públicas somam R$ 2 bilhões e, apesar de não chegarem a atingir salários, aposentadorias e outros gastos obrigatórios (cerca de 86% do orçamento de cada universidade), podem comprometer o funcionamento das instituições no segundo semestre. As verbas não obrigatórias incluem o pagamento de água, luz, material de escritório, investimentos em obras e reformas, etc.

As centrais sindicais aproveitaram a mobilização pela educação para se manifestar também contra a reforma da Previdência. Com isso, professores de escolas particulares também decidiram participar dos protestos.

Leia também: Professor chama Bolsonaro de “nazista” e faz campanha contra a reforma da Previdência

Entre os outros motivos para a paralisação desta quarta estão as críticas do Ministério da Educação aos cursos de humanas e o estudo do corte de recursos para essas graduações.

Resposta do governo

Nesta terça-feira, o ministro da Educação não descartou novos cortes na pasta por motivos econômicos - nem seu apoio caso isso seja necessário. Em evento com jornalistas, afirmou que depende de futuras decisões do Ministério da Economia, mas que protestará caso “eles forem contingenciar o contingenciado”.

“Sou economista”, disse. “É difícil ver alguém de um ministério social se recusando a atacar o ministério da Economia se ele estiver fazendo o trabalho dele. Eu vou bater de mão fechada se eles forem contingenciar o contingenciado. Eu tenho condição de saber se eles estão fazendo um trabalho direito”.

O ministro da Educação, Abraham Weintraub, foi "convocado" pelos deputados a prestar esclarecimentos sobre os cortes e estará no plenário da Câmara dos Deputados, nesta quarta-feira (15), a partir das 15 horas.

75 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]