i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Artigo

Ensino domiciliar não é política pública

  • 04/07/2020 17:03
Homeschooling não é política pública
Homeschooling não é política pública| Foto: Bigstock

Na exaustiva tarefa de desmontar mitos sobre ensino domiciliar que são reproduzidos em escala industrial nas redes sociais, um dos que aparecem com espantosa frequência é aquele que não questiona o mérito da causa, mas sim seu lugar numa hipotética lista de prioridades com as quais o país devia se preocupar. “Homeschooling não é prioridade” costuma ser o mantra invocado por aqueles que escolhem esse discurso, na esperança de parecerem equilibrados.

É preciso admitir que ele soa até compreensível para os mais desatentos, mas a verdade é que o argumento não resiste a uma análise séria, pois parte de uma premissa muito falsa, que é aquela que considera o ensino domiciliar como mais uma política pública educacional em meio a tantas outras, como num cardápio de opções.

Quando alguém invoca tal sentença, é quase infalível apostar que logo em seguida virão exemplos de políticas públicas com os quais o governo, o Congresso, a sociedade e até as famílias deveriam se preocupar “primeiro”. Na lista estarão reivindicações de melhores salários para os professores, de melhor distribuição dos recursos federais, de mais segurança nas escolas, de capacitações mais eficazes para o corpo docente, de metodologias mais inovadoras, etc. A conclusão dessa linha de raciocínio, portanto, é a de que seria possível substituir o interesse de educar em casa por outros que tornassem a escola mais atraente. Trocar uma política pública por outra, mais “urgente”.

O erro desse argumento está no fato de que ensino domiciliar não é política pública, nem nunca foi apresentado como tal por seus defensores mais relevantes. O governo federal não considera o tema dessa forma, nem os parlamentares autores de projetos de lei sobre o assunto, nem as associações de famílias, nem os juristas engajados na causa. Os únicos a tratarem o ensino domiciliar como política pública são seus opositores, justamente porque é apenas por meio dessa falácia que conseguem simular algum frágil bom senso quando se opõem ao tema.

A legalização do ensino domiciliar é uma questão de reconhecimento de direitos e quem se opõe, está se opondo ao direito das famílias. Essa é uma realidade constrangedora para os que hostilizam a modalidade em seus discursos e por isso mesmo deve ser mais conhecida. No debate público, é fácil escolher entre uma ou outra política como a melhor ou a que merece prioridade, mas são poucos os que estão dispostos a admitirem francamente que são militantes do rechaço a um direito.

O próprio Supremo Tribunal Federal tratou o ensino domiciliar como um direito – existente ou que poderia ser criado - quando discutiu, em 2018, se a modalidade era ou não contemplada pela Constituição. Portanto, não faz o menor sentido tentar desqualificar o homeschooling usando estudos que comprovam - real ou supostamente - que se atinge mais gente e se alcança melhores índices de desempenho investindo esforços e dinheiro em outras ações. São reivindicações de categorias completamente distintas e de forma alguma competem entre si.

A atitude de quem tenta substituir a causa da legalização do homeschooling por outras demandas é equivalente a de alguém que tentasse convencer às mulheres do início do século XX de que o direito ao voto não era tão importante assim, de que elas poderiam ser felizes sem votar e de que deveriam lutar por causas mais relevantes. Algo parecido pode-se dizer tomando-se como exemplo as pessoas com necessidades especiais, os idosos ou qualquer outra minoria que reivindicou um direito por anos, até conquistá-lo.

As famílias que educam em casa formam hoje uma das minorias mais perseguidas, discriminadas e indefesas do país. Portanto, embora tentem, aqueles que são contrários ao direito que essas famílias almejam não tem como se esconder muito tempo atrás do verniz de uma simples discordância democrática. Ao relegarem o pedido das famílias educadoras a um eterno patamar secundário, eles se tornam diretamente responsáveis pelo sofrimento que provocam a milhares de pais, mães e crianças, pois os condenam à permanente clandestinidade.

O que esses opositores à existência de uma lei para o ensino domiciliar têm feito é sim cruel e desumano. Isso precisa ser mais exposto.

* Jônatas Dias Lima é jornalista e assessor parlamentar na Câmara dos Deputados, onde atua junto à Frente Parlamentar em Defesa do Homeschooling. E-mail: jonatasdl@live.com

2 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 2 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.

  • G

    GUILHERMO BRASIL RASQUIN

    ± 7 horas

    Não é e também "não deve ser" controlado por políticas públicas.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • C

      Carmo Augusto Vicentini

      ± 3 dias

      Vamos expor mais uma coisa, que considero muito importante e faltou explicitar no texto: quem se opõe a esse direito legítimo do cidadão é a ESQUERDA. Como sempre atentando contra as liberdades individuais.

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso

      Fim dos comentários.