Safatle e Liga Operária

Evento na UERJ contra Bolsonaro: “Povo quer violência e passar na faca seus inimigos”

Esse conteúdo é exclusivo para assinantes Gazeta do Povo.

Assine agora

Esse conteúdo é exclusivo para Assinante Premium.

Assine agoraFaça o upgrade agora
Por Gazeta do Povo
  • [01/11/2019] [12:55]

O Brasil vive em uma “barbárie” e não existe outra saída que a revolução armada. Essa foi a mensagem principal de evento realizado no último dia 22 de outubro, na Universidade Estadual do Rio de Janeiro (UERJ).

“Esse país tem de ouvir que (...) não há mais outra saída, que não vai ter nenhuma saída conciliada, qualquer pessoa que tentar conciliar esse país vai ser atravessado com um trator nas costas”, disse o filósofo chileno Vladimir Saflate, professor na USP, para cerca de 250 pessoas em auditório na UERJ.

Segundo o jornal de esquerda “A Nova Democracia”, organizador oficial do evento, a reunião na UERJ tinha como objetivo fazer um balanço das “lutas populares”  frente ao “golpe militar contrarrevolucionário preventivo em marcha no Brasil” e os “ataques contra o povo” supostamente realizados pelo governo de Jair Bolsonaro e o Exército.

Publicidade

Em um dos discursos, um representante da Liga dos Camponeses Pobres (LCP) disse que o povo quer violência e passar na faca seus inimigos. Afirmou ainda que o Exército teria sido o causador de queimadas na Amazônia.

“Essas queimadas na Amazônia, quem promoveu? Os latifundiários de Bolsonaro, mas principalmente o Exército brasileiro, por dois motivos, o primeiro, queimar o Bolsonaro internacionalmente. E o segundo, aplicar a garantia da lei e da ordem (...) que todos os acampamentos nossos da Liga lá em Rondônia estão com a presença dos militares estacionados do lado, onde não tem nenhum foco de incêndio, mas está tudo cercado para poder combater a luta pela terra”.

E continuou:

“O povo não quer violência? Quer sim. O povo quer violência revolucionária, o povo quer luta, está sedento de passar na faca todos os seus inimigos”. E terminou: “Viva a luta anti-imperialista!”

Procurada pela reportagem, a UERJ não se pronunciou sobre o evento.

Publicidade

Principais Manchetes

Publicidade

+ na Gazeta

Noticías no celular

WhatsappMessengerRSS