i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
audácia

Jovens que andam em carroças criam robôs na África

Professor dos EUA quer mudar educação pela robótica. Meninas se destacam em competições no continente africano

    • The New York Times
    • 15/06/2016 16:51
    Estudantes consertam um robô durante a Competição Pan-Africana de Robótica | Sam Phelps/NYT
    Estudantes consertam um robô durante a Competição Pan-Africana de Robótica| Foto: Sam Phelps/NYT

    Um robô choca-se contra alguns blocos e quase cai no chão; outro vai de encontro a uma parede; o terceiro gira vertiginosamente em círculos.

    Quando o robô construído pelas alunas de uma escola só para garotas finalmente atravessa um labirinto, fazendo as curvas com perfeição e tocando todas as bandeiras necessárias, a multidão enlouqueceu.

    As garotas estavam entre os alunos de 25 escolas que se reuniram em Dakar, no Senegal, para participar da segunda Competição Pan-Africana de Robótica, que acontece todos os anos.

    Mas há desafios. O acesso à internet é caro e as escolas em algumas áreas não têm eletricidade.

    Durante cinco dias, em uma cidade onde carroças puxadas a cavalo ainda são vistas em muitas estradas não pavimentadas, meninos e meninas do sexto ano do ensino médio, acampados, se debruçavam sobre laptops e tablets, inserindo códigos para orientar seus pequenos robôs azuis através de um labirinto destinado a testar suas habilidades no último dia da competição.

    O evento foi organizado por Sidy Ndao, um senegalês que é professor de Engenharia na Universidade de Nebraska-Lincoln, nos Estados Unidos, e que se impôs a missão de ajudar ainda mais a ciência, a tecnologia, a engenharia e a educação matemática, conhecidas como habilidades STEM, na África Ocidental.

    Nos Estados Unidos, a necessidade de mais educação STEM é o discurso de muitos economistas e líderes empresariais. Eles enfatizam que melhorar essas competências ajudará o país a criar mais empregos, competir melhor globalmente e aumentar seu crescimento econômico.

    O mesmo vale para o Senegal e toda a África Ocidental, disse Ndao, onde incorporar a educação STEM pode ajudar a definir um caminho para melhorar tudo, desde sistemas de saneamento até agricultura, e pode criar postos de trabalho em um lugar com altas taxas de desemprego.

    “Há muito trabalho a ser feito aqui”, disse Ndao, 33 anos.

    As escolas da região já enfatizam a matemática e a ciência. A escola só de meninas na competição, a Mariama Bâ de Gorée, é conhecida como uma das melhores em matemática no Senegal. Embora algumas das que ficam fora do Dakar, a capital, ainda não tenham eletricidade, muitas instituições particulares da cidade têm laboratórios de informática, clubes de matemática e ciências e maior oferta de cursos de tecnologia do que no passado.

    Mas Ndao disse que as escolas por vezes enfatizam a decoreba, em vez de focar na aprendizagem contextual. Os alunos não conectam as teorias que aprendem com experiências práticas, argumentou ele.

    “Temos crianças educadas em escolas de matemática e ciências que quando veem um avião voando, pensam que é mágica, mas se você lhes der qualquer problema de matemática, conseguem resolvê-lo”, disse Ndao.

    Em algumas fazendas dos EUA, tratores sem motoristas, controlados por satélite, estão sendo testados para aumentar a eficiência dos agricultores. Em partes do Senegal, os agricultores podem ser vistos curvados sobre os campos com arados puxados a cavalo.

    História de superação

    Ndao estudou no Senegal até a adolescência, completando com dificuldade a escola fundamental, mas teve um clique e percebeu que a matemática era a sua área.

    Seus pais queriam lhe dar uma educação melhor, então ele foi para Nova York, onde morou com um parente e se matriculou no ensino médio. Ndao disse que rapidamente virou um dos primeiros da classe e ganhou uma bolsa de estudos para o City College de Nova York, onde estudou Engenharia Mecânica.

    Mas havia um porém: estava nos Estados Unidos ilegalmente. “As pessoas queriam me contratar, mas eu não tinha documentos”, disse.

    Mesmo sendo autor de uma tese reconhecida e elogiada, ao terminar a faculdade Ndao foi trabalhar varrendo corredores de uma lojinha no Bronx.

    Por fim, entrou em um programa de mestrado no City College, e completou seu doutorado e pós-doutorado no Instituto Politécnico Rensselaer de Nova York e no Instituto de Tecnologia de Massachusetts. Ele explicou que a questão de documentação foi resolvida quando se casou com uma americana, acrescentando que agora tem um “green card”.

    Na Universidade de Nebraska, Ndao, que é fã de nanotecnologia, se dedica às coisas bem pequenas e como elas transferem calor. Está pesquisando como o calor, e não a eletricidade, pode ser usado para cálculos na exploração espacial.

    Tendo se estabelecido em Lincoln, onde vive com a esposa e cinco filhos, Ndao agora quer ajudar crianças da África Ocidental a compreender como a matemática e a ciência podem melhorar seu país. Ele convenceu a Universidade de Nebraska a ajudar a patrocinar o evento de robótica.

    No Senegal, empresários e autoridades do governo estão abraçando a ideia de aperfeiçoar a área de STEM. Um centro de tecnologia está sendo construído em uma nova cidade perto de Dakar, e terá instalações de treinamento e pesquisa. Clubes de codificação para meninas e mulheres estão surgindo no país e em toda a região.

    A senegalesa Arame Coumba Dieng disse que havia entendido a codificação dos robôs com facilidadeSam Phelps/NYT

    Mas há desafios. O acesso à internet é caro e as escolas em algumas áreas não têm eletricidade.

    O acampamento e a competição de Ndao ainda estão se desenvolvendo. Apesar do título Pan-Africano, as escolas que enviaram alunos este ano para o evento em Dakar eram todas do Senegal, algo que Ndao espera que mude.

    O evento teve como objetivo unir as sociedades agrícolas de Nebraska, estado conhecido pela produção de milho, e o Senegal, conhecido pelo amendoim.

    Em algumas fazendas dos EUA, tratores sem motoristas, controlados por satélite, estão sendo testados para aumentar a eficiência do trabalho dos agricultores. Em partes do Senegal, os agricultores podem ser vistos curvados sobre os campos com arados puxados a cavalo.

    “Podemos mudar nosso futuro se aprendermos mais sobre a tecnologia”, disse Joanna Kengmeni, uma das alunas no acampamento.

    Lá, os alunos construíram robôs a partir de um kit, aprenderam a programá-los e então criaram modelos de fazendas do futuro que utilizariam esses robôs. Uma equipe criou um robô com um ventilador que poderia esfriar as colheitas quando o calor for muito grande, ou pelo menos monitorar temperaturas, disseram os estudantes. Outra equipe planejava usar o robô para remoção de ervas daninhas.

    Outra aluna no acampamento, Arame Coumba Dieng, que usava um lenço na cabeça e uniforme rosa, disse que havia entendido a codificação com facilidade.

    “Para mim, não é difícil. Basta concentração”, disse ela.

    Os pais de Arame tiveram educação religiosa, mas não frequentaram uma escola tradicional para aprender matemática e ciências; por isso, resolveram mandá-la para Dakar para estudar no Lycée de Thiaroye. Um funcionário de lá a descreveu como Miss Matemática.

    “Eu adoro matemática”, disse ela.

    Arame disse que não sabia como iria alcançar seu objetivo de se tornar engenheira, pois precisa equilibrar os sonhos com o retorno à sua aldeia natal depois que se formar para ajudar os pais, que mal têm dinheiro para sobreviver.

    Deixe sua opinião
    Use este espaço apenas para a comunicação de erros
    Máximo de 700 caracteres [0]

    Receba Nossas Notícias

    Receba nossas newsletters

    Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

    Receba nossas notícias no celular

    WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

    Comentários [ 0 ]

    O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.