Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
Uma passagem do livro “É Bom Ser Você Mesmo”, escrito por Theresa Thorn e ilustrado por Noah Grigni.
Uma passagem do livro “É Bom Ser Você Mesmo”, escrito por Theresa Thorn e ilustrado por Noah Grigni.| Foto: Reprodução

As escolas públicas do condado de Loudoun, no estado da Virgínia, nos Estados Unidos, mantêm quatro cópias de um livro ideológico sobre identidade de gênero para crianças em suas bibliotecas de escolas primárias. A informação é da própria rede de ensino estatal.

>> Faça parte do canal de Vida e Cidadania no Telegram

Escrito por Theresa Thorn, o livro “É tão bom ser você mesmo” descreve os termos “sexo atribuído no nascimento”, “intersexo”, “identidade de gênero”, “expressão de gênero”, “cisgênero", “transgênero” e “não binário” para crianças. Um resumo na Amazon afirma que a publicação é destinada a crianças de 4 a 8 anos.

“É meu desejo que este livro ajude as crianças a compreender melhor a si mesmas e aos outros”, escreve Thorn na apresentação da obra. “Este livro é para crianças trans, crianças cis, crianças não binárias, crianças fluidas de gênero, crianças expansivas de gênero, crianças questionadoras e todas as crianças, em todos os lugares.”

Os royalties do livro vão para a organização LGBTQ Gender Spectrum, de acordo com o marido de Thorn. A publicação também faz propaganda para várias organizações conhecidas como “progressistas radicais” (na verdade, propagam retrocesso nos costumes) que oferecem “recursos úteis” para jovens leitores, incluindo a Human Rights Campaign, a Trans Youth Equality Foundation e GLAAD, originalmente o Gay & Lesbian Alliance Against Difamation.

Wayde Byard, representante da rede estadual de ensino do Condado de Loudoun, confirmou que o sistema escolar tem quatro exemplares de “É tão bom ser você mesmo” nas bibliotecas do ensino fundamental. Segundo Byard, o livro é uma “seleção de leitura opcional”.

Loudoun fica a aproximadamente 70 quilômetros de Washington, é uma das jurisdições mais ricas do país e o quarto condado mais populoso da Virgínia. O sistema escolar do condado chamou a atenção nacional por causa de suas políticas radicalmente “progressistas” e também por casos de agressões a estudantes.

Ian Prior, diretor executivo da Fight for Schools, uma organização que luta contra o conteúdo radical nas escolas, criticou o sistema de escolas públicas.

“Este livro não é sobre tratar as pessoas com gentileza, é sobre encorajar as crianças a questionarem seu gênero antes que sejam capazes de ler com proficiência, multiplicar e dividir e conhecer as capitais dos estados”, disse Prior.

“Além disso, este livro, e outros semelhantes, promove uma ideologia que muitos pais considerariam questionável que fosse imposta a seus seus filhos em escolas públicas, especialmente quando são crianças pequenas.”

Prior acrescentou que o Estado não deveria financiar esse tipo de livro em escolas públicas e que os pais podem comprar a publicação para seus filhos, se desejarem.

“Financiá-los com os dólares do contribuinte e disponibilizá-los para que qualquer criança os pegue desavisadamente na prateleira é mais um exemplo de que a rede pública de ensino de Loudoun está se intrometendo em assuntos que os pais devem tratar em casa”, disse ele.

“Garota é a identidade de gênero de Ruthie”

“Esta é Ruthie”, o livro começa. “Ela é uma garota transgênero. Isso significa que quando ela nasceu, todos pensaram que ela era um menino. Até que ela cresceu um pouco e ficou mais velha - velha o suficiente para dizer a todos que ela é na verdade uma menina. Garota é a identidade de gênero de Ruthie.”

“Este é o irmão de Ruthie, Xavier”, continua o livro. “Xavier é um menino cisgênero. Isso significa que, quando Xavier nasceu, todos pensavam que ele era um menino e, à medida que ele crescia, descobriu-se que todos estavam certos - ele é um menino. O menino é a identidade de gênero de Xavier. ”

Thorn disse publicamente que ela é a mãe de uma criança transgênero, e o marido de Thorn, Jesse, descreveu nas redes sociais como planejam iniciar a transição médica de seu filho de 9 anos neste ano.

“Se você não tem certeza do que quero dizer quando digo que meu filho é transgênero, deixe-me explicar”, escreveu Theresa Thorn em 2019. “Meu filho primogênito foi designado homem ao nascer, mas transicionou socialmente para mulher aos 5 anos.”

É tão bom ser você mesmo” é ilustrado pelo ativista transgênero e tatuador Noah Grigni, que foi influenciado pelo “futurismo queer, realismo mágico, sonhos e subconsciente”.

“Eu tinha 14 anos quando me tornei trans e tenho sorte de ter pais que me ouviram e me defenderam quando os outros não o fizeram”, escreve Grigni em uma nota para o livro.

“Precisamos de mais livros com protagonistas trans”, continua o ilustrador. “A população trans é tão diversa quanto a população humana, e nenhum livro poderia conter todas as nossas histórias. Caro leitor, depende de você continuar este trabalho, reescrever essas definições, compartilhar suas histórias e construir um futuro mais expansivo do que podemos imaginar. ”

“Não binário é uma palavra útil”

Thorn escreve que existem “tantas maneiras diferentes de ser menino ou menina - muitas para caber em um livro”.

“Mas nem todo mundo se sente menino ou menina”, escreve o autor. “Não binário é uma palavra útil que pode descrever uma criança que não se sente exatamente como um menino ou uma menina.”

Thorn então descreve “Alex”, uma criança que é “menino e menina”, escrevendo: “Quando Alex nasceu, todos pensavam que Alex era uma menina, mas Alex é menino e menina. Esta é a identidade de gênero de Alex. ”

Em seguida, o autor descreve “JJ”, uma criança em uma cadeira de rodas.

“JJ não é menino nem menina”, escreve Thorn. “Desde que JJ era bem pequeno, ele nunca se sentiu exatamente como um menino ou uma menina - ele se sentia como ele mesmo. Esta é a identidade de gênero de JJ. ”

O autor diz aos leitores que não importa se eles se sentem menino ou menina, os dois ou nenhum.

“Se você se descreve de outra forma, essa é sua identidade de gênero”, escreve Thorn. “Sua identidade de gênero pode corresponder ao que as pessoas pensavam quando você nasceu. Ou talvez não. ”

“Veja, quando você nasceu, você não podia dizer às pessoas quem você era ou como se sentia”, continua o livro, ao lado de uma ilustração de um bebê recém-nascido.

“Eles olharam para você e deram um palpite”, continua o livro. “Talvez eles tenham entendido direito, talvez eles tenham entendido errado. A aparência do corpo de um bebê quando ele nasce pode ser uma pista de qual será o sexo do bebê, mas nem sempre. Quando as pessoas erram, não há problema em avisá-las. Ruthie tinha 5 anos quando contou aos pais. Ops! Ruthie era uma menina o tempo todo - eles simplesmente não sabiam disso no início.”

Thorn incentiva os leitores a ouvirem seus corações e a saberem que “você está bem exatamente do jeito que está. E você é amado.”

“É bom ser VOCÊ MESMO, não é?” o livro conclui.

©2021 The Daily Signal. Publicado com permissão. Original em inglês.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]