Seu app Gazeta do Povo está desatualizado.

ATUALIZAR

PUBLICIDADE

doutrinação

Ministério Público se recusa a investigar “Fora Temer” com crianças em escola 

Para promotor, atividade feita em escola pernambucana tem a ver com a “liberdade de cátedra” 

  • Gabriel de Arruda Castro
Crianças exibem cartazes contra o governo em Cabrobó (PE): atividade em sala de aula | Reprodução
Crianças exibem cartazes contra o governo em Cabrobó (PE): atividade em sala de aula Reprodução
 
0 COMENTE! [0]
TOPO

O Ministério Público Federal arquivou uma representação sobre o uso de alunos de uma escola pública em protesto contra o presidente Michel Temer e a PEC 241, que limitou o crescimento dos gastos do governo. 

O caso aconteceu em novembro de 2016, em uma escola indígena no povo Truká, em Cabrobó (PE). Orientadas por professores, crianças – aparentando estar nos anos iniciais do ensino fundamental – produziram cartazes e pintaram os rostos com os dizeres “Fora Temer” e “Não à PEC 241”. 

Uma representação anônima foi encaminhada ao Ministério Público e pedia apuração sobre o uso político das crianças “em razão do estado de vulnerabilidade das crianças do ensino infantil de escolas indígenas participantes do evento”. 

Mas o procurador André Estima, responsável pelo caso, alegou que “os fatos deram-se no âmbito legítimo da liberdade de cátedra, da liberdade de expressão e do pluralismo de ideias e de concepções pedagógicas, bem como do limite da autodeterminação dos povos indígenas". Ele pediu o arquivamento da representação, o que foi aceito de forma unânime pela Câmara de Populações Indígenas e Comunidades Tradicionais do Ministério Público Federal. 

Estima argumentou também que o o Estatuto da Criança e do Adolescente prevê o direito à liberdade de opinião e de participação na vida política às crianças.

O procurador afirmou ainda que o caso é uma “manifestação legítima de direitos fundamentais albergada pela Constituição, pelo Direito Internacional e pelas leis brasileiras”. 

Na época em que o caso veio à tona, o ministro da Educação, Mendonça Filho, condenou a atitude da professora: “É deplorável e inaceitável”, disse em entrevista à rádio Jornal de Pernambuco.

8 recomendações para você

deixe sua opinião

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE