i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
análise

Por que é democrático escolher o reitor menos votado

  • PorGabriel Castro, especial para a Gazeta do Povo
  • 19/03/2019 10:42
Foto: Pixabay.
Foto: Pixabay.| Foto:

A depender das intenções do Ministério da Educação, a eleição de reitores é um dos temas que têm maior potencial para gerar quedas de braço entre o novo governo e as universidades federais. O Executivo está disposto a não escolher o nome mais votado da lista tríplice em alguns casos, o que quebraria um costume potencializado no governo Lula. Mas, apesar da possível reação em algumas alas da academia, a medida é perfeitamente legal e, pelo menos em alguns casos, justificável.

DIÁRIO DE CLASSE: O mínimo que você precisa saber para entender o que acontece dentro de escolas e universidades

No regime militar, que Jair Bolsonaro elogia com entusiasmo, a escolha dos reitores das universidades federais cabia apenas ao governo, sem qualquer tipo de consulta à comunidade acadêmica. Por vezes, o escolhido era alguém sem familiaridade com a instituição de ensino que chefiaria. Uma mudança significativa no modelo de indicação só surgiu em 1995, quando uma lei federal definiu que as próprias universidades promoveriam eleições. Os três nomes mais votados seriam submetidos ao presidente da República, que indicaria um deles para assumir o posto. A regra estabelecia ainda que os professores deveriam ter pelo menos 70% de peso nas votações.

Desde o governo Lula, a praxe é optar pelo primeiro nome da lista tríplice, sem a obediência, nas consultas à comunidade, do peso de 70% para os professores. Bolsonaro, que enxerga as universidades como instrumento de grupos de esquerda que se opõem a seu governo, não pretende manter a tradição.

E este é um direito dele.

Leia também: Ex-reitor da UFRJ é condenado por crime de peculato

As universidades públicas têm autonomia, mas isso não significa total independência. Elas devem satisfações ao contribuinte, que banca a (salgada) conta dessas instituições de ensino, e aos representantes eleitos pelo voto popular. Professores, funcionários e alunos ingressam por concurso, e não por sufrágio. Por isso, é razoável considerar que o governo federal deve ter sua palavra no processo de sucessão dos reitores.

O professor de Direito da Universidade de São Paulo Elival da Silva Ramos diz que a postura do novo governo é legal. “Juridicamente, não há qualquer problema. Se o governo optar por um nome que não seja o mais votado da lista tríplice, não há o que ser questionado”.

O costume de nomear o candidato mais votado pode ser elogiado por respeitar a autonomia universitária. Em princípio, professores, funcionários e estudantes conhecem melhor a realidade do campus do que os burocratas de Brasília. Por outro lado, quando grupos políticos se apropriam do processo eleitoral e impedem o livre debate de ideias, não seria o caso de o governo federal participar de forma mais ativa?

Países desenvolvidos adotam soluções diversas para a indicação dos dirigentes de universidades públicas. Mas, no geral, a participação do poder público é praxe.

Nos Estados Unidos, que tem as melhores instituições de ensino do mundo, as grandes universidades públicas são geridas pelos estados. A do Michigan, uma das maiores e mais prestigiadas, preenche seu cargo mais alto (equivalente ao reitor) em votação do conselho da entidade, que por sua vez é eleito em votação aberta à população geral, a cada dois anos. A Universidade da Califórnia, que controla instituições como Berkeley e a UCLA, tem seu presidente indicado diretamente pelo governador. A Universidade Estadual de Nova York (SUNY) elege seu dirigente máximo por meio de um conselho com 18 membros – 15 deles nomeados pelo governador.

Leia também: UFMG quer contratar professor para disciplina LGBTI e teoria queer

Não é absurdo, portanto, que o governo tenha a palavra final. Para o professor Elival, entretanto, a legitimidade jurídica não significa que o governo não terá problemas. O abuso desse direito pode gerar atritos desnecessários. “O importante é que a decisão seja bem-fundamentada e explicada, e que o escolhido tenha tido um percentual de votos que lhe dê legitimidade”, diz ele.

Os professores já dão sinais de insatisfação. Eblin Farage, secretário-geral do Sindicato dos Docentes do Ensino Superior (Andes), criticou a possibilidade de escolha. Em janeiro, quando o tema veio à tona, ele disse que haverá “enfrentamentos” caso o governo não escolha o mais votado nas listas tríplices. “As consultas já são ações limitadas e pouco democráticas e nenhum governo mudou isso. Nós vamos fazer os enfrentamentos necessários para garantir que as consultas sejam respeitadas”, disse ele, em declaração divulgada pela entidade.

Há outro obstáculo de natureza prática aos planos de Bolsonaro: é comum que os concorrentes façam um acordo de cavalheiros para não aceitar a nomeação caso o presidente desrespeite a ordem de votação. O costume pode ganhar força como uma forma de enfrentamento ao governo.

Métodos alternativos

Durante a transição, o grupo de trabalho de Bolsonaro discutiu mudanças significativas no formato de eleição de reitor e acabar com o sistema de lista tríplice. Um dos objetivos seria profissionalizar a escolha. “No mundo todo se fazem comitês de busca, e em alguns países o reitor passa também por um processo de avaliação por conselhos ou por elementos ligados à educação do governo. A gente tem como evoluir nesse quesito", afirma Stavros Xanthopoylos, professor da Fundação Getúlio Vargas e um dos coordenadores do programa de governo na área de educação.

O sociólogo Antonio Flávio Testa, que também participou do grupo de trabalho de Bolsonaro, diz não ter opinião formada sobre uma mudança no sistema de eleição. Ele afirma, entretanto, que em muitas universidades a votação para reitor não seleciona o nome mais preparado, mas o que tem mais capacidade de mobilizar militâncias partidárias. “A maioria das universidades estão aparelhadas contra o governo Bolsonaro. Não digo todas, mas a maioria. E as eleições são um jogo político, com filigranas que fazem com que o jogo seja direcionado por quem tem o controle”, afirma.

Uma mudança mais radical no modelo de sucessão, entretanto, exigiria o aval do Congresso Nacional via projeto de lei. E esta batalha não está entre as prioridades do governo.

Leia também: Em trote, alunos de História intimam calouros a gritar mensagens de ódio contra Bolsonaro

>>>READ IT ON WISE UP NEWS<<<

8 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 8 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.

  • A

    Afonso Celso Frega Beraldi

    ± 0 minutos

    So da comuna ganhando estas eleições academicas

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • M

      Marco Aurelio Borges

      ± 3 horas

      Não é democrático, mas é justo pelo bem do País, todas sem exceção viraram braço da esquerda, lutam por mais Estado e menos privado, para com um Estado inchado barganharem altos salários e enganar o povo com o mote da educação gratuita.

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso

      • E

        EDSON - Sítio Cercado

        ± 4 horas

        Democrático não é mas se está previsto em lei é LEGAL. Eu já estudei na UFPR e sei da lavagem que fazem na cabeça dos estudantes. O Presidente é quem deveria escolher os Reitores da sua confiança, e sem ideologias.

        Denunciar abuso

        A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

        Qual é o problema nesse comentário?

        Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

        Confira os Termos de Uso

        1 Respostas
        • D

          Decio mango

          ± 2 horas

          Sem contar que o nobre reitor esquerdopatica do UFPr tem dezenas de processo contra ele...sem contar aquele de colocar sua mulher sua sócia no escritório de advocacia para dar aula na federeca

          Denunciar abuso

          A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

          Qual é o problema nesse comentário?

          Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

          Confira os Termos de Uso

      • G

        Gilvan Alves

        ± 4 horas

        Pra começar, nem eleição deveria ter, e sim um comitê de busca como é feito em instituições sérias.

        Denunciar abuso

        A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

        Qual é o problema nesse comentário?

        Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

        Confira os Termos de Uso

        • M

          Massaro Myamoto

          ± 5 horas

          Fora reitor apoiador do MST! Queremos uma universidade sem vermelhinhos.

          Denunciar abuso

          A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

          Qual é o problema nesse comentário?

          Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

          Confira os Termos de Uso

          • N

            Neto

            ± 5 horas

            Um governante ou executivo de verdade não pode abrir mãos de suas prerrogativas, nem ter receio de quebrar paradigmas. Além disso, se submeter a "tradições" criadas a partir do governo Lula é piada.

            Denunciar abuso

            A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

            Qual é o problema nesse comentário?

            Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

            Confira os Termos de Uso

            • E

              EMILIO JOSE SCHEER NETO

              ± 6 horas

              Universidade não é uma democracia.

              Denunciar abuso

              A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

              Qual é o problema nesse comentário?

              Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

              Confira os Termos de Uso

              Fim dos comentários.