Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
Imagem de 1º de setembro, no volta às aulas na Franca, após as férias de verão.
Imagem de 1º de setembro, no volta às aulas na Franca, após as férias de verão.| Foto: AFP / Damien Meyer

“A maior ruptura na história da educação”. Foi assim que Hans Kluge, diretor regional para a Europa da Organização Mundial de Saúde (OMS), descreveu o período prolongado de aulas presenciais suspensas em todo o mundo. Aproximadamente 1,6 bilhão de crianças em 190 países foram, de alguma forma, impactadas em sua formação escolar por causa da pandemia da Covid-19, segundo dados da OMS.

Com a dificuldade de se adaptar para oferecer aulas remotas capazes de preservar a qualidade do aprendizado para crianças e adolescentes, dezenas de países entraram em uma crise educacional cujas consequências, conforme apontam entidades como a Unesco e a OCDE, pode durar mais de uma década. No Brasil, poucos dias após a OMS declarar a pandemia do novo coronavírus, escolas públicas e particulares de todo o país suspenderam suas atividades. Desde então, passaram-se seis meses, e o país vem dando passos lentos para o retorno às atividades - atualmente a maioria dos estados segue sem aulas presenciais. Na sexta-feira (18), o Ministério da Saúde divulgou um documento com orientações para a retomada das aulas, mas o manual serve apenas para orientar as ações das escolas. A decisão pelo retorno efetivo às aulas é de responsabilidade dos estados e municípios.

Os efeitos da pandemia na educação foram sentidos das mais diversas formas por diferentes nações (veja abaixo). Se por um lado a Itália, que definiu a suspensão temporária das aulas logo na primeira semana de março, decidiu retomar as atividades escolares somente em setembro, há casos como a Dinamarca, que paralisou as aulas no dia 11 de março, mas voltou um mês depois, em 15 de abril. Há casos mais raros, como a Suécia, que suspendeu temporariamente apenas o ensino médio e superior e manteve os demais anos em funcionamento.

Para entender as experiências de outras nações processo de retomada das atividades escolares, a consultoria Vozes da Educação realizou um estudo com 20 países.

Embora nem todas as nações, de fato, já tivessem retomado as aulas até o final de agosto, período de conclusão do estudo, o levantamento analisou como esses países consideram diversas variáveis ao tomar uma decisão, como medidas sanitárias, comunicação dos governos com a sociedade, avaliação das curvas de contágio e até mesmo o nível de impacto da resistência da opinião pública quanto à reabertura das escolas.

Entre os avaliados, sete tiveram resultado considerado satisfatório na reabertura, isto é, as escolas reabriram e não registraram contaminação que saísse do controle entre alunos e professores: Alemanha, China, Dinamarca, França, Nova Zelândia, Portugal e Singapura.

Por outro lado, Israel e África do Sul tiveram resultados considerados insatisfatórios, ou seja, houve um alto número de contaminações na comunidade escolar. Com isso, foi feita a reavaliação da abertura.

Já Chile, Estados Unidos, Nigéria e Uruguai foram classificados como “Cedo para avaliar”, já que suas escolas reabriram menos de 30 dias antes do encerramento do estudo e ainda não havia dados para saber se ocorreu ou não contaminação de alunos e professores.

Na Itália, Canadá, Argentina, Peru e Índia, as escolas ainda não tinham sido reabertas no final de agosto. Já a Suécia teve apenas suspensão parcial das aulas do ensino médio e das universidades.

Por fim, o ano letivo foi encerrado na Bolívia e só retornará as aulas em 2021.

Pontos de sucesso em comum na retomada das aulas

O relatório identificou pontos em comum entre alguns dos países que obtiveram retorno satisfatório na retomada das atividades escolares presenciais:

  • Curva de contágio estável ou decrescente: A reabertura das escolas aconteceu somente quando a curva de contágio estava em fase decrescente ou estabilizada em níveis não elevados.
  • Medidas sanitárias e distanciamento social implementados com bons resultados: Higienização constante da escola, distanciamento físico entre os alunos, diminuição do número de estudantes por sala e alternância de horários de entrada e saída e uso obrigatório de máscaras. Dinamarca e Nova Zelândia foram as exceções entre países com reabertura satisfatória que não contaram com esta medida.
  • Monitoramento e contenção dos casos isolados: Mesmo em países com abertura satisfatória, como Alemanha e França, houve fechamento pontual de escolas e isolamento de estudantes que tiveram a Covid-19. Contudo, isso representou um percentual pequeno da rede. O relatório destaca a necessidade de se monitorar os casos nas escolas e se ter planos de contingência para conter possíveis surtos.
  • Ótima comunicação e transparência dos governos: Pronunciamentos públicos para responder dúvidas, divulgação de guias com boas práticas a serem adotadas, critérios do retorno divulgados e explicados para a população, entre outras estratégias de comunicação.
  • Redução da resistência da opinião pública: Ressalvas iniciais aos planos de reabertura foram identificadas em alguns países, mas a adesão do retorno aumentou quando: 1) o governo convidou os sindicatos para participar da construção do plano de retomada (nos casos de Itália e Uruguai) e 2) a abertura gradual foi implementada com bons resultados (nos casos de França e Dinamarca).
  • Medidas para grupos de riscos: De forma geral, os sindicatos reivindicaram políticas específicas para os profissionais da educação pertencentes aos grupos de risco. Alguns países que tiveram retorno satisfatório e apoio dos professores, como Dinamarca e Nova Zelândia, criaram políticas específicas para esses profissionais. As respostas dos governos variaram entre a possibilidade de esses professores continuarem com ensino remoto ou licença remunerada. Países com boas notas no Programa Internacional de Avaliação de Alunos (PISA) tenderam a abrir as escolas simultaneamente ao comércio ou até mesmo antes (casos de Singapura e Dinamarca – países posicionados em 2º lugar e 18º, respectivamente, no PISA).

Outro ponto importante do estudo é que, nesses países, houve resistência moderada ou alta por parte da opinião pública, mas ainda assim eles priorizaram a reabertura das escolas.

Percebeu-se também que medidas mais sofisticadas, como testagem em massa e medição de temperatura, não necessariamente foram realizadas em países com reabertura satisfatória.

A fundadora do Vozes da Educação, Carolina Campos, destaca a importância de analisar as experiências no exterior ao levar em conta o retorno às aulas no Brasil. “Mesmo com a grande preocupação em reforçar a higiene, entendemos que isso não é o suficiente. O determinante a ser levado em conta na retomada das aulas é o distanciamento social. Países que obtiveram bons resultados reduziram turmas e/ou escalonaram os horários de entrada, intervalo e saída para evitar o acúmulo de pessoas se encontrando ao mesmo tempo”, aponta.

Carolina explica que a estratégia das bolhas, em que as turmas permanecem sempre com o mesmo professor, foi efetiva. “Isso é mais fácil para crianças menores. Nos anos mais avançados, nossa recomendação tem sido definir o professor de uma disciplina para cada turma presencial, enquanto as outras disciplinas continuam sendo feitas a distância”.

Experiências internacionais na volta às aulas

Saiba como foi a experiência de reabertura em nove países. Com exceção da Nova Zelândia, África do Sul e Chile, as nações listadas ficam no Hemisfério Norte, em que o verão vai do final de junho até setembro. O ano letivo não coincide com o do Brasil, já que começa após as férias de verão, em agosto ou setembro, e termina em junho do ano seguinte.

Alemanha

Um dos países europeus que obteve melhores resultados na administração da crise, a Alemanha apostou em uma política de testes em massa na população, o que contribuiu para evitar a saturação do sistema hospitalar – em alguns estados, a capacidade de hospitais destinados ao coronavírus não atingiu 50%, o que permitiu que o país recebesse pacientes de outras nações europeias.

A Alemanha suspendeu as aulas no dia 16 de março, quando somava menos de 5 mil casos. Em seguida, o país passou por um rápido crescimento nas contaminações, que foi contornado em algumas semanas com grande parte da população atendendo às recomendações do Ministério da Saúde local.

Passados 35 dias do fechamento das escolas, as aulas retornaram parcialmente no dia 20 de abril, priorizando alunos dos últimos anos do ensino médio, pois eles precisavam fazer provas para acesso às universidades.

Nessa primeira etapa de abertura, foram identificados casos isolados de contágio, mas não houve surtos significativos. As instituições que apresentaram casos positivos fecharam temporariamente ou conduziram os contaminados à quarentena. O retorno integral do sistema de ensino no país aconteceu no início de agosto, após as férias de verão.

Eugenius Golla, que reside na cidade de Colônia, no oeste do país, tem três filhos em idade escolar: Linda, de 10 anos, Mark, de 12, e Yara, de 16. Ele explica que as escolas aderiram a medidas drásticas para evitar a transmissão da Covid-19 e, até agora, nenhum colégio em seu estado fechou desde a reabertura em decorrência de surtos pontuais, apesar de haver casos em outros estados. “No nosso estado há sanções bem rigorosas. As medidas foram realmente drásticas porque as escolas, de início, tiveram dificuldades em cumprir todas as medidas, mas depois as coisas foram se organizando”, conta.

Golla explica que a presença nas aulas é obrigatória. São dispensados somente alunos que tenham algum problema de saúde mais sério - mediante comprovação médica - e aqueles que apresentam sintomas de doenças respiratórias.

Esse foi o caso de Mark, um dos filhos de Eugenius. No mesmo dia em que concedeu entrevista para a Gazeta do Povo, o menino havia sido diagnosticado com gripe e, mesmo após a confirmação de que não era Covid-19, ele precisou ficar uma semana em casa até que passassem os sintomas.

De acordo com o Levantamento Internacional da Retomada das Aulas, após a reabertura total, em agosto, duas escolas alemãs foram fechadas no estado de Mecklenberg, após a contaminação por de um professor e de um aluno. Com isso, 988 alunos e 55 professores precisaram ficar em quarentena. Em Berlim, capital do país, 41 das suas 858 escolas (4,77% do total) apresentaram casos – alunos e professores infectados foram isolados, e algumas escolas fecharam.

As contaminações na Alemanha voltaram a subir em julho. O governo afirmou que os estados estão adotando regulações diferentes uns dos outros, o que tem prejudicado o combate ao vírus.

China

No país onde houve o primeiro caso do novo coronavírus, as atividades escolares presenciais foram paralisadas em 24 de janeiro. Com o mundo de olho nos desdobramentos da crise na China, o país optou por retornar às aulas de forma parcial - apenas o ensino médio - entre o final de maio e início de junho, mesmo com a grande desaceleração nas contaminações que teve início em fevereiro. O comércio chinês retornou ainda em março.

A educação infantil e o ensino fundamental ficaram com as atividades suspensas por quase sete meses e só voltaram no início de setembro, após as férias de verão.

A China foi um dos países que mais recorreu à tecnologia para conter a transmissão do vírus nas instituições de ensino. Em algumas escolas do país, foram instaladas câmeras infravermelhas na entrada das instituições para identificar alunos com febre. Em outras, os alunos receberam uma pulseira eletrônica conectada a um aplicativo de celular que detecta febre e, em caso positivo, informa imediatamente pais e professores.

Agora, o governo chinês considera a crise do coronavírus praticamente superada: a média de contaminações no mês de setembro é inferior a 20 casos diários, e em vários dias do mês não houve registro de nenhum óbito.

França

A França suspendeu as aulas em 16 de março, quando o país ainda estava no início do ciclo de contaminações, com pouco mais de 6 mil casos.

A volta às aulas ocorreu 56 dias depois. Em 11 de maio, as creches e o ensino primário foram autorizados a retornar e, em 18 de maio, o mesmo ocorreu nos demais anos, em paralelo à abertura do comércio, época em que a curva de contágio havia passado por uma redução significativa. Nessa etapa, o retorno era voluntário e os alunos que não voltassem à escola poderiam continuar no ensino remoto.

Na primeira semana de reabertura, em maio, foram identificados 70 novos casos nas escolas, e sete delas foram fechadas. Depois disso, não foram identificados mais casos de nova suspensão das atividades nas instituições de ensino e também não houve picos de contágio, mesmo com o retorno obrigatório de todos os alunos em junho.

Após o fim das férias escolares, no início de setembro teve início o novo ano letivo no país, com presença obrigatória dos alunos. Dias depois, trinta e duas escolas precisaram ser fechadas. Autoridades francesas declararam que, como os casos ocorreram, em sua maioria, logo nos primeiros dias de retorno, a contaminação ocorreu fora do âmbito escolar, nos dias finais de férias de verão.

Para Tânia de Freitas Fedri, brasileira residente em Órleans, apesar de ainda haver um certo receio ao enviar os filhos - Lorenzo, de 7 anos, e Maria Eduarda, de 18 - para a escola, há confiança de boa parte dos pais quanto às medidas sanitárias e de distanciamento aplicadas nos colégios.

Ela conta que, durante o período de retorno voluntário, apenas Lorenzo compareceu à escola. Maria Eduarda retornou só em setembro. “Na escola deles, tudo foi feito de acordo com as medidas de proteção sanitárias exigidas pelo Ministério da Saúde. Além disso, as autoridades daqui demonstram grande preocupação com a população. Isso tem sido bastante reconfortante e me faz deitar a cabeça no travesseiro e dormir mais tranquila”, afirma.

No entanto, desde o início de setembro, o país registra um número crescente de casos, com contaminações diárias ultrapassando as 10 mil.

O aumento de infecções acontece também em outros países do continente, o que levou a OMS a declarar, no último dia 17, a preocupação com o ritmo "alarmante" de transmissão da Covid-19 na Europa. Em alguns países, como a Espanha, o número de novos casos é superior aos registrados em março e abril.

Israel

As escolas israelenses tiveram as atividades temporariamente encerradas em 14 de março. Como o país administrou bem a crise e, entre março e abril, manteve as contaminações sob relativo controle, as expectativas para o retorno às aulas eram bastante positivas. A primeira etapa da retomada ocorreu em 4 de maio. Os primeiros a voltarem às aulas foram crianças de até oito anos e alunos do último ano do ensino médio, que teriam pouco tempo para se prepararem para as provas de ingresso no ensino superior.

A segunda etapa de retomada, com o retorno do restante dos estudantes, ocorreu em 17 de maio em meio a falhas na comunicação do governo com as escolas. O governo avisou a rede escolar sobre a volta às atividades presenciais com apenas 48 horas de antecedência – além disso, nessa etapa não haveria redução do tamanho de turmas.

Por isso e por falhas na aplicação de medidas sanitárias, houve um salto de novos casos. Quase mil (977) professores e alunos foram infectados e, como consequência, 22 mil pessoas da comunidade escolar foram colocadas em quarentena. Para controlar a situação, foram fechadas aproximadamente 240 escolas.

“Israel é um caso interessante de ser estudado. O país decidiu voltar às aulas quando a curva estava decrescente. Porém, graças à fragilidade da comunicação entre governo e sociedade, as escolas não tiveram tempo de se preparar. O processo de reabertura, na melhor das hipóteses, vai levar uma semana”, explica Carolina Campos.

“Para piorar, houve vários dias seguidos de muito calor. Os professores passaram a ligar o ar-condicionado e as crianças foram autorizadas a tirar as máscaras. Isso contribuiu para aumentar ainda mais o contágio”, afirma.

Após semanas de grande ansiedade, as escolas entraram em férias no início de julho. Porém, nas férias, os novos casos continuaram subindo em todo no país. No início de setembro, as atividades escolares presenciais voltaram em Israel.

Houve uma segunda onda de casos - muito mais agressiva do que a primeira - e desta vez a reabertura das escolas foi feita em período de curva ascendente. Resultado: em uma semana foram identificados quase 2 mil casos positivos entre alunos e professores. Aproximadamente 25 mil pessoas foram colocadas em quarentena.

Diante do aumento generalizado de casos em todo o país, o governo israelense decretou novo lockdown geral, com três semanas de confinamento, a partir de 18 de setembro.

Nova Zelândia

A Nova Zelândia conseguiu frear de forma efetiva a transmissão do novo coronavírus. O país de 4,9 milhões de habitantes impôs rapidamente duras restrições a atividades econômicas e viagens, quando os casos locais ainda se resumiam a algumas dezenas. Com fronteiras fechadas e lockdown, a Nova Zelândia controlou os casos e derrubou rapidamente a curva de contágio. Até agora, houve somente 25 óbitos por Covid-19.

O ensino presencial no país foi suspenso em 24 de março. Pouco mais de um mês depois, as aulas foram retomadas. A volta foi feita de acordo com os níveis de alerta criados pelo governo. Eles ajudaram a população a entender o risco de contaminação e as consequentes restrições.

Os níveis variavam entre 1 (menos crítico – seguro para a volta de todos os alunos/professores, até dos grupos de risco, e com presença obrigatória) e 4 (mais crítico – todas as escolas fechadas, com implementação do ensino remoto).

A comunicação do governo neozelandês com a sociedade tem sido considerada exemplar quanto ao enfrentamento da crise. As autoridades deixaram claro para os cidadãos quais eram os indicadores que determinavam a abertura e o fechamento das escolas e as medidas a serem seguidas.

O sistema de ensino caminhava bem, com as escolas do país permanecendo por meses no nível 2. Porém, após mais de cem dias sem nenhuma transmissão local, no dia 11 de agosto foram confirmados quatro novos casos em Auckland.

O episódio levou as autoridades da cidade a retornar ao nível 3, com suspensão das aulas presenciais em todas as escolas da cidade, a maior do país, com 1,6 milhão de habitantes, e o consequente retorno de mais de 250 mil estudantes ao ensino remoto. O restante do país permaneceu na fase 2. As escolas de Auckland retomaram as atividades presenciais após três semanas.

Marisa Cilli-Botica, que reside em Auckland e possui dois filhos em idade escolar - Pedro e José, de 12 e 14 anos respectivamente - explica que, como o país conseguiu administrar bem a crise, a volta às aulas não causou grandes preocupações. “As crianças sentiram muitas saudades da convivência com os amigos. Eles voltaram muito bem, ficamos felizes com a escola estar de volta e funcionando quase normalmente”, afirma.

Ela conta que as medidas básicas de higiene e distanciamento são seguidas adequadamente e que o papel do governo tem sido fundamental. “O governo está até mesmo financiando a estadia em hotéis durante duas semanas para os cidadãos que estiverem com Covid-19 passarem a quarentena”, conta.

Chile

O Chile encerrou as atividades escolares no dia 16 de março, quando havia registrado somente 79 casos de coronavírus.

Em junho, o governo chileno divulgou um planejamento de retomada da economia e definiu cinco etapas para a reabertura, de acordo com a situação específica de cada região - a fase 5 é a menos crítica, e a 1 é a mais restritiva.

De acordo com esse planejamento, as escolas poderiam reabrir a partir da fase 4, ainda que na fase 3 fosse permitida a abertura para escolas que fizessem uma solicitação formal – aproximadamente 30 escolas passaram a funcionar por meio desse recurso em junho.

Mas o governo optou por flexibilizar a reabertura das aulas já a partir da fase 3, e mais escolas de algumas regiões do país passaram a ter autorização para retornar às aulas a partir de 4 de agosto.

Houve muitas críticas sobre a decisão do governo, principalmente por parte dos professores. Até agora, a adesão por parte das escolas é limitada. A maioria delas está localizada em regiões em que a reabertura não é permitida, mas mesmo em locais onde a reabertura está autorizada, governos locais e comunidades escolares optaram por não retomar as aulas presenciais.

O Chile está com as contaminações estáveis, porém, com números de novas contaminações sempre acima de mil casos diários.

África do Sul

Ao lado de Israel, a África do Sul foi um dos países que teve o resultado da retomada das aulas avaliado como insatisfatório no Levantamento Internacional da Retomada das Aulas. Houve grande número de contaminações entre alunos e professores, o que levou a um novo fechamento das escolas.

O governo sul-africano determinou o fechamento das escolas a partir de 16 de março, quando o país tinha apenas 55 registros de coronavírus. As escolas ficaram fechadas por cerca de 70 dias e, em maio, o governo começou a comunicar a intenção de reabertura para os últimos anos do ensino médio e do ensino fundamental, com os outros anos retornando em seguida. A população reagiu, já que na época o país começava a ter crescimento mais acelerado no número de casos. Os sindicatos de professores se opuseram à reabertura e uma ação na Justiça adiou a retomada.

Os estudantes começaram a voltar às aulas no dia 1º de junho, mediante autorização dos pais. Famílias contrárias à retomada puderam deixar os filhos estudando remotamente.

Mas a África do Sul passou por um crescimento generalizado de contaminações nos meses de junho e julho. Para se ter uma ideia, no início de junho havia pouco mais de 32 mil casos e ao final de julho o país se aproximava de meio milhão.

No sistema de ensino, 773 escolas tiveram casos de Covid-19, com a contaminação de mil professores e 500 estudantes. Com isso, o governo decretou recesso para as escolas entre 27 de julho e 24 de agosto. E a instabilidade permanece no país: de um lado, sindicatos de professores pressionam para a paralisação das aulas; de outro, grupos preocupados com o aumento da desigualdade, caso haja um período maior de suspensão de aulas.

No momento, a curva de contágio está em queda no país, o que pode favorecer a manutenção das atividades escolares presenciais.

“O primeiro movimento de retomada no país, em junho, ocorreu quando o país estava com a curva ascendente. Em suas retomadas, África do Sul e Dinamarca estavam com números parecidos de casos. Mas a Dinamarca estava com a curva decrescente, e a África do Sul, ascendente”, explica a fundadora do Vozes da Educação. “O número de casos não diz muito, o que diz é a curva. Para piorar, embora o país tivesse protocolos, eles não foram implementados adequadamente nas escolas”, comenta.

Itália

A Itália foi a nação europeia que mais sentiu os impactos do novo coronavírus no início da pandemia. No dia 19 de março, superou a China e se tornava o país com o maior número de casos de Covid-19 no mundo. A marca só seria ultrapassada em 11 de abril, quando os Estados Unidos passaram a ocupar o posto de país com o maior número de contaminações – condição que permanece até hoje.

Como a Itália foi atingida com mais severidade antes de outros países europeus, foi o primeiro país a fechar suas escolas – a suspensão das aulas presenciais ocorreu no dia 4 de março. A partir daí, as instituições de ensino permaneceram de portas fechadas durante todo o primeiro semestre, com o período de suspensão de atividades presenciais As aulas voltaram somente depois das férias de verão, em 14 de setembro.

O governo italiano investiu quase 3 bilhões de euros para a contratação de mais professores - para substituir aqueles que fazem parte de grupos de riscos e não podem comparecer às aulas -, aluguel de espaços e compra de equipamentos para garantir maior segurança às instituições públicas de ensino.

Natália Ricatti mora em Milão e tem uma filha de quatro anos. Ela conta que, devido à dificuldade das crianças mais novas de respeitar o distanciamento, a escola da menina criou turmas de, no máximo, dez alunos. Eles ficam com um mesmo professor e isolados dos demais grupos. “Isso vem sendo feito em várias escolas, para que, caso ocorra um caso de Covid-19, apenas aquele grupo permaneça em casa e não a escola inteira”.

Na escola da filha de Natália, as crianças ficam todo o tempo dentro de uma determinada área ou sala de aula - que é alternada a cada dia para que não fique entediante para os alunos -, e brincam, alimentam-se e aprendem sempre naquele espaço. As áreas comuns são sempre higienizadas após o uso por parte de um dos grupos.

Para ela, a grande dificuldade é que, como as crianças pequenas ficam doentes com mais facilidade e frequência, todo sintoma como tosse, coriza ou febre conduz a uma sensação de grande receio por parte dos pais.

“Para as crianças, tem sido uma nova forma de passar o dia na escola. Às vezes, é triste termos essas restrições, mas elas se divertem como antes e têm a oportunidade de aprender e explorar; isso é o que importa”, salienta.

11 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]