Seu app Gazeta do Povo está desatualizado.

ATUALIZAR

PUBLICIDADE

Eleições 2018

Augusto Heleno, o general que Bolsonaro quer na Defesa: “Há muito preconceito contra ele”

General Augusto Heleno é cabo eleitoral do presidenciável e diz que querem dele uma “mistura de Reagan, Churchill, Merkel e João Paulo II

  • Brasília
  • Evandro Éboli
 | Marcello Casal Jr./ABR
Marcello Casal Jr./ABR
 
0 COMENTE! [0]
TOPO

Citado pelo presidenciável Jair Bolsonaro como seu curinga na área militar, caso o capitão da reserva vença a eleição, o general Augusto Heleno dispensa a responsabilidade e diz que a declaração do deputado foi apenas uma deferência. Bolsonaro praticamente anunciou Heleno como seu ministro da Defesa.  Ou que terá carta branca para escolher o militar – o deputado quer um general quatro estrelas no cargo – para ocupar a pasta.

Afagos à parte, o general Heleno, que já foi Comandante Militar da Amazônia e chefiou as tropas internacionais no Haiti, entre 2004 e 2005, é um cabo eleitoral de Bolsonaro. Pressionado, nas palavras dele, para se filiar a algum partido político e disputar as eleições deste ano, Heleno diz que até agora não foi mordido pela mosca azul da política. 

LEIA TAMBÉM: Quem é o brasileiro que fez do espaço um negócio e virou ministeriável de Bolsonaro

"Por enquanto não me comoveram. Há muita pressão e convite. Mas ainda há tempo. Quem sabe?", afirmou o general à Gazeta do Povo. Ele tende a não entrar diretamente nessa seara. 

O oficial da reserva tem dado declarações controversas, do seu estilo, sobre a intervenção no Rio, o período do regime militar e a candidatura de Bolsonaro. Ele acha que exigem muito de Bolsonaro e que há um preconceito contra ele. 

"Não tem por que esse preconceito todo contra ele. Já declarei meu voto a ele. Nesse quadro que está aí, é o melhor. Agora, tem gente querendo que ele seja uma mistura de Reagan, com Churchill, com Angela Merkel, o Papa João Paulo II. Ele não é", disse o militar. 

Para Heleno, atribuem muita coisa a Bolsonaro e a seu eventual governo. Ele lembra que, uma vez presidente, se Bolsonaro cometer transgressões, será tirado do poder. 

"Falam a bobagem que ele irá fazer uma intervenção militar, mesmo sendo candidato numa democracia. Se não preservar a democracia há todos os instrumentos constitucionais para tirá-lo do poder", disse Heleno, se referindo a possibilidade de afastamento de um presidente por um impeachment. 

Bolsonaro, no entendimento do general, conseguiu "resistir", nesses 27 anos de mandatos na Câmara, a qualquer esquema de corrupção. 

LEIA TAMBÉM: Ciro Gomes: não assinaria a Carta ao Povo Brasileiro, mas quer vice do PT

"Resistiu a esse toma lá dá cá nojento da política. Prometeu montar uma equipe com gente competente e abandonar esse hábito nocivo de indicações políticas para agradar a grupos que precisam ser cooptados". 

Intervenção

O militar tem sido ouvido pelas autoridades na intervenção no Rio. Ele não acredita que possa dizer que a medida beneficia o presidente Michel Temer e que prejudica Jair Bolsonaro, que perde aí sua bandeira da segurança pública. 

"É uma especulação difícil. Quem perde ou quem ganha. Sei que o fracasso da intervenção vai fazer mal a todo mundo. Não dá para torcer contra, como tem gente fazendo. Não tira bandeira de ninguém. Estamos numa situação excepcional de insegurança, com esfacelamento político e financeiro do Rio, onde a segurança é uma calamidade. A coisa precisa melhorar para ficar razoável". 

A classe política do Rio é alvo de duras críticas do general. E não acha improvável uma intervenção política mesmo no estado, como chegou a cogitar o presidente Michel Temer. 

"A política do Rio está esfacelada. Um ex-presidente da Câmara está preso (Eduardo Cunha), um ex-governador preso (Sérgio Cabral), o presidente da Assembleia Legislativa também (Jorge Picciani), secretários, assessores. Enfim. O Rio foi o estado mais afetado por essa situação. Corrupção, lavagem de dinheiro, montagem de esquemas. Óbvio que deve ter uma intervenção mais ampla se tiver justificativa".

o que você achou?

8 recomendações para você

deixe sua opinião

PUBLICIDADE

mais lidas de Política

PUBLICIDADE