Seu app Gazeta do Povo está desatualizado.

ATUALIZAR

PUBLICIDADE

eleições

Carimbo de Lula faz ‘plano B’ do PT dar salto em pesquisa presidencial

Quando é identificado pelo entrevistador como “apoiado por Lula”, Fernando Haddad (PT) sobe de 3% para 11% das intenções de voto, com chance real de 2º turno. Pesquisa foi encomendada pela XP Investimentos

  • Jéssica Sant’Ana
 | Rafael Ribeiro/Fotos Públicas
Rafael Ribeiro/Fotos Públicas
 
0 COMENTE! [0]
TOPO

Pesquisa encomendada pela XP Investimentos mostra que o carimbo do ex-presidente Lula faz um dos nomes cotados como plano B do PT para eleição dar um salto na corrida presidencial. Quando é identificado pelo entrevistador como “apoiado por Lula”, o ex-prefeito de São Paulo Fernando Haddad aparece na sondagem com 11% da intenções de voto, empatado com Marina Silva (Rede) e na frente de Ciro Gomes (PDT). Já quando o nome do petista é apresentado sem a citação do apoio do ex-presidente, Haddad tem apenas 3% das intenções de voto. A pesquisa foi feita entre os dias 4 e 6 de junho com 1 mil pessoas e tem margem de erro de 3,2 pontos percentuais.

Em relação aos cenários do primeiro turno, Jair Bolsonaro (PSL) lidera em todos, menos no que Lula é considerado candidato. Quando aparece como possível concorrente, o ex-presidente lidera a pesquisa com 30% das intenções de voto. Depois aparecem Bolsonaro, com 20%, Marina Silva, com 10%, Geraldo Alckmin (PSDB), com 7%, Ciro Gomes, com 6%, e Alvaro Dias (Podemos), com 5%. Votos brancos e nulos chegam a 15%.

Leia também: Adversários vestem figurino ‘anti-Bolsonaro’, mas estratégia pode ser tiro no pé

Já quando o nome de Lula não está entre as possibilidades, nem Fernando Haddad, a liderança é de Jair Bolsonaro, com 23% das intenções de voto. Atrás, aparecem Marina Silva (13%), Ciro Gomes (11%), Alckmin (9%) e Alvaro (7%). Cerca de 30% dos entrevistados afirmam votar branco ou nulo.

Outro cenário previsto na pesquisa é sem Lula e com Fernando Haddad. Nesse caso, foram feitas duas abordagens: quando o apoio de Lula é mencionado, Bolsonaro aparece com 21%, seguido por Hadadd (11%), Marina Silva (11%), Ciro Gomes (9%), Geraldo Alckmin (8%) e Alvaro Dias (6%). Votos brancos e nulos são 25%.

Leia também: PT lança vídeo com jingle e slogan da pré-campanha ‘Lula presidente’. Assista!

Já quando o apoio de Lula não é mencionado, Bolsonaro tem 22% das intenções de voto, seguido por Marina (13%), Ciro (11%), Alckmin (8%), Alvaro (6%) e Fernando Haddad (3%). Votos brancos e nulos chegam a 27%.

Na pesquisa espontânea, quando os entrevistados não são apresentados aos nomes dos possíveis candidatos, Jair Bolsonaro e Lula têm, cada um, 14% das intenções de voto. Os demais candidatos aparecem com percentuais igual ou menor a 2%. Votos brancos e nulos somam 25% e não sabem, 37%.

Segundo turno

Considerando os cenários previstos para o segundo turno, Bolsonaro não é líder absoluto. Quando a disputa é com Lula, o pré-candidato do PSL têm 35% das intenções de voto, contra 40% do ex-presidente. Já na disputa com Marina, há um empate técnico, considerando a margem de erro de 3,5 pontos percentuais. Marina Silva aparece com 36% das intenções de votos e Bolsonaro, 35%. O empate técnico, considerando a margem de erro, também acontece na disputa com Ciro Gomes, que aparece com 33% das intenções de voto e Bolsonaro com 35%.

Leia também: Mercado financeiro acredita que Bolsonaro ganhará eleição para presidente

O único cenário em que Bolsonaro aparece na frente é contra Geraldo Alckmin. Na disputa com o ex-governador de São Paulo, o tucano tem 29% das intenções e Bolsonaro, 34%.

Outro cenário apontado pela pesquisa é entre Alckmin e Haddad. Nesse caso, o tucano teria 30% dos votos e o petista, 20%. Quando os nomes apontados para segundo turno são Ciro Gomes e Geraldo Alckmin, o ex-governador de São Paulo tem 29% das intenções de voto e Ciro Gomes, 32%.

Metodologia

A pesquisa foi encomendada pela XP Investimentos e foi realizada pelo Ipespe (Instituto de Pesquisas Sociais, Políticas e Econômicas). As entrevistas foram feitas entre os dias 4 e 6 de junho de 2018. Foram entrevistadas 1 mil pessoas por telefone de todas as regiões do país. A margem de erro é de 3,2 pontos percentuais. O registro da pesquisa no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) é BR-05997/2018.

o que você achou?

8 recomendações para você

deixe sua opinião

PUBLICIDADE

mais lidas de Política

PUBLICIDADE