165600

Seu app Gazeta do Povo está desatualizado.

ATUALIZAR

PUBLICIDADE
  1. Home
  2. Política
  3. República
  4. Eleições 2018
  5. Como Lula agiu da cadeia para sabotar a candidatura Ciro Gomes

pacto PT-PSB

Como Lula agiu da cadeia para sabotar a candidatura Ciro Gomes

Ex-presidente traçou toda a estratégia para enfraquecer candidato pedetista em benefício do nome petista, como o pacto de neutralidade firmado entre PT e PSB

  • Brasília
  • Folhapress
 | Miguel Schincariol/AFP
Miguel Schincariol/AFP
 
0 COMENTE! [0]
TOPO

Preso há 116 dias na Superintendência da Polícia Federal em Curitiba, Luiz Inácio Lula da Silva coordenou os principais movimentos da pré-campanha até agora e conseguiu, antes mesmo do início oficial da disputa, isolar Ciro Gomes (PDT) e abrir espaço para uma candidatura mais competitiva do PT na sucessão de Michel Temer.

Nos cálculos de Lula, a eleição será novamente polarizada entre direita e esquerda e só há espaço para um nome de cada campo. Ciro seria o adversário direto do PT na competição por votos, principalmente entre os eleitores do Nordeste.

Leia também: Internet, rádio ou televisão? Como eleitor vai se informar para decidir o voto

Desde meados de junho, o ex-presidente então articulou movimentos, executados pela cúpula do PT, que desidrataram antecipadamente a candidatura de Ciro. Como o substituto de Lula só será lançado a 20 dias da eleição, os petistas trabalharam para impedir que o ex-governador do Ceará ganhasse musculatura que o consolidasse como nome da esquerda antes que o herdeiro petista seja conhecido.

Lula mandou recados por interlocutores que o visitam frequentemente na prisão e deu aval para decisões terminativas da presidente de seu partido, Gleisi Hoffmann, para pelo menos cinco atos que reverberaram contra Ciro: sinalizou com a vice do PT para Manuela D’Ávila (PCdoB) no momento em que o partido era assediado pelo PDT; repreendeu governadores petistas que defendiam aliança com Ciro; assistiu ao PR, de Valdemar Costa Neto, levar o Centrão para a órbita de Geraldo Alckmin (PSDB) ao invés de fechar acordo com o PDT e, em seguida, fez pesar sua relação familiar de anos na negativa do empresário Josué Alencar (PR) em ser vice do tucano.

Golpe de mestre

Por fim, nesta quarta-feira (1), Lula teve participação direta na negociação que neutralizou o PSB na eleição nacional, afastando-o definitivamente de Ciro Gomes. O partido de Eduardo Campos, morto em 2014, amigo e confidente do ex-presidente, estava sendo cortejado pelo ex-governador cearense, mas deve anunciar neutralidade na disputa ao Planalto na convenção de domingo (5). O golpe em Ciro será imediato: isolado, ele contará com apenas 36 segundos para fazer campanha no rádio e na TV.

As ações partidárias, sobre PCdoB e PSB, foram coordenadas “pari passu” com Glesi, que visita o ex-presidente religiosamente toda semana, mas as outras movimentações foram mais diluídas, com a participação de diversos atores. Cotados como plano B caso Lula seja impedido de concorrer ao Planalto, Jaques Wagner e Fernando Haddad foram fundamentais na ponte com o PR.

Em 12 de julho, Jaques esteve pessoalmente com Valdemar Costa Neto e, uma semana depois, Haddad telefonou para outra liderança do PR. Todos queriam saber sobre a possibilidade de Josué Alencar ser vice na chapa petista e, caso isso não ocorresse, qual caminho a sigla indicaria ao Centrão se resolvesse seguir com o grupo.

Leia também: Vale tudo pelo poder – a história da aliança que causou a ruína de Lula e do PT

Valdemar queria apoiar Lula, mas avalia que o ex-presidente será barrado pela Lei da Ficha Limpa e não estará na urna em outubro. Inserido no Centrão, jogou pela preferência lulista, reorientando tendências e sacramentando o primeiro revés ao Ciro quando selou o apoio do bloco a Geraldo Alckmin.

Josué, por fim, também levou em conta sua relação histórica com Lula ao negar ser vice do tucano. O pai do empresário foi vice do petista nos oito anos de governo e Lula foi o principal fiador de sua filiação ao PR. Caso pudesse concorrer, o ex-presidente queria reeditar a chapa com a nuance empresarial, de aceno à classe média e ao mercado. 

Agora, dizem petistas que já admitem, mesmo que nos bastidores, uma eleição sem Lula: o ideal é um vice com a cara do PT. E está aí a opção Manuela.

8 recomendações para você

deixe sua opinião

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

O jornalismo da Gazeta depende do seu apoio.    

Por apenas R$ 0,99 no 1º mês você tem
  • Acesso ilimitado
  • Notificações das principais notícias
  • Newsletter com os fatos e análises
  • O melhor time de colunistas do Brasil
  • Vídeos, infográficos e podcasts.
Já é assinante? Clique aqui.
>