103712

Seu app Gazeta do Povo está desatualizado.

ATUALIZAR

PUBLICIDADE
  1. Home
  2. Política
  3. República
  4. Eleições 2018
  5. Conselheiro de Bolsonaro, general ganha peso na formulação do plano de governo

Futuro ministro

Conselheiro de Bolsonaro, general ganha peso na formulação do plano de governo

Admiração mútua entre Bolsonaro e o general Augusto Heleno se reflete até em atos falhos do presidenciável. Se o PSL ganhar eleição ao Planalto, o Ministério da Defesa já tem dono

  • Giorgio Dal Molin
  • com informações de Evandro Éboli
Nascido em Curitiba, em 1947, o general Augusto Heleno foi o primeiro comandante brasileiro da Força de Paz da ONU no Haiti, entre 2004 e 2005 | Luis Hidalgo/ AFP
Nascido em Curitiba, em 1947, o general Augusto Heleno foi o primeiro comandante brasileiro da Força de Paz da ONU no Haiti, entre 2004 e 2005 Luis Hidalgo/ AFP
 
0 COMENTE! [0]
TOPO

Ele era o vice dos sonhos de Jair Bolsonaro, mas acabou impedido por uma questões partidária. O general Augusto Heleno Ribeiro Pereira estava filiado ao PRP, que não tinha interesse em apoiar o presidenciável do PSL e se coligou com Alvaro Dias. Heleno abandonou a legenda e ajudou Bolsonaro a escrever seu plano de governo.

“Fabricaram uma história de que eu teria recusado ser vice da chapa de Bolsonaro. Isso é uma calúnia, eu jamais disse isso. Desde o primeiro momento eu encarava como uma missão a ser cumprida”, destacou Heleno na convenção de lançamento da candidatura do presidenciável, em julho deste ano.

VEJA TAMBÉM: Quem são os generais que dão as cartas no plano de governo de Bolsonaro

O desejo da dobradinha Bolsonaro-Heleno era tanto que, durante entrevista do presidenciável ao Jornal Nacional na semana passada, o candidato se confundiu duas vezes ao mencionar nome do “vice oficial”, general Mourão, pelo de Heleno. É o que a psicanálise chamaria de ato falho: uma ação inconsciente que reflete o que o interlocutor realmente gostaria.

Não à toa, Augusto Heleno é o general em quem Bolsonaro mais confia. Pessoas próximas do núcleo dizem que é uma “relação de pai e filho”. Uma coisa é certa: ele será um dos ministros de Bolsonaro, caso eleito, assumindo o Ministério da Defesa. Experiência na área ele tem de sobra.

Quem é o General Heleno?

Nascido em Curitiba, em 1947, foi o primeiro comandante brasileiro da Força de Paz das Nações Unidas no Haiti, entre 2004 e 2005, que tinha um efetivo de 6.250 homens. Também foi comandante militar da Amazônia entre 2007 e 2009, mas teria saído por atritos com o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Hoje general da reserva, Heleno iniciou a carreira como cadete em 1964 – ano em que teve início o regime militar no Brasil.Na década seguinte começaram os laços com Bolsonaro. Eles se conheceram nos anos 1970 na Academia Militar das Agulhas Negras, em Rezende (RJ). À época, o presidenciável era cadete e o futuro ministro treinava a equipe de pentatlo.

Nos anos 1980, Heleno ganhou status de oficial. O candidato do PSL, de rebelde – Bolsonaro foi preso por escrever um artigo para a revista Veja dizendo que os salários dos militares eram baixos e investigado por planejar detonar bombas em unidades do Exército. Nada disso, porém, foi provado.

RELEMBRE:Os 30 anos do julgamento que pôs fim à carreira militar de Bolsonaro

Foi nessa década, inclusive, que ocorreu o distanciamento da política e das Forças Armadas, como lembra o próprio general Heleno: 

“Toda minha vida de oficial foi após o regime militar (encerrado em 1985). As Forças Armadas meio que se vacinaram contra essa participação política. E nós somos responsáveis, eu que passei meu tempo todo a minha fase de comandante pós-regime militar tive a perfeita noção que estava fora [desse meio]”, garantiu Heleno em entrevista ao programa Band Eleições, dia 8 de outubro.

Resistência

Até há pouco tempo, o militar realmente resistia em entrar para a política. “Fui instado a fazer isso (se filiar). Não tinha nada planejado”, disse à Gazeta do Povo em junho, quando inclusive era cotado a disputar uma cadeira ao Senado. Contudo, nem entre os militares ele é uma unanimidade por “falar o que vem à cabeça”.

Frases polêmicas, não faltam. O militar foi ouvido por autoridades antes da intervenção militar do Rio de Janeiro e disse que “bandido com fuzil na mão tem que ser fuzilado”. Na convenção do PSL, chamou a ex-presidente Dilma Rousseff de terrorista e afirmou no evento que foi “uma burrice sem tamanho” ela ter comparecido ao Foro de São Paulo em Cuba:

“Será que ainda tem gente que em suas faculdades mentais está pregando democracia? A democracia cubana? A democracia venezuelana? Não acredito que as pessoas com mínimo discernimento continuem a acreditar nessa balela”. Também um crítico do chamado Centrão: “É a materialização da impunidade”.

Agora, como ele mesmo costuma dizer, fica no aguardo da próxima missão. Se Bolsonaro vencer o pleito, claro.

8 recomendações para você

deixe sua opinião

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

O jornalismo da Gazeta depende do seu apoio.    

Por apenas R$ 0,99 no 1º mês você tem
  • Acesso ilimitado
  • Notificações das principais notícias
  • Newsletter com os fatos e análises
  • O melhor time de colunistas do Brasil
  • Vídeos, infográficos e podcasts.
Já é assinante? Clique aqui.
>