Seu app Gazeta do Povo está desatualizado.

ATUALIZAR

PUBLICIDADE

Futuro ministro

Conselheiro de Bolsonaro, general ganha peso na formulação do plano de governo

Admiração mútua entre Bolsonaro e o general Augusto Heleno se reflete até em atos falhos do presidenciável. Se o PSL ganhar eleição ao Planalto, o Ministério da Defesa já tem dono

  • Giorgio Dal Molin
  • com informações de Evandro Éboli
Nascido em Curitiba, em 1947, o general Augusto Heleno foi o primeiro comandante brasileiro da Força de Paz da ONU no Haiti, entre 2004 e 2005 | Luis Hidalgo/ AFP
Nascido em Curitiba, em 1947, o general Augusto Heleno foi o primeiro comandante brasileiro da Força de Paz da ONU no Haiti, entre 2004 e 2005 Luis Hidalgo/ AFP
 
0 COMENTE! [0]
TOPO

Ele era o vice dos sonhos de Jair Bolsonaro, mas acabou impedido por uma questões partidária. O general Augusto Heleno Ribeiro Pereira estava filiado ao PRP, que não tinha interesse em apoiar o presidenciável do PSL e se coligou com Alvaro Dias. Heleno abandonou a legenda e ajudou Bolsonaro a escrever seu plano de governo.

“Fabricaram uma história de que eu teria recusado ser vice da chapa de Bolsonaro. Isso é uma calúnia, eu jamais disse isso. Desde o primeiro momento eu encarava como uma missão a ser cumprida”, destacou Heleno na convenção de lançamento da candidatura do presidenciável, em julho deste ano.

VEJA TAMBÉM: Quem são os generais que dão as cartas no plano de governo de Bolsonaro

O desejo da dobradinha Bolsonaro-Heleno era tanto que, durante entrevista do presidenciável ao Jornal Nacional na semana passada, o candidato se confundiu duas vezes ao mencionar nome do “vice oficial”, general Mourão, pelo de Heleno. É o que a psicanálise chamaria de ato falho: uma ação inconsciente que reflete o que o interlocutor realmente gostaria.

Não à toa, Augusto Heleno é o general em quem Bolsonaro mais confia. Pessoas próximas do núcleo dizem que é uma “relação de pai e filho”. Uma coisa é certa: ele será um dos ministros de Bolsonaro, caso eleito, assumindo o Ministério da Defesa. Experiência na área ele tem de sobra.

Quem é o General Heleno?

Nascido em Curitiba, em 1947, foi o primeiro comandante brasileiro da Força de Paz das Nações Unidas no Haiti, entre 2004 e 2005, que tinha um efetivo de 6.250 homens. Também foi comandante militar da Amazônia entre 2007 e 2009, mas teria saído por atritos com o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Hoje general da reserva, Heleno iniciou a carreira como cadete em 1964 – ano em que teve início o regime militar no Brasil.Na década seguinte começaram os laços com Bolsonaro. Eles se conheceram nos anos 1970 na Academia Militar das Agulhas Negras, em Rezende (RJ). À época, o presidenciável era cadete e o futuro ministro treinava a equipe de pentatlo.

Nos anos 1980, Heleno ganhou status de oficial. O candidato do PSL, de rebelde – Bolsonaro foi preso por escrever um artigo para a revista Veja dizendo que os salários dos militares eram baixos e investigado por planejar detonar bombas em unidades do Exército. Nada disso, porém, foi provado.

RELEMBRE:Os 30 anos do julgamento que pôs fim à carreira militar de Bolsonaro

Foi nessa década, inclusive, que ocorreu o distanciamento da política e das Forças Armadas, como lembra o próprio general Heleno: 

“Toda minha vida de oficial foi após o regime militar (encerrado em 1985). As Forças Armadas meio que se vacinaram contra essa participação política. E nós somos responsáveis, eu que passei meu tempo todo a minha fase de comandante pós-regime militar tive a perfeita noção que estava fora [desse meio]”, garantiu Heleno em entrevista ao programa Band Eleições, dia 8 de outubro.

Resistência

Até há pouco tempo, o militar realmente resistia em entrar para a política. “Fui instado a fazer isso (se filiar). Não tinha nada planejado”, disse à Gazeta do Povo em junho, quando inclusive era cotado a disputar uma cadeira ao Senado. Contudo, nem entre os militares ele é uma unanimidade por “falar o que vem à cabeça”.

Frases polêmicas, não faltam. O militar foi ouvido por autoridades antes da intervenção militar do Rio de Janeiro e disse que “bandido com fuzil na mão tem que ser fuzilado”. Na convenção do PSL, chamou a ex-presidente Dilma Rousseff de terrorista e afirmou no evento que foi “uma burrice sem tamanho” ela ter comparecido ao Foro de São Paulo em Cuba:

“Será que ainda tem gente que em suas faculdades mentais está pregando democracia? A democracia cubana? A democracia venezuelana? Não acredito que as pessoas com mínimo discernimento continuem a acreditar nessa balela”. Também um crítico do chamado Centrão: “É a materialização da impunidade”.

Agora, como ele mesmo costuma dizer, fica no aguardo da próxima missão. Se Bolsonaro vencer o pleito, claro.

8 recomendações para você

deixe sua opinião

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE